Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Rebelião em presídio do Rio Grande do Norte deixa ao menos 26 mortos

Autoridades locais não confirmam relação com os massacres de Amazonas e Roraima

Autoridades recolhem corpos na Penitenciária de Alcaçuz após a rebelião. AFP

A crise nos presídios brasileiros ganhou mais um trágico capítulo neste fim de semana. Após os grandes massacres com dezenas de mortos em Amazonas e Roraima, uma rebelião na Penitenciária de Alcaçuz, na região metropolitana de Natal (RN), somou 26 óbitos ao número de vítimas da barbárie carcerária que concentra as atenções do país desde o início do ano. Os relatos dão conta de que, a exemplo do que ocorreu nos presídios de Anísio Jobim, em Manaus, e Monte Cristo, em Roraima, o confronto entre detentos deixou corpos decapitados e mutilados.

Mesmo antes de saber o que encontrariam dentro do presídio, as autoridades locais alugaram um caminhão frigorífico para abrigar os corpos das vítimas. O desenrolar da crise penitenciária, que é alimentada pelo confronto entre três facções, leva a crer que o motim iniciado no sábado e controlado apenas na manhã deste domingo dá sequência à série de vinganças desencadeadas desde que 56 presidiários foram executados no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), no dia 2 de janeiro. Naquela ocasião, a maioria dos mortos pertencia ao Primeiro Comando da Capital (PCC).

Quatro dias depois, 31 detentos teriam o mesmo destino fatal na penitenciária Agrícola de Monte Cristo — desta vez, a maioria dos mortos estava ligada à Família do Norte e ao Comando Vermelho. As mortes deste fim de semana marcariam, portanto, o troco contra o PCC. Mas as autoridades não fazem essa conexão. "Não há confirmação de relação, mas com certeza as rebeliões naqueles presídios incentivaram o que aconteceu aqui", disse o secretário de Justiça e Cidadania do Rio Grande do Norte, Wallber Virgolino, em entrevista coletiva.

O Governo do Rio Grande do Norte identificou pelo menos seis líderes da rebelião no presídio, que durou cerca de 14 horas e ainda deixou nove detentos feridos gravemente. De acordo com as autoridades locais, o Governo vai pedir a transferências dos líderes para presídios federais. Outros detentos seriam transferidos ainda neste domingo para outras unidades prisionais do estado.

O presidente Michel Temer disse, por meio das redes sociais, que acompanha a situação da rebelião no Rio Grande do Norte e informou que determinou ao ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, que "prestasse todo o auxílio necessário ao Governo do Estado". Moraes tem reunião marcada para a próxima terça-feira com todos os secretários estaduais de segurança do país para tratar da crise prisional. Após mais um massacre de grande repercussão — o número de mortes nos presídios brasileiros neste ano já ultrapassa a centena — a reunião ganha ainda mais relevância.

Na esteira de mais um massacre, o Governo de Alagoas resolveu transferir 600 detentos de unidade prisional neste domingo. Segundo as autoridades locais, teria sido identificada uma "anormalidade" por meio de um trabalho de inteligência. A segurança também foi reforçada nas três unidades prisionais em questão e as visitas de familiares foram suspensas. Do total de transferidos, 500 foram conduzidos para a nova penitenciária de segurança máxima de Alagoas.

MAIS INFORMAÇÕES