Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Se a homeopatia não funciona, por que não é proibida?

Não há estudos que endossem o tratamento nem sequer é necessário um diploma para receitá-lo

Se a homeopatia não funciona, por que não é proibida?

Em uma popular paródia sobre medicina alternativa, um homem entra em um hospital homeopático, depois de sofrer um acidente de carro. O médico pede à enfermeira para pegar uma peça do carro que o atropelou, diluí-lo em água e agitá-lo repetidamente para colocar três gotas do líquido resultante sob a língua do ferido. "Se isso não o salvar, não sei o que irá", exclama o médico.

Embora seja uma brincadeira, a base teórica da homeopatia está tão distante do que é conhecido em física e química que, no mundo real, existem fórmulas não muito diferentes dessa piada. Em suma, esta terapia — que costumava ser classificada de alternativa e agora alguns de seus praticantes a chamam de complementar ou integrativa — é baseada em uma ideia do médico saxão Samuel Hahnemann, no final do século XVIII, sob o conceito de que o semelhante cura o semelhante. Assim, para tratar uma doença, é preciso utilizar a mesma substância que causa os seus sintomas, mas diluída em água até proporções infinitesimais. Tanto é assim que a maioria dos remédios homeopáticos não contém nem uma molécula do suposto agente de cura.

Algumas fórmulas diluem uma gota de um ativo no equivalente à água de todos os oceanos

Um exemplo real: a cafeína como estimulante. De acordo com a homeopatia, se for tomada em proporções ínfimas, tem o efeito contrário: dá sono. Por isso, há uma fórmula para dormir obtida através da mistura de uma parte de cafeína com 99 de água. Depois de agitado, o composto volta a ser misturado com outras 99 partes de água. E assim sucessivamente. Cada uma dessas diluições são chamadas de CH (Centesimal Hahnemanianna, em homenagem ao seu inventor). Existem fórmulas com 6 CH, 10 CH, 30 CH... Em alguns casos, o resultado equivale a derramar uma gota do princípio ativo em todos os oceanos do planeta, agitá-lo e tomá-lo aleatoriamente de todos os mares.

Obviamente, não resta nada do que foi misturado no princípio ativo. Aqueles que tomam remédios homeopáticos, portanto, não ingerem nada mais do que água. Ou, mais precisamente, sacarose e lactose, pois o líquido é geralmente pulverizado em bolinhas desses ingredientes.

A cafeína é um exemplo, mas existem outros casos concretos que deixam a paródia do carro no chinelo: diluições do Muro de Berlim para combater sentimentos de opressão, separação e isolamento; de radiação de celulares para aliviar o (suposto) dano das ondas emitidas por esses aparelhos; de TNT (explosivo) contra a tosse convulsiva; de água do Amazonas para harmonizar estados emocionais; de cocô de cachorro para tratar gastroenterite, colite e diarreia... E vários outros casos parecidos aos que foram compilados por Fernando Frías, fundador do Círculo Cético.

Um negócio (muito) lucrativo

Embora soe como piada, o negócio da homeopatia gera enormes quantidades de dinheiro, e seus seguidores somam milhões em todo o mundo. Se realmente não há nada nessas bolinhas, por que existem, segundo a Sociedade Espanhola de Medicina Homeopática (SEMH), cerca de 10.000 médicos registrados que a prescrevem, somente na Espanha? Por que um terço dos espanhóis já usaram esse tipo de medicação — dados, diga-se de passagem, de uma pesquisa do Boiron, o maior laboratório homeopático? A resposta dada por médicos e pacientes que defendem o tratamento — que não são todos os que já o experimentaram — é simples: "Não sabemos como, mas funciona".

Os farmacêuticos e o vazio legal

Os medicamentos de verdade de venda exclusiva em farmácias são submetidos a testes exigentes que os obrigam a comprovar sua eficácia. Os preparados homeopáticos não, basta demonstrarem sua inocuidade. Obviamente não precisam de receita. Ante o vazio legal em que se encontram, o ministério de Saúde elaborou em 2013 uma ordem para regularizá-los. Mas nunca chegou a ser aprovado. O departamento afirma que continua consultando as partes envolvidas. A Organização Farmacêutica Colegial exige que seja aprovada uma normativa que “esclareça o cenário tanto para os profissionais da saúde como para os cidadãos”. Enquanto isso, a maioria das farmácias comercializa a homepatia. Mas algumas resistem, como a de Jesus Fernández, que entrega a quem procura esses preparados um folheto que começa assim: “Nosso compromisso de qualidade com o serviço que prestamos impede de recomendar o uso terapêutico de pseudomedicinas como a homeopatia, florais do Bach, oligoterapia e todas aquelas que não tenham demonstrado cientificamente sua eficácia”.

