Uma falha no robô chinês ‘Yutu’ acaba com a sua aventura na Lua

O veículo sofreu problemas nos sistemas de proteção durante a noite lunar, segundo informou a agência espacial chinesa

Imagem do veículo motorizado ‘Yutu’ no solo da Lua.
Imagem do veículo motorizado ‘Yutu’ no solo da Lua.CASC/ Ministerio de Defensa chino

A aventura do robô chinês Yutu no solo da Lua terminou antes do previsto. Ele durou um mês e meio desde a sua aterrissagem no dia 14 de dezembro e alcançou parte de seus objetivos. No entanto, a previsão de duração de sua missão era de três meses. A agência espacial chinesa comunicou que o veículo sofreu problemas em seus sistemas de autoproteção nas duras condições da noite lunar e provavelmente não voltará a funcionar. O jornal oficial do Governo Diário do Povo afirma que o robô não poderá mais ser consertado, embora não explique as causas da avaria, segundo uma nota da agência Efe.

No sábado passado, a agência Xinhua disse que Yutu sofria um problema de controle mecânico e que os cientistas estavam planejando o reparo. O problema se devia “ao complicado terreno da superfície lunar”. A avaria ocorreu na segunda noite lunar do robô, quando ele foi posto em hibernação. Um dia lunar dura 28 dias terrestres, com duas semanas de luz diurna e duas semanas de noite a temperaturas que chegam a 173 graus centígrados abaixo de zero, contra os 100 graus atingidos durante o dia. Para o fornecimento de energia, tanto Yutu como o módulo de descida da missão Chang E3, o primeiro a chegar à superfície lunar, levaram painéis solares e dispositivos de radioisótopos, que são baterias nucleares. O módulo entrou em hibernação em sua segunda noite lunar na sexta-feira passada, e Yutu fez o mesmo no sábado, quando os problemas técnicos começaram.

Durante a noite lunar, o Yutu ficava direcionado para o ponto onde o Sol voltaria a aparecer na manhã seguinte e guardava sua câmera, a antena de comunicações e outros instrumentos para protegê-los do frio, ao mesmo tempo em que mantinha a temperatura mínima indispensável em seu interior com a unidade de radioisótopos.

Em um mês e meio, a missão conseguiu triunfos notáveis, incluindo a aterrissagem controlada no solo lunar, o que tornou a China a terceira potência a fazer isso, depois da antiga União Soviética e dos EUA. Além disso, foram igualmente importantes a saída do veículo motorizado do módulo de descida, os primeiros metros percorridos ali, a tomada de uma amostra do solo com um braço, as primeiras análises de minerais e as imagens feitas do meio lunar e da Terra. No veículo motorizado estão instalados um radar de penetração no solo lunar, um aparelho de raios X, outro infravermelho e uma câmera panorâmica, enquanto o módulo de descida Chang E3 está dotado com um telescópio óptico, uma câmera de ultravioleta, uma câmera de aterrissagem e outra topográfica.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete