Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

New England Patriots conseguem virada histórica e vencem Super Bowl 2017 em jogo emocionante

Equipe liderada por Tom Brady conseguiu tirar 25 pontos de diferença. Após empatar no último minuto, levou a partida para a prorrogação, a primeira de uma final da NFL

Tom Brady ergue o troféu na madrugada desta segunda-feira. EFE

O New England Patriots venceu no domingo o Atlanta Falcons por 34-28 no Super Bowl número 51, disputado em Houston (Texas). Após uma recuperação histórica, os Pats forçaram a primeira prorrogação na história da final da NFL e conseguiram virar uma partida que ainda no terceiro quarto marcava 28-3 para os Falcons. O quarterback e arquiteto do ataque dos Patriots, Tom Brady, foi peça fundamental na recuperação da equipe e se transformou no primeiro quarterback da NFL com cinco anéis do Super Bowl.

A partida (disputada às 18h30 hora local, 21h30 no Brasil), idílica para um Super Bowl, começou marcada pela igualdade entre as duas equipes. Brady, o cérebro dos Patriots, conseguia bons passes que também eram recebidos com sucesso pelos jogadores de ataque. Mas a defesa de Atlanta mantinha uma linha defensiva firme e Matt Ryan, o arquiteto dos Falcons, também sabia distribuir o ataque do conjunto de uniforme vermelho.

No segundo quarto, a igualdade começou a sumir e os Falcons não demoraram muito em demonstrar que estavam em Houston para lutar. Uma boa jogada do ataque de Atlanta terminou com uma corrida lateral de Devonta Freeman, número 24, para marcar o primeiro touchdown da noite. Os Falcons venciam por 7-0.

E aí começou o bom momento de Atlanta. Sua defesa bloqueava constantemente o ataque de Brady e seus companheiros, cada vez mais frustrados. Em poucos minutos, aconteceu o que se previa: um grande passe de Ryan superou a defesa rival e aterrissou nas mãos de Austin Hooper, uma jovem promessa da equipe de Atlanta, dentro da zona de touchdown. Com o chute extra, os Falcons aumentaram a vantagem para 14–0.

Faltando dois minutos para o intervalo, Robert Alford, defensor dos Falcons, interceptou um passe de Brady e correu pelo lado direito do campo para solidificar a vantagem da equipe vermelha. Com um espantoso 21-0, os Falcons desmoralizavam, à base de touchdowns, um Brady que se mostrava perdido. O NRG de Houston rugia com emoção. Os Patriots acertaram um chute que lhes deu tímidos três pontos antes do half-time show.

Como se a partida não tivesse surpresas suficientes, Lady Gaga desceu dos céus do estádio NRG, amarrada por um complexo mecanismo de cordas, para cantar algumas de suas músicas mais conhecidas. O esperado show foi marcado pela presença de drones que iluminaram a figura da cantora na noite escura de Houston.

O terceiro quarto começou como o primeiro: equilibrado. Mas, novamente, os Falcons não tardaram a demonstrar que iriam lutar e marcar todos os pontos que pudessem. E o fizeram. Outro grande passe de Ryan a um dos lados do campo acabou em touchdown: 23-8 para os Falcons. E o rosto sério do vice-presidente Mike Pence nas arquibancadas, torcedor dos Patriots, refletia o desespero da equipe de Boston.

Combatendo e lutando, um ataque contundente dos Patriots diminuiu o marcador a três minutos do final do terceiro quarto. O resultado ficou em 28-9, após a equipe azul e branca errar o chute extra. Os Patriots queriam, mas não podiam. A defesa dos Falcons detinha o ataque rival, impedindo a equipe de avançar com contundência.

Mas a equipe de Massachusetts perseverou e continuou lutando para reverter o marcador durante o último quarto. Pressionaram Ryan e conseguiram diminuir a capacidade do ataque dos Falcons. Um chute entre as traves os deixou com 12 pontos. E a seis minutos do final, um passe de Brady encontrou as mãos de Danny Amendola, diminuindo o placar para 28-20. O estádio enlouqueceu e os Patriots começaram a sonhar.

A menos de um minuto para o final da partida, a equipe de Boston conseguiu o que um quarto antes parecia impossível: empatar. Com 28-28 no marcador, os Patriots forçaram a primeira prorrogação na história do Super Bowl. Os Falcons sofriam.

A primeira posse de bola da prorrogação, que pelo sorteio coube aos Patriots, sentenciou uma final histórica. O ataque incisivo e imparável dos Patriots acabou derrotando os Falcons, que pouco a pouco viram como uma cômoda vantagem lhes escapou das mãos. James White, receptor, atravessou pela última vez a linha divisória da zona de touchdown. O confete explodiu no NRG Stadium e a incredulidade se apoderou de todos os jogadores.