Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Le Pen nega a responsabilidade da França nas perseguições a judeus da Segunda Guerra Mundial

Declarações da líder da Frente Nacional são criticadas dentro e fora da França

Eleições na França 2017
A candidata presidencial da Frente Nacional, Marine Le Pen. EFE

Marine Le Pen, candidata da ultradireitista Frente Nacional às eleições presidenciais francesas, agitou as águas da história ao negar a responsabilidade da França nas perseguições a judeus enviados a campos de concentração durante a Segunda Guerra Mundial.

“A França não é responsável por Vél d’Hiv”, disse Le Pen no domingo em uma entrevista. “A invasão de Vél d’Hiv” é um dos capítulos mais obscuros da história francesa durante a Segunda Guerra Mundial. Entre 16 e 17 de junho de 1942, em plena ocupação nazista de Paris, mais de 13.000 judeus, entre eles cerca de 4.000 crianças, foram presos em toda a capital e seus arredores e levados ao Velódromo de Inverno, popularmente conhecido como Vél d’Hiv. A operação foi realizada por policiais franceses sob as ordens do regime colaboracionista de Vichy. Os judeus presos acabaram no campo de extermínio de Auschwitz. Apenas 400 sobreviveram.

“Se há responsáveis, são os que estavam no poder nessa época, não a França”, acrescentou Le Pen, em uma das declarações rapidamente tachadas de revisionistas e reveladoras da verdadeira identidade da candidata.

“Alguns tinham esquecido que Marine Le Pen é a filha de Jean-Marie Le Pen”, disse seu rival centrista Emmanuel Macron à rede BFM-TV em referência ao antigo líder da Frente Nacional. Entre outras declarações pró-nazistas, Jean-Marie Le Pen chegou a dizer que o Holocausto foi “um detalhe da História”.

No mesmo sentido expressou-se um peso pesado do partido conservador Os Republicanos, o presidente da região Provença-Alpes-Costa Azul, Christian Estrosi. “Ao negar a responsabilidade do Estado francês sobre Vél d’Hiv, Marine Le Pen se une a seu pai no banco da indignidade e do negacionismo”, tuitou.

O argumento de Marine Le Pen não é essencialmente diferente do mantido durante décadas pela França, desde o general De Gaulle até o socialista François Mitterrand: que o único regime legítimo da França durante a Segunda Guerra Mundial era a França Livre, liderada pelo general Charles De Gaulle a partir de Londres e não o governo colaboracionista de Vichy do marechal Philippe Pétain, que deu seu beneplácito à invasão parisiense que abriu as portas para outras ações semelhantes em todo o país.

Mas suas palavras são uma clara ruptura com a posição oficial das últimas duas décadas. Em 1995, o então presidente Jacques Chirac reconheceu pela primeira vez a responsabilidade da França, em um discurso pronunciado no aniversário de Vél d’Hiv no qual admitiu que “a loucura criminosa dos invasores foi secundada pelos franceses, pelo Estado francês”. “A França, pátria do Iluminismo e dos direitos humanos, terra de acolhida, de asilo, cometeu então algo irreparável: faltou com sua palavra e entregou aos verdugos seus protegidos. Com eles mantemos uma dívida imprescritível”, afirmou. A posição de Chirac foi mantida por seus sucessores no Eliseu. Em 2012, o socialista François Hollande também reconheceu a responsabilidade do país na deportação dos judeus durante a Segunda Guerra Mundial ao qualificá-lo de crime cometido “na França pela França”.

Para o Conselho Representativo das Instituições Judaicas na França (CRIF, em sua sigla em francês), as declarações de Marine Le Pen “são um insulto à França que em 1995 se tornou honrada ao reconhecer sua responsabilidade na deportação de judeus da França e enfrentou sua história sem memória seletiva”, disse em um comunicado nesta segunda-feira, dia 10, no qual chamou os franceses para “deter” o avanço da Frente Nacional tanto no primeiro como no segundo turno presidencial, em 23 de abril e 7 de maio.

Israel também condenou nesta segunda-feira as palavras de Le Pen e afirmou que são “contrárias à verdade histórica, que foi expressa pelos presidentes que reconheceram a responsabilidade do país no destino dos judeus franceses que morreram no Holocausto”, informa a France Presse.

MAIS INFORMAÇÕES