Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Haddad: “Vão descobrir que sou bem menos político que Doria”

Às vésperas de deixar a prefeitura, petista se esquiva de falar sobre seus planos políticos

Prefeito afirma que entregará a seu sucessor tucano uma cidade planejada até 2030

entrevista Fernando haddad
O prefeito Fernando Haddad, na Prefeitura.

Pouco antes de embarcar para a Cidade do México, onde ganhou um prêmio da Bloomberg Philanthropies por um projeto de agricultura para o extremo sul de São Paulo, o prefeito Fernando Haddad recebeu a reportagem do EL PAÍS para uma entrevista. Já parecia descolado do ritmo do cargo que ocupou nos últimos quatro anos: foi pontual, estava descansado e seguiu a entrevista pelo tempo que sua fome permitiu. “Vocês não têm fome? Querem continuar entrevistando?”, brincou ele após quase uma hora e meia com a reportagem. Já não eram os obstáculos da conturbada agenda de administrador da maior cidade da América Latina que interrompiam a conversa.

Em um mês, ele entregará o comando de São Paulo ao tucano João Doria, um político que se orgulhou em dizer que não é político e, sim, administrador. Haddad se diz satisfeito por deixar uma cidade planejada até 2030. E desconversa, ao menos por enquanto, sobre a possibilidade de ocupar um novo cargo executivo no futuro.

P. Depois das eleições, quais reflexões começam a surgir desses quatro anos como prefeito?

R. Vivi um período que não vai se repetir. Estou falando da parte difícil, entre 2013 e 2016. Não vamos mais ter 8% de recessão em dois anos e eu acredito que essa sobreposição de crises ética, política e econômica, neste nível de severidade observado, será difícil de acontecer novamente. Mas com tudo isso, na cidade de São Paulo batemos recorde de investimento no período, recebemos um grau de investimento da [agência de classificação de risco] Fitch, estruturamos todas as carreiras de Estado. Planejamos a cidade até 2030 em praticamente todas as áreas. Além do Plano Diretor, tem plano de mobilidade, cultura, educação, drenagem, habitação.

P. Quando você apresentou esse planejamento até 2030 para o Doria, qual foi a reação dele?

R. Ele está se familiarizando. É muita coisa.

P. Tem receio de que políticas adotadas por você sejam desfeitas?

R. O Brasil é o país da descontinuidade. Sempre quando há troca de comando essa preocupação vem à tona. Mas acredito que os planos estruturais da cidade estão bem amarrados e não seria nem inteligente descontinuar. Temos algo em torno de 120.000 unidades habitacionais para serem entregues, tem um hospital quase pronto, outro iniciado. CEUs [Centros Educacionais Unificados] que estão em obras. Deixei 30 obras de macrodrenagem licenciadas e conveniadas com o Governo federal. Quem entende de administração pública valoriza isso, que é o planejamento de médio e longo prazo da cidade.

P. Como será ver outro prefeito inaugurar todas essas obras?

R. O problema pra mim é não realizar o que foi planejado. Fizemos para a cidade. Um prefeito não pode planejar só o seu mandato. Bati recorde de investimento. Se ele, porventura, conseguir superar essa marca, vou ficar feliz. Até porque são obras importantes. Às vezes as pessoas veem como uma derrota algo que é uma vitória. Vou dar um exemplo: a gente estabeleceu que a velocidade máxima nas avenidas seria de 50 quilômetros por hora. O fato de Doria estar revendo em uma, apenas, é uma vitória da política, mesmo que do ponto de vista simbólico tenha essa sinalização de retrocesso. É ruim esse recuo, mas não deixa de ser importante como um marco civilizatório de que o trânsito seguro vai ser perseguido como política.

P. Isso pode ser um sinal de que a política está mudando?

R. Tomara. O Brasil precisa amadurecer. Passei oito anos no Ministério da Educação, qual foi a boa política do ministro Paulo Renato [do Governo Fernando Henrique Cardoso] que eu descontinuei? Nenhuma.

P. Você está indo receber um prêmio no México, da Bloomberg Philanthropies. Tem um eleitorado progressista fiel. Qual a leitura que faz da sua derrota?