Seus teóricos alegam que a água tem memória e que é capaz de lembrar dos princípios ativos com os quais foi misturada — uma memória seletiva, em todo caso, uma vez que ao longo da história esteve em contato com todos os tipos de substâncias. E, mesmo que assim fosse, algo muito longe de contar com evidências que possam comprovar sua eficácia, não há uma explicação de como as memórias dessa água são capazes de curar o corpo.

"Mas o fato é que funciona", insistem seus defensores. Poderia ser que a eficácia fosse resultado de mecanismos desconhecidos que a medicina ainda não foi capaz de desvendar: como a água se lembra do que homeopatas querem e como, através dessa prodigiosa memória, cura doenças. Até hoje não há nenhuma evidência científica de que a homeopatia tenha mais efeito do que o placebo. É verdade que muitas pessoas se sentem melhores em relação a certas doenças depois de tomá-lo, mas estudos rigorosos que dividiram os pacientes em dois grupos aleatórios não mostram que aquele que tomou essas fórmulas apresenta um estado melhor do que aqueles que ingeriram simples pílulas de açúcar que não estavam pulverizadas de água com memória. A melhora, portanto, se deve à cura natural que acontece na maioria das doenças ou ao efeito placebo.

A evidência científica contra a homeopatia é esmagadora. Com base em numerosas meta-análises (revisão de vários estudos) e consultas a especialistas, o Governo australiano decidiu rejeitar esses tratamentos em 2014: "Com base na avaliação das evidências sobre a eficácia da homeopatia, o Conselho Nacional de Pesquisa em Saúde e Medicina concluiu que não há nenhum problema de saúde para o qual existam evidências claras de que a homeopatia seja eficaz".

A evidência científica é esmagadora: não existe nada além do efeito placebo

Esta alegação foi acrescentada a uma longa lista. Na Espanha, por exemplo, um grupo de especialistas selecionados pelo Ministério da Saúde concluiu, em um relatório de 2011, que "sua eficácia não foi provada em qualquer indicação ou situação clínica concreta". "Os resultados dos ensaios clínicos disponíveis são muito contraditórios; e é difícil interpretar que os resultados favoráveis em alguns ensaios sejam diferentes do efeito placebo", diz o documento. Há poucos dias, a Universidade de Barcelona eliminou seu mestrado em Homeopatia "por falta de base científica".

Alguns sistemas de saúde pública que apoiavam a homeopatia estão revendo suas posições. O Reino Unido, com forte apoio da coroa para esta terapia, cogita até mesmo proibir seus médicos de receitá-la. Mas, na verdade, as provas estão disponíveis há muito tempo. O debate foi concluído há uma década pela mais prestigiada revista científica, The Lancet, que, em um editorial de 2005, intitulado O Fim da Homeopatia, propôs o fim dos estudos e parar de perder tempo e dinheiro tentando mostrar os efeitos de uma a terapia que não havia conseguido fazê-lo em dois séculos de história. "Quanto mais se diluem as provas em favor da homeopatia, maior parece sua popularidade", ironiza o editorial.

Para a venda em farmácia, os medicamentos devem demonstrar eficácia: a homeopatia não

Apesar disso, seus defensores não se dão por vencidos. Alberto Sacristán, presidente da SEMH, explica que na Revisão do uso de altas potências em pesquisa básica em homeopatia (Clasen J. 2011), 90% dos resultados de 830 estudos com altas diluições foram positivos. “Como qualquer especialidade da medicina, ainda devemos continuar pesquisando. Dado que até Prêmios Nobel do porte de Luc Montagnier e Brian Josephson se interessaram pelas altas diluições e se manifestaram a favor de sua viabilidade científica, certamente é questão de tempo que os trabalhos que estão sendo realizados sobre os diferentes tratamentos homeopáticos nos forneçam argumentos definitivos”, afirma. Vicente Baos, médico de família e assessor da Agência Europeia do Medicamento e de sua homóloga espanhola, responde que os experimentos realizados pelos homeopatas não têm os mínimos níveis de qualidade e não são equiparáveis aos usados pela comunidade científica para rechaçar a homeopatia.

