o fim do ETA

Os seis verificadores

A Comissão Internacional é um organismo cuja mediação não é reconhecida pelo Governo espanhol Os seis membros desembarcaram nesta quinta-feira na Espanha para anunciar que o ETA 'põe fora de uso” parte do arsenal

O líder dos verificadores, Ram Manikkalingam, mostra o inventário das armas que o ETA deixou fora de uso.
O líder dos verificadores, Ram Manikkalingam, mostra o inventário das armas que o ETA deixou fora de uso.ALFREDO ALDAI (EFE)

A Comissão Internacional de Verificação (CIV) sobre o fim de ETA, liderada por Ram Manikkalingam, aterrissou nesta quinta-feira 21 no aeroporto de Loiu, para anunciar que a organização terrorista ETA põe "fora de uso operativo uma quantidade de armas" que fazem parte do arsenal do grupo terrorista. A comissão assinalou que este processo é "verossímil e significativo".

Manikklalingham leu primeiro em castelhano e depois em inglês o comunicado em um ato no hotel Carlton de Bilbao: "Há um ano a CIV constatou os avanços significativos no País Basco e manifestou sua intenção de que os esforços se intensificassem". Durante sua estância em Euskadi, além de se encontrar com Urkullu, os verificadores preveem manter outros contatos com partidos políticos e agentes sociais e sindicais.

Ram Manikkalingam (Sri Lanka)

Lidera a Comissão Internacional de Verificação do País Basco (CIV). É diretor do Dialogue Advisory Group e professor convidado na Universidade de Amsterdã. Foi encarregado do programa de seguridade internacional na Fundação Rockefeller. Participou do processo de paz com a ex-presidenta do Sri Lanka. Manikkalingam trabalhou em uma série de projetos de resolução de conflitos, incluindo os do Iraque e Irlanda do Norte. 

Ronnie Kasrils (África do Sul)

É um político aposentado, participou ativamente como líder na luta contra o apartheid na África do Sul. Foi vice-ministro da Defesa, ministro de Águas e Bosques e ministro de Inteligência. Foi membro do comitê executivo nacional do Congresso Nacional Africano durante mais de 16 anos.

Chris Maccabe (Reino Unido)

Participou das negociações do Acordo da Sexta-feira Santa como diretor político no Escritório do Governo do Reino Unido na Irlanda do Norte em 1998. Também foi assessor para governos e organizações internacionais em processos de paz em lugares como Kosovo e Tanzânia. Foi honrado pelo Companion of the Order of Bath em 2004.

Satish Nambiar (Índia)

Foi chefe adjunto do Estado Maior das Forças Armadas da Índia. Serviu como primeiro comandante e chefe da Missão da Força de Proteção das Nações Unidas na ex-Iugoslávia em 1992 e 1993. Depois de sua jubilação do exército, foi diretor do United Service Institution na Índia durante mais de 12 anos. Foi parte do grupo de secretário geral das Nações Unidas sobre as ameaças, os desafios as mudanças.

Fleur Ravensbergen (Holanda)

É a diretora de programas do Dialogue Advisory Group. Previamente trabalhou no Ministério de Cooperação para o Desenvolvimento da Holanda, no Partido dos Trabalhadores holandês e em uma agência de investigação onde dirigia projetos nas áreas de governo e políticas.

Aracelly Santana (Equador)

Foi representante adjunta do secretário geral das Nações Unidas no Nepal, e adjunta do assessor especial do secretário geral das Nações Unidas para o processo de transição na Líbia depois da Primavera Árabe. Participou nos processos de paz em El Salvador, Guatemala, Nepal, Líbia, entre outros ao longo dos seus 20 anos na ONU.

Arquivado Em: