Transferências internacionais de jogadores compõem uma área nebulosa

O secretário-geral da FIFA diz que a entidade espera apresentar soluções para evitar casos de transferências como a de Neymar, que derrubou o presidente do Barcelona

O caso Neymar respingou na coletiva de imprensa realizada no Maracanã, no Rio de Janeiro, após a reunião da diretoria do Comitê Organizador Local (COL) da Copa do Mundo no Brasil, nesta quinta-feira.

O secretário-geral da FIFA, Jérôme Valcke, afirmou que as transferências internacionais de jogadores compõem uma área nebulosa, e que a entidade espera apresentar soluções até o final de 2015.

"Fazemos o possível para que as transferências (entre clubes e os atletas) sejam as mais transparentes possíveis", disse, após ser questionado por uma jornalista sobre o caso Neymar.

"É uma coisa pela qual já vínhamos trabalhando, e não apenas porque esse caso veio à tona", completou, referindo-se ainda ao sistema de controle de transferências internacionais da entidade, o TMS (na sigla em inglês).

O TMS é utilizado por mais de 4.600 clubes em todo o mundo e por todas as federações afiliadas à FIFA. Apesar de reunir documentações sobre as negociações, o sistema não consegue fiscalizar com precisão todos os custos envolvidos.

"O melhor para nós, da Fifa, seria que todos os pagamentos passassem pela Fifa (...) Mas é uma coisa que não podemos fazer, porque não somos um banco, e nem podemos nos tornar um banco".