Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Trudeau sugere que Papa peça desculpas aos indígenas do Canadá

Bispos canadenses dizem que Francisco poderá visitar o país no próximo ano

O primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, instou o papa Francisco a visitar o Canadá para pedir desculpas aos povos originários pelo tratamento dado pela Igreja Católica às crianças indígenas nos internatos que dirigia nesse país no final do século XIX.

"Disse [ao Papa] como é importante para os canadenses buscar uma verdadeira reconciliação com os povos indígenas e enfatizei o quanto poderia ajudar emitindo um pedido de desculpas”, explicou Trudeau aos jornalistas, depois de se reunir com o Sumo Pontífice em audiência privada na segunda-feira.

Cerca de 30% das crianças dos povos originários do Canada, aproximadamente 150.000, foram levadas à força ao que se conhece como “residências”. Seu projeto inicial era educar os pequenos, mas depois se transformaram em parte de uma campanha governamental para erradicar a cultura indígena (como algumas dessas instituições chegaram a defender, era preciso “matar o índio na criança”). Nas residências, era comum as crianças sofrerem abusos sexuais e físicos.

Os dados com os quais o Governo trabalha na atualidade sugerem que a metade dos menores internados nesse tipo de instituição morreu de tuberculose e outras doenças. Muitos dos que conseguiram sobreviver à experiência afirmam que sofreram abusos psicológicos, físicos e sexuais, por exemplo, por falar sua própria língua. Também eram frequentes as ameaças de uma condenação eterna se não se convertessem ao cristianismo. O governo do Canadá já pediu perdão oficialmente aos indígenas por essas práticas, em 2008, e no ano seguinte o antecessor de Francisco, Bento 16, expressou sua “tristeza” pelos abusos cometidos no Canadá.

A Comissão da Verdade e da Reconciliação do Canadá admitiu em 2015 que essa prática, que manteve as crianças das nações originárias, os inuit e os métis, longe de seus pais, equivalia a um “genocídio cultural”. A comissão formulou 94 recomendações, entre as quais se encontra um pedido formal de desculpas da Igreja aos sobreviventes e seus descendentes por seu papel nesse escândalo.

Assim, Trudeau, que é católico e foi educado em uma escola jesuítica e é fervoroso defensor dos direitos dos homossexuais, aproveitou sua visita ao Vaticano para convidar o Papa a ir ao Canadá, segundo contou depois do encontro. De acordo com o primeiro-ministro, o Papa “lembrou que dedicou sua vida inteira a apoiar as pessoas marginalizadas no mundo” e que espera trabalhar com ele e os bispos canadenses nesse sentido. Os bispos canadenses disseram que o Papa poderia visitar o país no próximo ano.

150.000 crianças foram levadas à força ao que se conhece como "residências"

O convite ao Papa para a viagem ao Canadá, ocorrido nesta segunda-feira, no primeiro encontro entre ambos, realizado no Vaticano, foi divulgado pelo próprio Trudeau, mas a Santa Sé não o mencionou em sua nota sobre o evento. Segundo a Santa Sé, o Papa e Trudeau abordaram alguns dos assuntos tratados na cúpula do G7 neste fim de semana em Taormina (Sicília), sobretudo os relativos ao Oriente Médio.

O Papa e Trudeau, segundo o Vaticano, ressaltaram no encontro, que durou 36 minutos, “as boas relações bilaterais entre a Santa Sé e o Canadá e a contribuição da Igreja Católica na vida social do país”, assim como da “liberdade religiosa, integração e reconciliação”.

O primeiro-ministro canadense foi ao Vaticano acompanhado da esposa, Sophie Trudeau, e depois do encontro a sós com o Papa se reuniu, como é habitual nesse tipo de compromisso, com o secretário de Estado do Vaticano, Pietro Parolin, e com o secretário para as Relações com os Estados, Paul Richard Gallagher.

Trudeau, de 45 anos, chegou ao Vaticano depois de participar das cúpulas da OTAN, em Bruxelas, e do G7, em Taormina, e de visitar no domingo, o município italiano de Amatrice (centro), devastado pelos terremotos de 24 de agosto de 2016. Nesta terça-feira está prevista uma reunião com o primeiro-ministro italiano, Paolo Gentiloni.

MAIS INFORMAÇÕES