Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Com ataque à Síria, Trump obtém sua primeira vitória política

O ataque, comunicado previamente aos russos, altera a configuração do conflito sírio, lança um alerta ao Irã e à Coreia do Norte e recebe amplo apoio interno e externo

tomahawk guerra na síria
Donald Trump durante pronunciamento sobre o ataque à Síria. AFP

Quatro minutos foram suficientes para Donald Trump se colocar como o guardião da ordem mundial. O presidente dos Estados Unidos rompeu com seu isolacionismo e obteve na noite desta quinta-feira a sua primeira vitória política com um ataque surpresa ao regime de Bashar al Assad. Cinquenta e nove mísseis Tomahawk destruíram a base aérea de Shayrat (Homs) em represália ao bombardeio com armas químicas promovido na terça-feira e que provocou 86 mortes, sendo 30 delas de crianças. Um ataque preciso, comunicado previamente aos russos, que aumenta a tensão da configuração do conflito sírio, estraga a lua de mel com Moscou e lança um claro alerta ao Irã e à Coreia do Norte: os EUA atacarão sem pedir licença contra quem quer que ultrapasse as suas linhas vermelhas. Pela primeira vez, Trump recebeu um apoio amplo dentro e fora de seu país.

O bilionário fez da imprevisibilidade uma arma. Durante anos, ele rechaçou qualquer ataque a Assad. “Não ganharíamos nada e só coisas ruins aconteceriam para nós!”, tuitou Trump em agosto de 2013 quando Barack Obama avaliava a possibilidade de uma intervenção militar na Síria depois do ataque com armas químicas que matou 1.400 civis nos arredores de Damasco. Foi a posição que manteve durante sua campanha eleitoral e que sua Administração ainda sustentava até o início desta semana. “Cada um escolhe as suas batalhas, e nossa prioridade não está em ocupar e expulsar Assad”, disse a embaixadora do país na ONU, Nikki Haley.

Nada, com efeito, parecia abalar essa doutrina monolítica e constantemente reafirmada até que, na terça feira, o horror se fez ouvir na Casa Branca. O bombardeio selvagem realizado por aviões sírios contra a população civil em Khan Sheikhun atingiu o próprio presidente. As imagens das crianças fulminadas pelo gás tóxico o levaram, segundo confessou, a mudar de atitude em relação a Assad. “É terrível. Ele ultrapassou muitas linhas vermelhas”, disse.

Desde aquele momento, começou a ganhar corpo a possibilidade de uma resposta militar. O secretário de Estado, Rex Tillerson, endureceu o discurso e o Pentágono admitiu que estudava uma intervenção, mas ninguém imaginou que o ataque fosse se precipitar tão vertiginosamente. Washington utilizou enormemente esse elemento surpresa.

Secretamente, o Conselho de Segurança Nacional, sob o comando do general Herbert Raymond McMaster, traçou três possíveis represálias. O presidente optou pela menos sangrenta. E sem dizer nada, manteve sua agenda. Na quinta-feira, manteve a sua importante reunião com o presidente da China em sua mansão em Mar-a-Lago, na Flórida. Uma hora depois do jantar oficial e sem que o Congresso fosse avisado, tinha início o ataque. Eram 20h40 nos EUA. A partir dos destroieres USS Porter e USS Ross, localizados no leste do Mediterrâneo, os mísseis Tomahawk se dirigiram à base de Shayrat. Em quatro minutos terríveis, atingiram hangares, depósitos de combustíveis, armazéns de munições, sistemas de defesa aéreos e radares. A destruição, segundo o Pentágono, foi quase completa, embora tenha poupado os depósitos de gás. “O objetivo era acabar com a capacidade de usar as armas químicas, não acabar com elas”, afirmou uma fonte militar. Pelo menos seis soldados sírios morreram. O governador de Homs falou em 16 mortos, dentre eles três crianças.

