Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine
OPINIÃO

Anti-vacinas, combate a transgênicos e defesa da homeopatia: a nova versão do ataque à ciência

A ciência está há mais de quatro séculos brigando a tapas com os senhores do lado obscuro

Homeopatía
Médico vacina mulher contra a gripe suína em 1976. Getty Images

Desde o tribunal eclesiástico que julgou Galileu para fazê-lo desistir de suas conclusões experimentais, a ciência está há mais de quatro séculos brigando a tapas com os senhores do lado obscuro. Com o olhar de hoje, é difícil imaginar por que as teorias de Copérnico, Kepler e do próprio Galileu não foram aceitas imediatamente devido a seu imenso poder explicativo. Como dizia o astrofísico Carl Sagan: "Me pergunto como é que simplesmente nenhuma religião tenha olhado a ciência e concluído: Isso é melhor do que o que nós temos! O universo é muito maior do que nossos profetas disseram, mais sutil e elegante!".

Sagan, um físico inteligente e um divulgador genial, dedicou metade de sua atividade profissional à busca de vida inteligente nas galáxias; a outra metade, a melhorar a inteligência dos terráqueos. Lutar contra a irracionalidade é uma função importante da divulgação científica. Outro campeão dessa batalha foi Richard Dawkins, que se concentrou sobretudo em desarmar os criacionistas, com livros inteiramente dedicados a derrubar a ideia de Deus e com uma campanha de outdoors que defendia o ateísmo em Londres. Dentre todas as irracionalidades ocorridas ou que ainda vão ocorrer, a religião foi tradicionalmente o inimigo número um do progresso científico.

Nos anos oitenta, por exemplo, Dawkins desenvolveu um argumento brilhante contra o "arquiteto inteligente" dos novos criacionistas, que deduzem a existência de Deus a partir da complexidade de suas criaturas. Mas para Dawkins, um arquiteto inteligente deve ser ainda mais complexo do que as criaturas a quem pretende dar explicação. Logo não lhes dá nenhuma. É um raciocínio fascinante, à altura de seu autor.

O problema com tudo isso, naturalmente, é que um indivíduo irracional não atende a razões. As pessoas religiosas se baseiam na fé, não no argumento. E este problema é o mesmo com outras religiões, as crenças modernas que substituíram a catequese por uma série de crenças laicas, como a fé na Mãe Natureza, o repúdio à tecnologia opressora e os fatos alternativos que emanam da Casa Branca como versículos do Evangelho. Os meros argumentos racionais não vão conter isso. Não conseguiram isso nunca, nem vão conseguir agora.

"Vocês criticam a homeopatia quando ela não fez mal a ninguém", dizia um post de WhatsApp que circulou outro dia. Não sei quem é seu autor, mas tem uma estranha má intenção. A homeopatia, de fato, não fez mal a ninguém, nem poderia fazer. Segundo os textos da fundação desta estupidez, um produto homeopático não é nada mais do que água pura e cristalina, com um pouco de cloro, se sair diretamente da torneira. Essa religião moderna consiste em diluir uma substância nociva em tantas ordens de magnitude que no final não sobre nem uma molécula dela. É incrível como uma ideia tão estúpida tenha se generalizado de tal forma. Mas foi isso o que aconteceu.

A homeopatia nada mais é do que uma fraude. Uma questão mais grave, claro, é que o xamã convença o paciente de deixar seu tratamento médico para abraçar o elixir fraudulento. Há gente que morre e os tribunais podem atuar. Mas, enquanto não se chega a esses extremos, e não muito frequentemente, os produtos homeopáticos continuarão ocupando uma prateleira vistosa na farmácia. É endossar uma fraude, mas os políticos parecem estar acostumados a essa prática, a julgar por suas (nulas) iniciativas para erradicá-la. Fácil: a maioria das pessoas acreditam na homeopatia, e este não é o momento de se perder votos.

Vacina experimental contra a gripe aviária desenvolvida na Universidade de Maryland em 2005.  ampliar foto
Vacina experimental contra a gripe aviária desenvolvida na Universidade de Maryland em 2005.  Getty

A rejeição a vacinas é, por sua vez, mais complicada e mais grave. Há décadas que os advogados de presas mais aguçadas aguardam do lado de fora dos hospitais norte-americanos para que saiam os familiares dos pacientes que morreram. Uma vacina pode proteger de 80% a 90% das pessoas que a recebe, mas isso deixa uma margem suculenta de 10% a 20% a que os advogados podem se agarrar para iniciar um processo judicial – contra o médico, contra o hospital ou contra a empresa farmacêutica que descobriu a vacina.

Se nada disso funcionar, o advogado sempre pode acrescentar qualquer falácia que circule pela Internet e seus esgotos, como por exemplo a vacina que culparam por ser uma das causas do autismo. É uma mentira e da pior classe: ignorante e interessada. Mas causou danos profundos ao sistema mundial de saúde. Nos anos 2000, essas práticas dos advogados chegaram a espantar algumas farmacêuticas dos Estados Unidos, como a Pasteur e a Glaxo, que tinham apostado nas vacinas. Isso foi um desastre que ainda não conseguimos superar completamente.