R. De novo, acho que houve uma sobreposição muito severa de crises. Eu não desejo nem pro meu pior adversário que ele governe com 8% de recessão. É uma coisa muito delicada. Teve uma crise no partido inegável. O PT sofreu um desgaste enorme de 2014 a 2016. Já vinha em um processo de desgaste desde 2013, quando uma força política nova se colocou. Com um pouquinho mais de tempo [nesta eleição] teria ganho a eleição de 2014.

P. Essa força política, o PSDB, não é tão nova e até foi rechaçada nas manifestações pró-impeachment. Doria ganhou com discurso de “não sou político”. O não voto teve mais votos do que ele, como aconteceu em muitos outros locais. Como vê isso?

R. Não é algo local do Brasil. É uma coisa mais ampla. Não há dúvidas de que há uma crise de representação que tem que ser analisada do ponto de vista de seus fundamentos materiais. A globalização não entregou o que prometeu para o andar debaixo. Entregou uma desregulamentação profunda do mercado de trabalho e do mercado financeiro. A classe trabalhadora tradicional está muito desgastada em função do surgimento de novos atores no sudeste asiático, que entraram no mercado global em condições competitivas irreplicáveis no mundo ocidental por causa da legislação trabalhista. E a crise de 2008 socializou o mal-estar, as perdas do mercado financeiro.

P. E como isso se reflete na classe política?

R. Isso gera uma contestação em relação a promessas. O que se prometia estava em desacordo com o que aconteceu na prática. Você foi minando as bases dessa relação sempre delicada entre o representado e o representante.

Às vezes, a diferença entre duas pessoas progressistas fala mais alto do que a diferença entre elas e uma pessoa que pensa radicalmente diferente

P. As redes sociais amplificaram essas insatisfações?

R. O algoritmo por trás das redes sociais é baseado numa premissa: a publicidade. Elas buscam uma interlocução tal que a suas preferências se revelem a partir de suas conexões. Querem que você interaja com alguém mais parecido com você possível para que nesta ação de interação você revele suas preferências reais e possa ser objeto de uma ação publicitária. Com isso, ela reforça as identidades. Essa lógica, quando promove a interação entre minorias, tem um efeito interessante porque pessoas que estavam oprimidas se encontram para resistir à opressão. Mas quando se trata de maiorias, pode reforçar o senso comum. O senso comum é muito mais instintivo do que racional. E a civilização é o oposto do instinto: é a interação entre diferentes em busca de sínteses mais sofisticadas. E estas sínteses mais sofisticadas não estão presentes no debate nas redes sociais.

P. Cientistas políticos costumam dizer que candidatos de viés mais extremistas não costumam conseguir ganhar eleições. Isso mudou?

R. Numa situação de normalidade, o eleitorado se distribui à moda da curva normal, que é a curva de sino. Em geral, os centros estão robustos em relação aos extremos. Mas isto acontece em condições de normalidade. Porque quando a sociedade está de pernas pro ar, o sino também está de pernas pro ar, com extremidades muito alentadas e o centro esvaziado. As circunstâncias históricas são muito determinantes das chances de um discurso extremista sensibilizar e chegar ao poder. Nós estamos num momento em que há mais espaços para o extremismo do que em um período de normalidade.

P. Pensando no Brasil, qual é a saída política para a esquerda num contexto como esse?

R. Tem duas estratégias que implicitamente são debatidas. Uma diz que só há espaço na esquerda para discursos radicais porque se a direita tem o seu discurso radical, a esquerda tem que ter o seu já que o centro está esvaziado. E outra estratégia diz que nós temos que reconstruir um centro na perspectiva de puxar para a esquerda as chances de recuperar a agenda. São duas questões que estão colocadas na esquerda. A direita não está com esse problema. Está mais hegemônica.

P. E qual dessas duas visões você defende?

R. O que eu tenho defendido é que a gente tem que trabalhar mais com conceito de campo do que com o conceito de legenda. Isso significa mais generosidade no campo que está minado hoje. Precisa aglutinar as pessoas. Às vezes, a diferença entre duas pessoas progressistas fala mais alto do que a diferença entre elas e uma pessoa que pensa radicalmente diferente. Isso não me parece prudente em uma hora como essa. A hora agora é de demonstrar solidariedade, generosidade e desprendimento porque não existe discurso progressista que não seja desprendido. É um oximoro. Um discurso de esquerda não desprendido é uma contradição em termos.

P. E existe eco para essa visão?

R. Tem gente trabalhando nesta perspectiva. Esse pessoal que está trabalhando prévias [no PT], como se fossem primárias. Nós nunca experimentamos essa modalidade de aglutinação. As primárias são interessantíssimas.

P. Durante a campanha, houve um momento em que a gente somava o que havia de apoio para o seu nome, da Erundina, e da Marta e superava o apoio ao Doria. Isso mostra que há em São Paulo uma visão progressista forte do que parece?

R. Eu tenho um mantra sobre São Paulo que é: não é uma cidade conservadora, é uma cidade onde atuam forças conservadoras. Foi ruim para mim, obviamente, a fragmentação entre Luiza Erundina, Marta Suplicy e eu. Ao somar os votos dados nessas três candidaturas vai se chegar aos 30% históricos da esquerda na cidade. A Marta é vista por uma parte do eleitorado, sobretudo da periferia, como parte deste campo. Menos pelo presente e mais pelo passado, pelo governo que fizemos junto com ela. E assim acontece com a Erundina. O Celso Russomano é outro caso, pois tem uma faixa própria na periferia. E essa confusão toda entre estes quatro candidatos acabou criando uma faixa exclusiva para o Doria.

P. A vitória dele no primeiro turno surpreendeu vocês?

R. Eu esperava o crescimento dele por essa análise que eu acabei de fazer. Mas nós imaginávamos que iríamos para o segundo turno com ele.

P. A avaliação de muitos petistas depois da eleição é que se demorou dentro da campanha pra entender o fenômeno Doria porque se via menos risco nele. Isso aconteceu?

R. Na verdade, não. Na verdade, o que a gente imaginava era que o Doria estaria no segundo turno e na minha opinião em primeiro lugar. A nossa análise interna era essa desde o início. Sempre trabalhei com esta hipótese.

P. Mas parece que a estratégia do PT era mais contra os outros candidatos, que se atacou menos o Doria. Por quê?

O problema do PT é que ele está gravemente ferido, não se sabe se de morte ou não

R. Isso não podia partir de mim, a não ser no segundo turno. Foi uma campanha muito curta. Não tinha nem tempo de rever estratégia. E, convenhamos, o rompimento do PMDB comigo, que não teve nada a ver com a administração municipal e foi em função do impeachment, foi um golpe duro aqui. O golpe duro aqui foi [Gabriel] Chalita ser obrigado a sair do PMDB para compor chapa comigo pelo PDT. Essa foi realmente a variável. Porque nós teríamos mais tempo [de TV] para explicar o Governo. As minhas taxas de rejeição caíam toda semana porque a gente foi explicando Governo. Se a gente tivesse mais tempo e não tivesse essa ruptura no meio do caminho, que aconteceu exatamente depois da reeleição [de Rousseff], nós teríamos tido uma outra circunstância. Mas, enfim, a política é isso. Você não comanda as variáveis.

P. Existem essas variáveis fora do controle. Mas tem algo que vocês avaliam que poderiam ter feito de diferente, especialmente na periferia?

R. Olha, não tem lugar que eu tenha ido mais no Governo do que em Parelheiros e Brasilândia. E eu perdi nessas duas Subprefeituras. Brasilândia está inteira iluminada com LED. Está sendo feito hospital, um CEU na região. O melhor corredor de ônibus da cidade hoje é o da avenida Inajar de Souza, que traz uma pessoa da Brasilândia até a Praça do Correio, no centro, em minutos. Em Parelheiros nós fizemos um polo de ecoturismo, demos um banho de loja para receber turistas. Fizemos uma Lei de incentivo reduzindo impostos dos empreendedores locais, um hospital de 200 milhões de reais. Eu estava presente o tempo todo. Estou falando destas duas, mas eu poderia citar várias outras Subprefeituras. Havia um uníssono, sobretudo por parte dos programas populares de rádio e TV, batendo na mesma tecla [contra mim] o tempo todo que é uma coisa difícil de suportar. São concessões públicas que não agiram nada republicanamente e que têm uma agenda política. Mas essa é a realidade. São os intelectuais orgânicos do novo regime. Olha a que ponto nós chegamos!

P. Logo depois da sua derrota percorremos regiões da periferia onde o senhor havia sido bem votado há quatro anos e agora perdeu. E se dizia muito que você governou para os ricos e não para os pobres. Como vê isso?

