Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Derretimento de geleira faz rio do Canadá desaparecer em quatro dias

Este é o primeiro caso observado de ‘pirataria fluvial’, quando a água muda de leito repentinamente

O derretimento acelerado de uma das maiores geleiras do rio Yukon, localizado no noroeste do Canadá, provocou o desaparecimento de outro rio em apenas quatro dias, segundo artigo publicado na segunda-feira pela revista Nature Goeoscience. A água se desviou totalmente para outro leito, no que os cientistas consideram como o primeiro caso observado de “pirataria fluvial” repentina. Os especialistas que documentaram o fenômeno, ocorrido na primavera de 2016, consideram o incidente como um exemplo inquietante de como o aquecimento global está modificando drasticamente a geografia do planeta.

A água proveniente do derretimento da geleira Kaskawulsh costumava correr na direção norte pelo rio Slims, que chegou a ter 150 metros em seu ponto mais largo. O agora desaparecido Slims confluía com o rio Yukon no Alasca, que, por sua vez, chega até o mar de Bering, a oeste. No entanto, o degelo acelerado fez com que a água se desviasse no sentido sul, em direção ao leito do rio Alsek, que desemboca no Oceano Pacífico. Essa mudança abrupta ocorreu entre os dias 26 e 29 de maio do ano passado. O rio Slims agora está quase seco, e os cientistas acreditam que a transformação será permanente.

“Fomos para a região com a intenção de continuar nossas medições no rio Slims, mas descobrimos o leito do rio mais ou menos seco”, declarou James Best, geólogo da Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, citado pelo jornal The Guardian. “O delta superior pelo qual navegamos em um pequeno bote agora é uma tempestade de poeira. A mudança na paisagem foi incrivelmente dramática”.

A equipe sobrevoou a geleira em um helicóptero e utilizou aviões não tripulados para investigar o que estava ocorrendo. “Percebemos que a água que normalmente saída da geleira e se dividia em dois cursos agora só corria por uma via única”, acrescentou Best.

Cientistas já tinham identificado outros casos de pirataria fluvial no século XIX, mas os associaram a mudanças nas placas tectônicas e a erosões que ocorreram há milhares ou até milhões de anos. A alteração no leito do Kaskawulsh é considerada o primeiro caso observado na era moderna. A análise publicada na Nature Geoscience sugere que essa drástica modificação pode ser atribuída praticamente com certeza às mudanças climáticas antropogênicas, ou seja, provocadas pelo homem.

A transformação já fez com que o lago Kluane, que se alimentava do rio Slims, se encontre 1 metro abaixo de seu nível mais reduzido. Isso está obrigando os animais da região a se adaptarem às novas condições do ecossistema. Por outro lado, o rio pelo qual agora corre a água da geleira está 60 ou 70 vezes maior e mais caudaloso do que costumava ser.

MAIS INFORMAÇÕES