A esperança de vida média dos países ocidentais dobrou no século XX (dos 45 aos 90 anos, aproximadamente), por causa de três pilares essenciais na luta contra as infecções: o saneamento básico, os antibióticos e as vacinas (hoje seria necessário acrescentar as camisinhas, seguramente). As regiões mais pobres da África e da Ásia continua precisando desses avanços contra doenças antigas e contra as que podem surgir, e sem a pesquisa privada isso não parece possível.

Além disso, os gestores de saúde pública concordam que sem medicina preventiva não há futuro. A esperança de vida média ocidental continua aumentando a um ritmo lento, mas constante, de dois anos por década. Mas a principal razão é a melhora no tratamento do infarto (que continua sendo o grande matador do mundo desenvolvido, acima de todas as formas de câncer juntas). Esses sistemas são caros e imperfeitos, pois raramente devolvem ao paciente sua qualidade de vida anterior. O sistema de saúde atual, seja público ou privado, não é sustentável. É preciso apostar a fundo na medicina preventiva.

E as vacinas são medicina preventiva por definição. Se elas são aplicadas na população de risco, evitam que se desenvolvam algumas doenças que, quando se manifestam, se transformam em uma tormenta para o paciente e em uma sangria para os cofres dos sistemas de saúde. As artimanhas jurídicas dos tubarões, a longo prazo, significam um enorme aumento do gasto público e um estorvo para o avanço da pesquisa biomédica. É óbvio que os políticos podem fazer muito para incentivar as grandes farmacêuticas a pesquisar novas vacinas. Mas há o problema de que isso não é prioridade para elas.

O que agora está salvando esses advogados (e os pais que se negam a vacinar seus filhos) de um bom imbróglio civil ou até penal é um efeito estatístico bem conhecido dos epidemiologistas. Conter a propagação de um vírus não requer vacinar toda a população. Basta vacinar três pessoas em cada quatro. O que o quarto indivíduo fizer não faz diferença do ponto de vista epidemiológico. Assim, os filhos de quem é contra as vacinas estão protegidos contra as principais doenças infecciosas graças aos demais pais, os que vacinam seus filhos. Pode parecer um paradoxo, mas isso nada mais é do que matemática.

O repúdio aos alimentos transgênicos – outra das religiões de nosso tempo – apresenta questões ainda mais complexas e interessantes que o criacionismo, os pseudo-fármacos e as vacinas. É curioso que uma humilde semente seja mais importante que Deus, mas assim são as coisas. A maior parte das pessoas acredita que há uma polêmica científica sobre a segurança dos transgênicos para a saúde. Não há. Todos os cientistas e biotecnólogos de plantas concordam que os transgênicos são seguros para a saúde e também para o meio ambiente. Se eles estão há décadas pesquisando isso é porque, além de ter descartado esses riscos, estão convencidos de que os transgênicos são a melhor maneira de aumentar o conteúdo de vitamina A do arroz (a base da alimentação na Ásia, um continente com carência dessa substância essencial), criar variedades das principais plantas de cultivo tropicais que sejam resistentes à seca (e que portanto consomem menos água), desacelerar a oxidação que estraga as frutas, para uma gestão mais eficaz e sustentável de muitas pragas, sobretudo as doenças virais que arruínam as lavouras de vários países africanos.

No caso da rejeição irracional dos transgênicos, os grandes responsáveis foram os grupos ambientalistas, com especial menção ao Greenpeace, que há décadas vem colocando esses produtos entre suas três ou quatro linhas estratégicas, no mesmo nível dos resíduos nucleares e das mudanças climáticas. "Os ambientalistas se opõem aos transgênicos porque estão de barriga cheia", me disse em uma entrevista o pai da revolução verde, Norman Borlaug.

Ele tinha razão. O Greenpeace conseguiu intoxicar (ideologicamente) a população ocidental, e fez com que a Europa tenha uma legislação absurda e retrógrada sobre os transgênicos. No fundo, isso dá no mesmo. Os países que verdadeiramente precisam desses alimentos, como a China e vários da África tropical, estão há anos pesquisando seus próprios transgênicos. O braço comprido do Greenpeace não chega ali. Ruim para a contaminação, bom para a ciência.

O negacionismo climático não é muito diferente das religiões anteriores. Todas consistem em fechar os olhos para as evidências, inventar uma realidade paralela e infectar a maior parte possível da população com ela. Todas acabarão fracassando – a realidade é teimosa. Mas ninguém sabe quando. Nosso cérebro não foi feito para o pensamento científico: pensar assim nos custa Deus e financiamento, e pouca gente está disposta a essa tortura. É preciso inventar algo.

MAIS INFORMAÇÕES