Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Sim, ‘covfefe’ já é uma proposta de lei nos Estados Unidos

Congressista democrata apresenta proposta para impedir que tuítes de Trump sejam apagados

Donald Trump, na segunda-feira, dia 12 de junho, com uma camiseta da Universidade de Clemson, em Washington.
Donald Trump, na segunda-feira, dia 12 de junho, com uma camiseta da Universidade de Clemson, em Washington. EFE

Covfefe, a palavra inexistente e que já ganhou fama mundial, nascida de um erro de Donald Trump enquanto tuitava, conquistou a categoria de projeto de lei nos Estados Unidos graças à iniciativa de um congressista democrata que apresentou um projeto com esse nome. O COVFEFE Act estabelece que nenhuma mensagem do presidente no Twitter pode ser apagada, devendo ser registrada como documento oficial e histórico nos Arquivos Nacionais.

Concretamente, o projeto legislativo propõe modificar a chamada Lei de Registros Presidenciais para incluir o conceito de “redes sociais” como um material documental a mais, tendo em conta o uso intenso que Trump faz desse meio de comunicação e o fato de seu porta-voz, Sean Spicer, ter deixado claro há pouco tempo que essas mensagens podem ser consideradas “declarações oficiais do presidente dos Estados Unidos”.

Para fazer coincidir seu acrônimo com a palavra COVFEFE, a proposta de lei se chama oficialmente Communications Over Various Feeds Electronically for Engagement. “Para manter a confiança pública no Governo, os servidores públicos eleitos devem responder pelo que fazem e dizem, e isso inclui os tuítes de 140 caracteres”, afirmou em um comunicado o pai da ideia, Mike Quigley, congressista por Illinois e presidente da Convenção pela Transparência do Congresso norte-americano.

“Se o presidente utiliza as redes sociais para fazer declarações repentinas sobre políticas públicas, temos de garantir que essas declarações sejam preservadas para futuras referências. Os tuítes são poderosos e o presidente deve se responsabilizar por cada um deles”, acrescentou. Quigley propõe que se arquivem tanto os tuítes que publica na conta oficial como presidente, @POTUS, como também na pessoal, @realDonaldTrump, que mantém mais ativa e na qual costuma expressar as mensagens mais polêmicas.

A palavra covfefe nasceu na madrugada de 31 de maio para 1 de junho, quando, depois da meia-noite, Trump escreveu um tuíte no qual parecia reagir a informações negativas sobre seu genro, Jared Kushner: “Apesar da constante covfefe negativa da imprensa”, dizia na mensagem. A palavra não existe e parecia uma digitação errada de coverage (cobertura, em inglês), o que deixaria o texto como “apesar da cobertura negativa da imprensa...”.

Não corrigiu e nem escreveu mais. No dia seguinte, apagou. Com a nova lei Covfefe, essa mensagem passaria a fazer parte dos Arquivos Nacionais, que já em 2014 publicaram diretrizes para que as redes sociais fossem levadas em conta como documentos oficiais.

O congressista que defende o projeto já usou o recurso de pensar em nomes bastante simbólicos para suas propostas legislativas em março passado, quando apresentou o MAR-A-LAGO Act (Make Access Records Available to Lead American Government Openness Act), nome que coincide com a mansão de Trump na Flórida e que pedia que se tornassem públicos os dados dos visitantes com os quais o presidente se reúne nessa casa, transformada em um tipo de Casa Branca de verão onde o também empresário se encontra com muita gente.

MAIS INFORMAÇÕES