Os executivos de Internet expressam a Obama suas queixas sobre a espionagem

O presidente assegura que escutou “as dúvidas e recomendações” dos altos executivos pela espionagem em massa revelada por Snowden

Barack Obama se reúne com diretores de empresas.
Barack Obama se reúne com diretores de empresas.MICHAEL REYNOLDS / EFE

A reunião mantida esta manhã entre Barack Obama e os gigantes da internet foi concluída com um comunicado da Casa Branca em que assegurava que o presidente havia escutado “as dúvidas, queixas e recomendações” dos altos executivos tecnológicos sobre a espionagem em massa realizada pelo Governo e denunciada à imprensa pelo ex-analista da Agência de Segurança Nacional (NSA, siglas em inglês) Edward Snowden.

“O presidente deixou clara sua crença em um sistema de internet livre, aberto e inovador”, assegurou a Casa Branca no curto comunicado, em que acrescentou que Obama e seu Gabinete considerarão “as contribuições” feitas por estes grupos empresariais em relação à revisão que a Administração está fazendo sobre seus programas de espionagem.

Por sua vez, o grupo de 15 participantes do encontro -entre eles o conselheiro da Apple, Tim Cook; o do Twitter, Dick Costolo; a presidenta do Yahoo, Marissa Mayer; a executiva do Facebook, Sheryl Sandberg; e o presidente executivo do Google, Eric Smith; entre outros-, se limitou a declarar que apreciava a oportunidade oferecida de compartilhar “diretamente” com o presidente seus "princípios sobre a vigilância governamental” –princípios que revelaram na semana passada através de uma carta aberta a Obama- e que tinham urgido à Casa Branca a que acelerasse a reforma da vigilância do Governo através das comunicações.

O encontro na Casa Branca aconteceu um dia depois de um juiz dizer que os programas de compilação de chamadas telefônicas da Agência de Segurança Nacional violam o direito de privacidade dos cidadãos norte-americanos e poderiam ser inconstitucionais

O encontro na Casa Branca produzia-se em um dia depois que um juiz afirmou que os programas de compilação de chamadas telefônicas da Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos violam o direito da privacidade dos cidadãos norte-americanos e poderiam ser inconstitucionais. “Não posso imaginar uma invasão de privacidade mais indiscriminada e arbitrária que esta compilação e retenção tecnológica de dados pessoais de praticamente todos e cada um dos cidadãos com o único propósito de analisá-los sem autorização judicial”, afirmou o juiz Richard Leon -designado por George W. Bush- e que qualificou o sistema de 'orwelliano'.

Segundo o juiz, o programa de compilação de dados a partir do rastreio de chamadas telefônicas, o primeiro filtrado por Snowden, entra em conflito com a Quarta Emenda que proíbe a captação e a busca de informação para além de limites razoáveis.

Muitos dos assistentes à reunião desta manhã com Obama não são só grandes magnatas da tecnologia senão também ex-colaboradores, seguidores ou doadores políticos das campanhas do presidente, e que neste momento se encontram em uma posição incomoda depois de que a espionagem em massa dos EUA se tornou pública pelo ex-analista da NSA, da qual foram cúmplices ao proporcionarem dados confidenciais de seus usuários.

Na última primavera do hemisfério norte, um jovem desconhecido para os EUA e para o mundo inteiro colocou em xeque a Administração norte-americana ao filtrar à imprensa vários programas secretos de vigilância em massa do Governo. Depois do escândalo, Obama ordenou uma revisão das atividades da NSA e na última sexta-feira recebeu o relatório das mãos de um painel independente que contém mais de 40 recomendações e está sendo analisado pelo presidente e seu gabinete.

A Administração de Obama está sob uma pressão crescente como consequência das revelações de Snowden, pressão que na semana passada aumentou com a publicação de uma carta em que oito companhias tecnológicas somavam suas forças e pediam à Casa Branca em uma única voz que estabelecesse novos limites à vigilância que realiza o Governo sobre seus usuários.

“O equilíbrio em muitos países inclinou-se muito a favor do Estado e na contramão dos direitos dos indivíduos, direitos que estão consagrados em nossa Constituição”, se lia na carta aberta a Obama e ao Congresso, que foi publicada em forma de anúncio em vários jornais nacionais pelos executivos e fundadores das companhias que, novamente, são importantes doadores das campanhas eleitorais políticas e com profundos interesses em Washington.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50