A Argentina freia a importação de carros produzidos no Brasil

O governo argentino impôs uma barreira de 20% a 27,5% à importação de veículos comerciais leves brasileiros

Carros embarcam no Porto de Paranaguá, no Sul do Brasil.
Carros embarcam no Porto de Paranaguá, no Sul do Brasil. APPA

A decisão do governo argentino de impor uma barreira de 20% a 27,5% à importação de veículos comerciais leves fabricados no Brasil no primeiro trimestre de 2014 é um duro golpe no setor automotivo nacional. Tendo em conta o cenário da pauta de exportações brasileiras, pode sozinha levar o país a ter déficits maiores na sua balança comercial.

O motivo é que o saldo das exportações brasileiras de janeiro a novembro ficou em magros 89 milhões de dólares. Desse modo, as remessas das montadoras instaladas no Brasil ao país platino eram um trunfo e haviam atingido um valor equivalente a 5 bilhões de dólares de janeiro a novembro. No caso dos veículos comercias leves, a participação das compras argentinas é de 87,4% do total vendido.

Se a restrição tal qual foi proposta para o trimestre de 2014 pela ministra da Indústria da Argentina, Debora Giorgi, fosse estendida até novembro, e considerando um volume de exportação igual ao deste ano, o prejuízo seria de 1,375 bilhão de reais.

Para os analistas, a medida não representa o desastre que pode parecer à primeira vista, já que um acordo em breve entre Brasília e Buenos Aires é bastante provável.

A preocupação volta-se, portanto, à falta de competitividade e de clientes do setor automotivo brasileiro, que deposita todas as suas esperanças num só cliente, a Argentina, com seus 523.000 veículos importados no acumulado do ano.

Os outros compradores não chegam perto dos argentinos. O segundo mercado dos veículos brasileiros é o México, com cerca de 35.000 veículos comprados. Em seguida, estão o Uruguai e a Colômbia, que importaram aproximadamente 10.000 carros.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete