O primeiro trem-bala direto faz o trecho Paris-Barcelona em seis horas e meia

Até agora, havia o serviço de alta velocidade entre ambas cidades, mas os viajantes tinham que fazer uma baldeação em Figueira

Ana Pastor, ministra de Fomento, cumprimenta o ministro delegado de Transporte da França, Frédéric Cuvillier.
Ana Pastor, ministra de Fomento, cumprimenta o ministro delegado de Transporte da França, Frédéric Cuvillier.Toni Garriga (EFE)

As redes de alta velocidade entre a Espanha e a França estão unidas desde este domingo (em espanhol). Depois de anos de investimentos milionários, de negociações entre os respectivos Governos e de trabalhos para aprovar os trens de um lado e de outro da fronteira, a aliança entre o operador público espanhol Renfe e o francês SNCF possibilitou fazer a jornada “em um dia histórico”, como o qualificou a ministra de Fomento, Ana Pastor, em um ato protocolar em Perpiñán, cidade em que finalizou seu trajeto no trem inaugural que partiu de Barcelona e no qual viajaram representantes políticos e institucionais e meios de comunicação dos dois países.

O ministro francês de Transportes, Frédéric Cuvillier, afirmou sentir-se “comovido” pelo que considera um passo adiante, que permite atingir “uma etapa muito importante” na rede de alta velocidade francesa. A França, disse ele, depois de se ligar a outros países europeus, agora se volta para “um elemento essencial do Sul”.

Pastor e Cuvillier não inauguraram nenhuma infraestrutura nova. Apenas deram início a novos serviços ferroviários que permitirão viajar em alta velocidade entre a Espanha e a França, após a inauguração em janeiro passado do trecho Barcelona-Girona-Figueira, que desbloqueou a região fronteiriça. Depois desse primeiro passo e do posterior acordo entre Renfe e SNCF, a partir de agora é possível viajar sem necessidade de mudar trem entre Madri e Marselha (em sete horas) e entre Barcelona e Paris (em seis horas e 25 minutos).

Também estreiam as rotas Barcelona-Toulouse (três horas) e Barcelona-Lyon (4 horas e 53 minutos). Embora já funcionasse em alta velocidade nos dois lados dos Pirineus, o viajante tinha de fazer uma baldeação em Figueira (Girona) e esperar entre 12 e 22 minutos pelo próximo trem.

Trata-se de uma aliança complexa que chega muito próxima da liberalização do transporte ferroviário de viajantes e com a qual as duas companhias projetam ganhar um milhão de viajantes em 2014, dos oito milhões que atualmente vão de um país a outro em avião e trem.

O atraso de oito meses em relação à última data prevista para a inauguração colca em evidência as dificuldades para pôr em marcha o serviço, embora as duas companhias públicas estejam há anos colaborando entre si na exploração de trens conjuntos. O principal obstáculo foi o ajustar os trens franceses às condições da rede espanhola e fazer o mesmo com os espanhóis, um processo que inclusive os dirigentes políticos achavam que poderia ter sido feito mais rapidamente.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: