Quer melhorar a qualidade da educação? Não subestime a opinião dos alunos

Estudantes sabem o que querem na escola, mas poucos se interessam pela opinião deles

Ampliar foto
Alunos em aula organizada pelo Quero na Escola 

Leonardo Robert de Paula, 15 anos, se prepara para cursar o segundo ano do ensino médio em Porto Feliz, no interior de São Paulo. Com planos de ser engenheiro civil, ele define o ensino que recebeu até agora como fraco. "No ano passado, estudei à noite, que é mais para quem trabalha, e acho que os professores não pegam firme. Eles ensinam o básico." De mudança para o turno da manhã, Leonardo sente que tem mais para oferecer e espera que a escola corresponda aos seus anseios. "Temos uma biblioteca que não é usada. O laboratório de informática até que é bom, mas falta orientação. E não temos atividades extracurriculares, fora do básico, como matemática avançada."

Leonardo Robert de Paula, 15 anos 

A insatisfação de Leonardo é compartilhada por Alexandre da Silva Veloso, 16 anos, que faz curso técnico de mecânica em período integral. Ele acha que o ensino é bom, mas ainda falta algo. Alexandre quer prestar o vestibular do Instituto Militar de Engenharia, no Rio, mas além das matérias de ciências exatas, ele tem outros interesses, que considera importante para sua formação. "Tenho aula de desenho técnico, mas sinto falta de aula de artes. Aliás, acho que minha carga horária de literatura e português também é pequena."

A estudante paranaense Ana Paula de Carvalho, 17 anos, do curso técnico em administração, encontrou um espaço para ser ouvida e transformar sua insatisfação com a escola em ação. Assistindo ao canal do Pirula, um biólogo que fala de temas como ciências e religião no YouTube, ela descobriu o Quero na Escola!, uma ONG que incentiva alunos a buscar aprendizados além do currículo tradicional e influenciar o que vão aprender na escola. Ana Paula cadastrou no site seus pedidos sobre as aulas que queria. "Procurei alguns temas legais, que iriam atrair os alunos, como programação de computadores, fotografia, ioga e horta". O colégio estadual em que estuda até oferece curso técnico de informática, mas Ana Paula acha que é pouco. Conseguiu levar voluntários para as aulas de programação e fotografia. "Foi bem bacana, as aulas lotaram", lembra ela.

Ana Paula de Carvalho, 17 anos 

Futura candidata de biomedicina, Ana Paula é enfática em dizer que o modelo de ensino atual não atende suas expectativas. "Acho muito antigo, a gente mudou, os tempos mudaram, não nos sentimos mais satisfeitos sentados na cadeira e copiando as coisas, queremos mais prática", afirma.

Foi também pelo YouTube, no canal Eu, Ciência, que Aderson Silva, 18 anos, estudante do terceiro ano do ensino médio em São Paulo, descobriu o Quero na Escola. "Entrei no site e me escrevi pedindo aula de Direitos Humanos, mas não esperava que fosse acontecer". A motivação de Aderson foi um debate que ocorreu em uma aula de Língua Portuguesa sobre a redução da maioridade penal. "Poucos falaram, e quem participou ficou na linha 'bandido bom é bandido morto", conta.

A escola de Aderson recebeu dois voluntários, especialistas em direitos humanos, para falar sobre o assunto. O resultado foi além do esperado. "Fiquei impressionado, pensei que muita gente fosse torcer a cara, mas vários alunos participaram do debate, inclusive contaram suas experiências com parentes presos", afirma.

Aderson é um crítico da educação que recebe, mas garante que sabe como promover mudanças na escola. "Eu quero fazer faculdade, tenho interesse pela academia, quero cursar Ciência, penso em me aperfeiçoar em Neurociência ou Tecnologia da Informação. São áreas importantes para a sociedade moderna, que tem na Internet sua maior fonte de informação. Mas minha escola não tem um laboratório de informática acessível. Os computadores não fazem parte do dia a dia dos alunos."

Heloisa Beatriz de Souza, 17 anos 

Heloisa Beatriz de Souza, 17 anos, estudante do ensino médio em Porto Feliz, São Paulo, e futura candidata ao curso de medicina, também tem soluções para resolver os problemas do ensino. "Acredito que são vários os fatores que tornam a educação pública medíocre: falta de estrutura, desvalorização do profissional de educação, desinteresse dos alunos. Mas sei que professores bem instruídos e atualizados nas áreas em que atuam, com material de qualidade, e aulas tanto práticas, quanto teóricas, podem melhorar o ensino", afirma.

Porque ouvir os estudantes importa

Infelizmente, a opinião de Heloísa, e dos demais estudantes que conversaram com o EL PAÍS, pouco (ou nada) tem influenciado no processo de mudanças na educação. Jovens das chamadas geração Y (nascidos entre 1980 e 2000) e geração Z (nascidos após 1995) têm sido frequentemente classificados como geração "mimimi", aqueles que criticam demais sem propor soluções. Mas será que isso é verdade? Quem trabalha com educação discorda.

"Há muita reclamação de que o aluno é desconectado da realidade, mas vejo isso como uma defesa nossa", afirma Tatiana Klix, da ONG Porvir, que realizou a pesquisa "Nossa Escola em Reconstrução" com jovens entre 13 a 21 anos de todos os Estados do Brasil, para ouvir o que eles pensam da escola e como gostariam que ela fosse. "Os estudantes têm uma série de críticas em relação à escola, mas têm um vínculo forte: 70% gostam da escola e entendem que é um lugar onde podem aprender coisas úteis. Mas a maneira que eles querem aprender é diferente do que eles têm hoje."

Escolas inovadoras escutam os alunos

Nicole de Almeida Abreu, 14 anos 

Nicole de Almeida Abreu tem 14 anos e há oito estuda na EMEF Zeferino Lopes de Castro, na zona rural de Viamão, Rio Grande do Sul. A escola de ensino fundamental trabalha com uma metodologia baseada em projetos de aprendizagem e com uso de pesquisa e tecnologia para atender o interesse dos alunos, além de auxiliá-los na criação de soluções para problemas de seu dia-a-dia. Este tipo de trabalho ajudou muito em meu desenvolvimento. Tinha muita vergonha de falar e agora estou até dando entrevista", afirma a estudante.

A escola de Nicole faz parte do programa Inova Escola, da Fundação Telefônica Vivo, e desde 2013 recebe apoio em tecnologia para desenvolver nos alunos as chamadas competências do século XXI, como colaboração, criatividade, robótica, programação, dentre outras. Rosa Maria Stalivieri, diretora da Zeferino Lopes de Castro, conta que no começo todos estavam receosos. Mas a desconfiança rapidamente transformou-se em entusiasmo.

O modelo tradicional de aula teórica foi substituído por aulas práticas e por projetos, com currículo flexível, moldado de acordo com o interesse dos alunos. A escola recebeu conexão com a internet, bem como notebooks e tablets, e um laboratório equipado com impressora 3D, kits de robótica e placas de arduíno (equipamento para criar dispositivos interativos com facilidade), para que os estudantes pudessem vivenciar a cultura maker.

“É um modelo muito ousado e a cada rodada de projetos temos surpresas”, conta Rosa Maria. Um grupo de alunos desenvolveu, por exemplo, um equipamento capaz de acabar com a geada, que é um grande problema para as plantações no Sul do Brasil. Essas iniciativas têm chamado atenção de representantes do Ministério da Educação, da Secretaria Municipal de Educação de Viamão e de parceiros da iniciativa, como a LEGO, Intel, Unesco e Huawei.

“Tínhamos 97 alunos, hoje são 147. Conseguimos trazer boa parte da comunidade para a escola, que são famílias que trabalham na zona rural. O interesse dos alunos também aumentou, pois eles passaram a ter muita autonomia na construção do saber”, afirma Rosa Maria. O desafio, agora, é a continuidade deste modelo. Nicole, por exemplo, encerrou o ciclo no ensino fundamental e teme não ter encontrar o mesmo ambiente na nova escola. “Sei que o ensino médio vai ser diferente, mas se tiver pesquisa e apresentações será melhor”, diz ela.

A pesquisa mostra que os estudantes querem mais estrutura em toda a escola. Ficar conectado é uma das demandas. "Eles querem aprender usando recursos tecnológicos, com atividades práticas e com projetos, em um ambiente em que possam se movimentar", explica Tatiana. Interagir com a comunidade também é um desejo dos estudantes, assim como a necessidade de participação na escola. "Eles querem ter sua voz ouvida."

A Porvir colocou o questionário da pesquisa à disposição de redes de ensino e escolas que queiram entender melhor seus alunos. "As redes estaduais de São Paulo, Minas Gerais e Goiás, bem como Senac e Sindicato do Ensino Privado do Rio Grande do Sul incentivaram seus estudantes a responder a pesquisa", conta Tatiana. O objetivo é transformar as demandas dos estudantes em ações práticas, que possam melhorar a qualidade do ensino.

Já a iniciativa Quero na Escola!, que começou em agosto de 2015, mostra que os alunos têm críticas, mas buscam soluções. "Atendemos cerca de 3.000 alunos que querem falar de problemas que a escola não pauta, como direitos humanos, política, homofobia, feminismo, machismo, racismo, intolerância religiosa, que veio a cair no Enem. Mas também pedem escrita criativa, grafite, cinema, fotografia, quadrinhos, que são formas de eles se expressarem e narrar sua realidade", afirma Cinthia Rodrigues, uma das idealizadoras do Quero na Escola.

Ela afirma em que tempos de discussão sobre a reforma do Ensino Médio é importante entender que os alunos desejam flexibilidade no currículo, mas isso porque eles querem experimentar. "Aos 15 ou 16 anos, os estudantes ainda não sabem qual caminho seguir. É um período de experimentação. Eles pedem aula de astronomia e culinária, o que é muito diferente do que o Governo está propondo."

Em setembro de 2016, o Governo federal enviou ao Congresso a Medida Provisória 746/2016 para reestruturação do ensino médio. Dentre as mudanças está a possibilidade de o fatiamento do currículo em cinco itinerários de formação: linguagens; matemática; ciências da natureza; ciências humanas; e formação técnica e profissional. A medida prevê ainda o ensino integral, a oferta de disciplinas optativas, a contratação de professores sem licenciatura, mas que apresentem "notório saber", e a ampliação da carga horária mínima do ensino médio de 800 horas/anos para 1.400 horas/ano.

A medida vem sendo criticada pelo Movimento Nacional em Defesa do Ensino Médio, mas divide as opiniões dos alunos. "Tenho visto comerciais sobre a mudança no ensino médio, mas não fiz uma pesquisa aprofundada. Mas acho boa a ideia de termos atividades extracurriculares", afirma Leonardo. "Não sei se o plano de reformulação do ensino médio é bom ou ruim. Mas acredito que as escolas deveriam ter uma grade curricular mais aberta para que o aluno decida as aulas que quer fazer, além das obrigatórias. Mas como eles vão fazer isso limitando os gastos da educação?", lembra Alexandre. "Acho a proposta legal, mas acho que não seria possível de realizar por falta de estrutura", afirma Heloísa.

MAIS INFORMAÇÕES