Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Trump vai ser investigado por obstrução de Justiça

Procurador especial abre procedimento que poder terminar em impeachment nos EUA

Donald Trump.
Donald Trump. REUTERS

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, já está na mira. O procurador especial Robert Mueller está investigando o republicano por suposta obstrução de Justiça. A medida, adiantada esta noite pelo Washington Post, é um passo gigante e, se confirmado o delito, pode resultar em um impeachment.

Sob a direção do FBI, a investigação da trama russa havia sido limitada a determinar se a equipe eleitoral de Trump atuou em conluio com o Kremlin na campanha para desprestigiar a candidata democrata Hillary Clinton. Mas o presidente, como reconheceu, em conversas privadas, o antigo diretor do FBI, James Comey, não fazia parte das investigações.

As coisas mudaram radicalmente depois da destituição de Comey, no último 9 de maio. Apesar de, em princípio, a Casa Branca ter alegado que sua demissão foi motivada pela sua conduta errática no tortuoso assunto dos e-mails de Hillary Clinton, o próprio Trump reconheceu, em uma entrevista, que ela se deu por causa "dessa coisa russa". A afirmação foi reforçada em uma reunião na Casa Branca, com o ministro de Assuntos Exteriores da Rússia, quando ele admitiu que a saída de Comey "tirou muito peso de suas costas".

Tudo isso foi recolhido pelo procurador especial. Homem com integridade comprovada, que dirigiu o FBI de 2001 a 2013, Mueller colocou o foco sobre o presidente, depois dessa demissão. Acrescentou à investigação o testemunho de Comey, na última quinta-feira, diante do Comitê de Inteligência do Senado. Nele, o ex-diretor do FBI atribuiu a Trump não apenas tê-lo derrubado por causa da trama russa, mas também ter prejudicado a investigação durante meses.

Em frente a uma nação chocada, Comey acusou o presidente de "mentir e difamar", de tentar lhe dar "diretrizes" para desviar a investigação sobre o tenente-general Michael Flynn e até mesmo de pedir favores em troca de mantê-lo em seu cargo. Houve uma profundidade bem calculada para armar uma possível acusação de obstrução.

Mas o trabalho de Mueller, mentor e amigo de Comey, transcende o jogo de declarações entre o presidente e o ex-funcionário de alto escalão e busca corroboração em outros espaços. Para isso, citou, nesta mesma semana, o diretor de Inteligência Nacional, Daniel Coats, e o responsável pela Agência Nacional de Segurança, o almirante Mike Rogers. Ambos supostamente também receberam chamadas de Trump para pressionar Comey. Nenhum deles reconheceu isso publicamente.

Toda a investigação está correndo em sigilo e sem deixar de lado a trama russa. O objetivo de Mueller, que tem poder para prestar queixas, é delimitar se houve vontade genuína de impedir as investigações no comportamento do presidente. Este fator é essencial porque no delito de obstrução há que se demonstrar a intenção, o que requer evidências fortes. Neste sentido, os críticos afirmam que a demissão é uma das atribuições presidenciais e que as declarações de Comey, sozinhas, não valem tanto, que é sua palavra contra a de Trump. Um empate técnico que só pode ser resolvido com provas externas. Justamente as que Mueller agora está perseguindo.

O procurador especial Robert Mueller.
O procurador especial Robert Mueller. AFP

A Casa Branca não deu declarações diante das revelações do Washington Post. Todo o caso está nas mãos de Mark Kasovitz, advogado privado de Trump. A linha da defesa, até agora, é minar a credibilidade de Comey e afirmar que se trata de uma versão sem fundamento nos fatos. Nesta linha, o presidente, que se considera vítima de uma "caça às bruxas", negou qualquer implicação. "Não houve conluio, não houve obstrução. Estou 100% disposto a declarar isso", disse, publicamente.

MAIS INFORMAÇÕES