Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Motim em cadeia de Bauru, em São Paulo, termina em fuga em massa

Em Natal, crise na penitenciária de Alcaçuz completa 10 dias com varredura da polícia

Movimentação em frente ao Centro de Progressão Penitenciária em Bauru. Futura Press/ Folhapress

Uma rebelião em um presídio na cidade de Bauru, a 330 quilômetros de São Paulo, terminou com a fuga de 152 detentos na manhã desta terça-feira — ao menos 52 seguiam foragidos até a publicação desta reportagem, de acordo a Secretaria de Administração Penitenciária. Segundo o órgão, o tumulto foi iniciado depois que um um agente de segurança do presídio "surpreendeu" um detento que falava ao celular. A rebelião não parece ter relação com brigas entre facções, como ocorreu neste mês em Manaus, Boa Vista e, mais recentemente, em Natal. Como 90% das cadeias do Estado, o presídio é tido sobre a influência do PCC (Primeiro Comando da Capital), o maior grupo criminoso do país que tem origem paulista.

De Bauru, o presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários, Gilson Pimentel Barreto, conta que os internos se revoltaram com a abordagem do agente. "O detento estava sendo retirado do alojamento e o celular, apreendido", disse. "Mas ele e os demais presos acabaram se rebelando com essa abordagem". Depois disso, os internos atearam fogo em colchões e iniciaram a fuga em massa. Segundo nota da Secretaria, a situação foi "rapidamente controlada pelo Grupo de Intervenção Rápida, enquanto que a Polícia Militar atua na recaptura dos evadidos". Não houve reféns, mas a cidade foi tomada por uma onda de pânico que fez com que muitos comerciantes fechassem suas portas. O posto do Poupa Tempo ficou fechado por algumas horas e vigilantes armados fizeram a segurança do local.

O Centro de Progressão Penitenciária (CPP) III é popularmente conhecido como Instituto Penal Agrícola professor Noé Azevedo. É um presídio que abriga detentos no regime semiaberto (saem para trabalhar e dormem na prisão) e segundo a Secretaria de Administração Penitenciária tem capacidade para 1.710 detentos, mas abriga 2.520. Todos os presos envolvidos no episódio desta terça e os apreendidos regredirão ao regime fechado.

Essa foi a primeira rebelião ocorrida no Estado de São Paulo neste ano, que iniciou-se com uma chacina em Manaus, outra em Boa Vista cinco dias depois e, mais recentemente, em Natal, há dez dias. Nos três casos, os massacres são fruto de brigas entre facções rivais, o que não é a situação de  Bauru nesta terça. São Paulo, origem do PCC, não está, no entanto, totalmente livre do clima de tensão que se instalou nos presídios pelo país. Em 13 de janeiro, circulou entre policiais civis e militares uma alerta que dava conta de que o Primeiro Comando da Capital (PCC) estaria se preparando para fazer ataques em série em locais do Estado no dia 17. As ações não ocorreram, mas o Governo do Estado confirmou que o alerta, corroborado com policiais e noticiado pelo EL PAÍS, era legítimo. "Não tem procedência [oi alerta]. O trabalho de inteligência da polícia é permanente", disse o governador Geraldo Alckmin (PSDB) no dia 16, segundo o site G1.

Situação em Natal

Em Natal, a penitenciária de Alcaçuz ainda vive as tensões de um massacre ocorrido que deixou ao menos 26 mortos. Ali, uma briga de poder entre o Primeiro Comando da Capital (PCC) e o Sindicato do Crime do Rio Grande do Norte (RN) deixaram o presídio completamente destruído e a situação, até agora, é de tensão. A cidade está com a frota de ônibus reduzida desde a quarta-feira passada, porque criminosos atearam fogo em ônibus como retaliação após a transferência de membros do PCC para outros presídios.

Nesta terça pela manhã, policiais do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), da Tropa de Choque e do Grupo de Operações Especiais (GOE) iniciaram uma nova operação de invasão na penitenciária para realizar uma varredura de armas e celulares. Na segunda-feira, o secretário de Segurança Pública do rio Grande do Norte, Caio Cezar Bezerra, disse que já foi retirado "um caminhão" de armas do presídio. "Já tirei vários caminhões com armas brancas, com facões, com lanças”, disse, em uma entrevista coletiva. Mas ainda não mostrou para a imprensa imagens desses objetos retirados.

Enquanto a situação em Alcaçuz não se resolve, o Governo corre para anunciar novas medidas para tentar conter a batalha campal em que o presídio se transformou nos últimos dias. Entre as ações, estão reparos nos pavilhões 2 e 3  são cinco pavilhões no total , instalação de uma cerca externa com sistema de alarme, reparo de três guaritas, implantação de um sistema de videomonitoramento e a limpeza da vegetação do entorno.

No sábado, iniciou-se a instalação de containers para formar uma barreira física separando as facções rivais dentro do presídio. Segundo o Governo, a barreira é temporária, até que muro de concreto seja erguido, o que deve acontecer dentro de 20 dias. Além disso, o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, anunciou nesta terça em Brasília a autorização do envio de 100 agentes penitenciários para Alcaçuz. Eles são de vários Estados e devem chegar em Natal a partir desta quarta. A medida também é provisória. "É uma atuação emergencial", disse o ministro. A força-tarefa permanecerá em Alcaçuz por 30 dias, mas o prazo pode ser prorrogado ou antecipado, de acordo com o pedido do Estado.

MAIS INFORMAÇÕES