Análise
Exposição educativa de ideias, suposições ou hipóteses, baseada em fatos comprovados (que não precisam ser estritamente atualidades) referidos no texto. Se excluem os juízos de valor e o texto se aproxima a um artigo de opinião, sem julgar ou fazer previsões, simplesmente formulando hipóteses, dando explicações justificadas e reunindo vários dados

Obama fica sozinho na defesa do acordo com o Irã

A Casa Branca enfrenta a possível aprovação de sanções no Congresso e uma revolta de seus aliados no Oriente Médio

O presidente Obama a sua chegada a Seattle neste domingo.
O presidente Obama a sua chegada a Seattle neste domingo.JEWEL SAMAD (AFP)

Barack Obama enfrenta o desafio mais importante da política exterior de sua presidência, a reconciliação com o Irã, em absoluta solidão, sem apoios claros nem dentro nem fora dos Estados Unidos, obrigado a demonstrar em pouco tempo que existem garantias verificáveis de manter o programa nuclear iraniano sob controle e que não existe perigo imediato para os principais aliados norte-americanos no Oriente Médio.

A posição de Obama depois da assinatura do acordo interino é muito mais desconfortável que a de seus colegas europeus em Genebra. O presidente norte-americano, não só enfrenta uma dura oposição de ambos partidos, incluído o seu próprio, em casa, como também vê ameaçada a arquitetura tradicional de influência dos EUA na região. Israel e a Arábia Saudita, os dois pilares sobre os que se assentou a estratégia norte-americana, estão na contramão do pacto com o Irã e reconsiderando seus relacionamentos com Washington.

Na realidade, ambos focos de oposição estão vinculados. A rejeição ao acordo no Congresso estadunidense é, em parte, reflexo das queixas da Arábia Saudita e, sobretudo, de Israel. Ao mesmo tempo, ambos países estão decididos a encarar Obama porque sabem que contam com poderosos amigos no Capitólio.

Embora o compromisso assinado em Genebra abra um período de seis meses para consolidar os acordos ainda provisórios, Obama não tem um prazo tão longo para vencer a resistência detectada no Senado. Vários senadores, tanto democratas como republicanos, expressaram sua intenção de discutir um novo pacote de sanções ao Irã a partir do próximo mês, assim que acabar o atual recesso de Thanksgiving (Ação de Graças).

Foram as fortes sanções, não o bom coração dos líderes iranianos, o que levou a Irã à mesa de negociações”, recordou Schumer

Um dos que se manifestaram a favor de considerar essa opção é um dos habituais aliados de Obama em outras feições de sua agenda, o senador democrata Charles Schumer, que se queixou que acordo de Genebra “carece da necessária proporcionalidade” e, portanto, “aumenta as possibilidades de que democratas e republicanos atuemos juntos para aprovar novas sanções em dezembro”. “Foram as fortes sanções, não o bom coração dos líderes iranianos, o que levou o Irã à mesa de negociações”, recordou Schumer.

Por parte dos republicanos, a oposição ao pacto com o Irã já estava garantida desde antes de ser anunciada. O senador Mark Kirk, que lidera a política de seu partido neste assunto, declarou que o regime islâmico fez só “concessões cosméticas” e que não pode ser aceitado nada que não seja o “completo congelamento do programa nuclear”. O senador John McCain qualificou a política exterior deste Governo como a pior que conheceu em toda sua vida.

Se a oposição do Congresso concretiza-se na aprovação de novas sanções contra o Irã nos próximos dias, Obama poderia ser visto obrigado a vetá-las para impedir que descarrile todo o processo em marcha. Um dos instrumentos da Casa Branca para evitar que chegue a esse ponto é tratar de aplacar a ira de Israel, o que já começou a ser feito com um telefonema de Obama ao primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu.

O senador McCain qualificou a política exterior deste Governo como a pior que conheceu em toda sua vida

O argumento principal do Governo é que, a longo prazo, a segurança de Israel se verá melhor garantida por um acordo verificável que impeça a construção de armas atômicas no Irã do que por um ataque militar que poderia desencadear duras represálias contra Israel sem assegurar que fosse destruída por completo a capacidade nuclear iraniana.

Além dos benefícios para a segurança no Oriente Médio,os Estados Unidos têm pela frente, no caso de que este acordo prospere, uma opção para remodelar a região, como se pretendeu antes com a guerra do Iraque, mas desde uma posição bem mais realista e viável. À margem da aliança com Israel, que é irreversível e está fundamentada em princípios que transbordam os interesses nacionais, os EUA levam tempo detectando uma fragilidade de sua posição no Oriente Médio. A dependência da Arábia Saudita tem se agravado nos últimos anos, ao mesmo tempo em que outros aliados importantes, como o Egito, perdiam relevância por culpa de suas revoltas internas.

A necessidade de um reajuste da posição dos EUA parece evidente, com ou sem acordo com o Irã. O acordo obtido em Genebra poderia permitir abordar esse reajuste com a colaboração de Teerã. A possibilidade deveria ser atraente o suficiente para que Obama ainda pudesse encontrar aliados no caminho.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: