Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Piqué: “Podemos ir a Madri e vencer o clássico”

Zagueiro admite superioridade da Juve e volta a se envolver em polêmicas com o Real Madrid

Real Madrid x Barcelona Ampliar foto
Zagueiro cria nova polêmica com os rivais às vésperas do clássico. Getty Images

Neymar se jogou no gramado, desolado com a eliminação do Barcelona diante da Juventus. O público do Camp Nou estava há vários minutos balançando suas bandeiras e aplaudindo o time do Barça em agradecimento ao esforço dos jogadores. À beira do campo, Piqué respondeu: “É uma derrota dura, mas o fato de a torcida estar cantando assim neste momento deve ser lembrado. Poucas vezes vi o Camp Nou assim depois de uma derrota. Fico emocionado e cheio de orgulho, apesar da derrota”.

O zagueiro resume: “A Juve é um grande time. Em termos gerais, eles foram melhores. Desejo o melhor para eles. Acredito que podem ficar com o título. Criamos algumas ocasiões no começo, mas pouco a pouco eles se tornaram um monstro à nossa frente. Já sabíamos que seria muito difícil”.

Luis Enrique e Messi.
Luis Enrique e Messi. AFP

Lembrarei para sempre daquele primeiro tempo em Turim.

Luis Enrique, treinador do Barcelona

Piqué falou também sobre o próximo compromisso do time, contra o Real Madrid, em que o Barça jogará a sua sorte no Campeonato Espanhol. “Somos humanos e é claro que [a eliminação] nos abalou. Domingo teremos mais um desafio. Vamos competir e tentar ganhar. Nos últimos anos nos saímos bem [no Santiago Bernabéu, estádio do Real Madrid], e, embora não estejamos no nosso melhor momento, podemos ganhar esse jogo”.

Luis Enrique recebeu a eliminação de seu elenco com serenidade. Triste, admitiu, mas também orgulhoso de seus atletas, mesmo tendo caído pelo segundo ano consecutivo nas quartas de final da maior competição europeia. “Vou guardar a atitude e o comportamento de meus jogadores e o apoio da torcida até o último instante. E não conseguimos nem sequer ganhar o jogo, o que teria sido justo”, resumiu. “Não saberia definir em apenas uma palavra a temporada na Champions”, disse ao responder a uma pergunta. “É verdade que fizemos um primeiro tempo muito ruim em Turim, depois melhoramos no segundo, mesmo que eles tenham feito mais um gol. Isso nos deixou de fora. Recordarei para sempre desse primeiro tempo em Turim. Lembrarei como algo triste, porque não estivemos no nosso nível. E é normal, em uma competição como essa, que se pague por isso”.

Não é fácil controlar o ritmo das jogadas em certos momentos

Iniesta, capitão do Barça

Com relação ao clássico do próximo domingo no Bernabéu, o técnico do Barcelona comenta: “Temos a oportunidade de nos dedicar integralmente ao Espanhol em um confronto com o concorrente direto, o primeiro. É difícil se reerguer depois de uma derrota como essa. Mas temos o melhor dos estímulos para qualquer torcedor ou jogador do Barça: enfrentar o nosso maior rival. Será difícil levantar os jogadores, mas será fácil motivá-los”.

O treinador admitiu a superioridade da equipe italiana nos jogos eliminatórios. “A Juve mereceu seguir adiante. E nós, agora, temos de focar nas duas competições que nos restam. Embora a Juve seja uma equipe que sabe se defender perfeitamente e ter bom domínio da bola, um gol nos teria dado um novo ânimo e, a partir daí a partida poderia mudar, poderíamos conseguir, e tivemos méritos. De qualquer maneira, acreditamos até o fim”.

Sobre o plano que havia elaborado para reverter os 3 a 0 do jogo de ida, Luis Enrique disse: “O que pretendíamos era um pouco o que se viu mesmo. Criar muitas oportunidades desde o começo, por aproximação e pressionando o adversário ao máximo. Mas é difícil. Quando você exige tamanha intensidade sem a posse de bola e transforma cada situação em um homem a homem, é difícil que a calma venha, assim como a lucidez e a serenidade necessária. Curiosamente, demos 14 chutes, mas nenhum acertou o gol”.

O técnico fez um grande elogio à vontade dos jogadores. “Esta é uma das características deste time e deste clube. Foi assim durante os últimos dez anos. É uma equipe feita para competir, para conquistas títulos e para enfrentar desafios no mais alto nível. É prejudicial ficar de fora de uma competição que é muito bonita para todos. Mas agora virá um jogo decisivo no Espanhol contra o atual líder e rival direto, e temos de nos recuperar e competir. Tenho orgulho desses jogadores que, desde a pré-temporada, vinham ganhando tudo. Gosto de fazer parte de um clube que tem grandes ambições. Assumimos abertamente o rótulo de favoritos”, disse.

O técnico também comentou o seu próprio estado: “Sou um lutador, tal como os meus jogadores, estou preparado para tudo, especialmente para as coisas mais duras e difíceis. Tenho genes asturianos, Pelayo tem muito a ver com isso. Sinto-me mais confortável quando é preciso se rebelar do que quando é para desfrutar, algo que, por sorte, pude fazer com muita frequência neste clube. Mas eu me sinto mais confortável nas semanas de guerra”.

Para Iniesta, tudo poderia ter sido diferente se o Barcelona tivesse conseguido fazer pelo menos um gol. “Não é fácil controlar o ritmo nas jogadas em alguns momentos. Não tivemos também essa sorte de marcar em alguma jogada rocambolesca em que o jogador acaba ficando com a bola nos pés, ou em algum rebote ou algum chute que saiu por pouco. Faltou esse tipo de sorte. Foi uma tarefa complicada. Não tínhamos como fazer outra coisa além daquilo que fizemos”. O capitão do Barcelona acrescenta: “É uma decepção, um momento difícil, mas, a partir de amanhã, tudo terá de mudar. Agora queremos ganhar o Campeonato Espanhol, ficar até o final. E isso passar por ganhar no Bernabéu. É o que teremos de fazer, como já fizemos outras vezes. Queremos continuar ganhando títulos”.

Piqué e polêmicas extra-campo

Habituado a ser crítico com o Real Madrid nas redes sociais, o defensor barcelonista utilizou-se do Twitter, durante esta semana, para provocar o time da capital espanhola e sua torcida. Minutos após um gol de Cristiano Ronaldo ser validado pela arbitragem, no qual o atacante português estava impedido, em partida que classificou o Real para as semifinais da Champions, o zagueiro postou um tuíte apenas com reticências, que foi interpretado como provocação e respondido por Sergio Ramos, capitão da equipe madrilenha: "Que ele reveja o jogo contra o PSG (também marcado por erros de arbitragem) para ver se ele pensa o mesmo.", afirmou Ramos.

Um dia depois da partida do Barcelona contra a Juventus, Piqué voltou à rede social para responder a uma nota do jornal Marca, que dissertava sobre o apoio dos torcedores catalães mesmo após a eliminação. "Incomoda ver como o Camp Nou aplaude sua equipe apesar de ser eliminada. Estão [os torcedores do Real Madrid] acostumados às vaias, mesmo com a classificação", disse o camisa 3 do Barça.

MAIS INFORMAÇÕES