O objetivo foi escolhido com um claro sentido político e militar. Era a pista de onde partiram os aviões que bombardearam com gás a população de Khan Sheikhun . O Pentágono disse que “foram adotadas medidas extraordinárias para evitar baixas civis” e para “diminuir o máximo possível os riscos de atingir o pessoal da base aérea”. Por esse motivo, Moscou, que mantinha soldados na base síria, foi avisado previamente da operação. Nenhum militar russo morreu.

Concluída a operação, Trump se dirigiu à nação. Sem qualquer ambiguidade, responsabilizou diretamente o “ditador” sírio pela escalada do conflito: “Usando gás mortal, Assad acabou com a vida de homens, mulheres e crianças indefesas. Foi uma morte lenta e brutal. Bebês foram cruelmente assassinados nesse ataque bárbaro. Nenhum filho de Deus merece sofrer tamanho horror”.

Em seu pronunciamento, o presidente expôs as linhas diretivas de sua política na Síria. Depois de descartar de um só golpe a linha hesitante seguida por Obama, Trump deixou claro que não admitirá o uso de armas químicas, e afirmou: “Anos de tentativas de fazer Assad mudar de comportamento fracassaram drasticamente. Consequentemente, a crise dos refugiados cresceu e a região continua instável, ameaçando os Estados Unidos e seus aliados”. Para concluir, conclamou os “países civilizados” a lutar contra o terrorismo e a “carnificina na Síria”.

Esse chamamento foi visto por alguns analistas como um primeiro passo no sentido da formação de uma coalizão internacional para intervir no país. Depois de seis anos de guerra, com 320.000 mortos e 10 milhões de pessoas deslocadas, uma ação conjunta representa um anseio tão forte quanto temeroso. A Síria é um barril de pólvora onde qualquer passo em falso pode acarretar consequências imprevisíveis.

As implicações da ação, realizada à revelia da ONU, são inúmeras. À primeira vista, os mísseis marcam um caminho sem volta em relação ao regime sírio. Assad já não é visto como um mal menor pela Administração Trump. Passou a ser um ditador e um assassino. E, pela primeira vez em seis anos de conflito, os EUA o atacaram.

A relação com Moscou é mais complexa. O principal apoiador de Assad tem negado claramente o envolvimento do regime no ataque com armas químicas. E, depois da intervenção norte-americana, o Kremlin suspendeu as missões aéreas conjuntas, além de ter pedido uma reunião do Conselho de Segurança da ONU. Apesar de sua grandiloquência, essa reação não abala o objetivo estratégico de Trump de colaborar com os russos para atacar as bases sírias do Estado Islâmico. Nesse sentido, o fato de Putin ter sido avisado previamente do ataque mostra que a comunicação continua aberta e é fluida.

A estocada contra o regime de Assad pode constituir, assim, uma operação cirúrgica destinada a evitar novos horrores químicos. O próprio Pentágono se apressou a dizer que se tratou de um “ataque único”. Mas, no abismo do Oriente Médio, onde cada golpe provoca um outro ainda maior, a incógnita continua presente. A resposta virá não apenas da Síria, onde Washington mantém 900 soldados em missões antiterroristas, mas também dos Estados Unidos e seus aliados.

Trump está na Casa Branca há apenas 78 dias e sua avaliação é a mais baixa já registrada por um presidente nesse período inicial de mandato. Com esse ataque, ele assumiu um lance de alto risco político, imprevisível, forte e em oposição à sua doutrina oficial. Mas o vento sopra a seu favor. Tanto republicanos quanto democratas aprovaram o uso da força. Até mesmo senadores muito críticos a ele, como o republicano John McCain, ofereceram apoio para futuras operações. No exterior, OTAN, Conselho Europeu, Reino Unido, Alemanha, França e Espanha, entre outros, aprovaram a ação. Até agora, Trump jamais havia recebido tantos apoios. As bombas lhe ofereceram a sua primeira vitória.

MAIS INFORMAÇÕES