Todos concordam em atribuir simplesmente o efeito placebo, um fenômeno muito demonstrado pela ciência e especialmente poderoso na melhoria de algumas dores ou doenças psicossomáticas. Como narra o psiquiatra Ben Goldacre em seu livro Ciência Picareta (Civilização Brasileira), o placebo não reside unicamente na pílula, o contexto terapêutico também é extraordinariamente importante. Quer dizer, a atenção do especialista, a segurança que transmite, o tempo dedicado… Goldacre afirma que muita gente se sente confortável com a homeopatia porque, na consulta, seus praticantes são mais atenciosos que a maioria dos médicos de pronto socorro de um hospital público saturado, cujos profissionais costumam se ver obrigados a receitar medicamentos de forma quase rotineira.

É medicina?

Se a homeopatia não funciona, por que não é proibida?

A homeopatia não conta com estudos regulamentados que a endossem e qualquer pessoa, com o diploma de um curso de 20 horas (ou sem ele), pode prescrevê-la. Como explica Jerónimo Fernández Corrente, vice-secretário da Organização Médica Colegial, trata-se de “uma disciplina com uma notável fragmentação de técnicas e procedimento, de método de aplicação, cheia de incerteza, escassez de evidência, carência de controle de qualidade, aspectos assistenciais, docentes e formativos”. Afirma que existe, na Espanha, um vazio legal a esse respeito e que os médicos associados que a prescrevem devem saber que seu código deontológico os obriga a receitar remédios testados clinicamente. “Os médicos são obrigados pelo código a informar seus pacientes. Eles [os associados que receitam homeopatia] saberão o que fazem, é sua responsabilidade ética e legal”, sentencia.

Para solucionar o dilema de satisfazer a demanda de um pretenso fármaco que não cura, o médico Dylan Evans, autor do livro Placebo, propõe incluir nas embalagens uma advertência: “Cuidado, este produto é um placebo. Funciona apenas se você acreditar na homeopatia e somente para determinadas doenças, como a dor e a depressão. Mas, mesmo nesse caso, é provável que não surta tanto efeito como um fármaco tradicional. Você terá menos efeitos colaterais com este tratamento do que com um fármaco, mas provavelmente obterá menos benefícios”. Como diz Evans, efeitos colaterais não há, a menos que exista alguma intolerância aos excipientes (sacarose e lactose), já que não contêm nada mais que esses elementos borrifados com água. Por isso, um dos argumentos em sua defesa é a inocuidade. Mas isso também não está tão claro. A resolução do conselho médico australiano explica por que: “A homeopatia não deveria ser considerada para o tratamento de problemas de saúde crônicos, sérios ou que possam se tornar sérios. As pessoas que a escolherem podem pôr sua saúde em risco se recusarem ou adiarem tratamentos para os quais existe boa evidência de segurança e efetividade”. O problema radica em usar esses produtos em lugar dos verdadeiramente eficazes. Os casos de morte por essa razão se contam em centenas. Em janeiro passado, em Girona (Espanha), um menino de sete anos faleceu por causa de uma afecção respiratória que seus pais tratavam somente com homeopatia, segundo o promotor do caso.

Entre seus praticantes mais sensatos, como os membros da SEMH, que além de homeopatas são médicos, advertem de que este tratamento é apenas mais um e que, em cada situação, o profissional deve avaliar se deve ser aplicado e, nesse caso, se deve ser usado com outros fármacos efetivos. “Nas doenças graves, como autoimunes ou respiratórias, raramente um único tipo de intervenção será suficiente e a homeopatia pode ajudar”, alega Sacristán.

De volta ao humor, na paródia do hospital homeopático, depois de testar vários métodos alternativos, o doutor examina a linha da vida na mão do paciente. Ao ver que é muito curta, alonga-a com uma caneta em uma ação desesperada. Mas o resultado desse método é o mesmo que o do tratamento homeopático: nenhum.

 

MAIS INFORMAÇÕES