R. Uma das coisas mais incisivas que fiz foram as faixas de ônibus para as pessoas ganharem tempo. Todo mundo ganhou. Ninguém vinculou esse ganho a uma decisão corajosa, na minha opinião, desta administração, de priorizar o transporte público. Na imprensa se discutia mais ciclovia do que faixa de ônibus. A comunicação é muito mais central na política do que às vezes a gente imagina. E a Prefeitura, ao contrário do que pensam, não tem o mando da comunicação. Não adianta ir para os lugares explicar as coisas se existe quase um consenso midiático de que o relevante a se discutir são as ciclovias, e não Passe Livre de estudante, faixa de ônibus, corredores, Bilhete Único Mensal. Se a imprensa decide que vai discutir só ciclovia, é isso que vai ficar no imaginário das pessoas.

P. Então essa comunicação deveria ter sido diferente por parte da Prefeitura?

R. Sim. Mas eu não saberia dizer como. Mesmo agora. Foi um período tão conturbado, em que as coisas se desdobraram de maneira tão intensa e sem precedentes, que minha resposta é positiva, mas eu não saberia dizer como. Foi um experimento único, que inclusive eu espero que não se repita. Porque veja: onde eu botei 90.000 lâmpadas de LED? Não tem uma do lado da minha casa! Estão todas na periferia! Eu preciso falar para elas que o bairro delas têm lâmpada de LED? Elas não estão vendo? O que eu sentia era um bloqueio aos argumentos. Era como se as pessoas estivessem bloqueadas. E aí fica difícil.

P. Parecia haver uma ausência da militância do PT nos bairros, tanto na gestão como na campanha. Como avalia isso?

R. Tem várias razões para isso. A primeira é o sucesso nas eleições. Você arrasta todo mundo para dentro do Governo e esvazia muitas instâncias para manter esse trabalho [nos bairros]. A outra é que governos se desgastam, sobretudo quando são submetidos a críticas. Só os governos do PSDB têm dificuldade de se desgastar porque não são submetidos a críticas [risos]. Além disso, o que a gente pagou pelo que acontece em outras esferas de Governo é incrível. Até a crise hídrica afetou o desempenho do município. Tem gente que me cobra de Metrô aos efeitos da recessão [econômica].

P. Doria prometeu o fim da fila da saúde. Acredita que é uma proposta viável?

R. Existem 32 hospitais dia entregues [da Rede Hora Certa]. Se colocar todos para funcionar, existe uma boa chance não de acabar a fila, porque até em Londres tem. Mas a fila está caindo. O tempo médio de espera está caindo em São Paulo.

P. É factível pensar em parceria com hospitais privados, como ele pretende fazer?

R. Não precisa, na verdade. Você já tem 32 hospitais dia entregues, em funcionamento. É só carregar na agenda. Se você tiver dinheiro para fazer parceria com hospital privado, melhor fazer com a sua própria rede.

P. Tem coisas na gestão futura de Doria que, na sua opinião, não são factíveis?

R. Difícil dizer de antemão. Eu não venderia Interlagos ou Anhembi. Eu concederia.

P. E a mudança do Braços Abertos pelo Projeto Recomeço, projeto do Governo do Estado de São Paulo, na Cracolândia?

Tenho uma compreensão histórica do que é o Brasil, das nossa dificuldades de nos modernizarmos

R. Não sei bem o que está sendo discutido, mas pelo que ouvi, a restrição ao Braços Abertos seria o pagamento pelo trabalho, mas se manteriam alojamento e tratamento. Eu entendo que eles deviam sentar com os beneficiários do programa, para entender a dinâmica dele, que é elogiado internacionalmente. Todo mundo conhece alguém que consome droga lícita ou ilícita e que recebe remuneração pelo seu trabalho. Eu não entendo porque aquelas pessoas não podem receber pelo seu trabalho.

P. São visões de cidade diferentes, a sua e a do Doria?

R. Mas será que não é um pouco circunstancial? Na verdade, não se mostrou uma proposta de cidade alternativa à nossa [na campanha]. Não vejo assim. Se pegou duas, três bandeiras que dialogam com o senso comum e disse que era diferente. 'Olha, a gente não vai multar, a gente vai deixar de correr a 90 quilômetros por hora na via expressa e o Haddad é do PT' [risos]. Ficou banal. É triste discutir o que a gente discutiu. Mas fomos pautados pelos intelectuais orgânicos da imprensa. É muito fácil usar os meios de comunicação para destruir a imagem de uma pessoa. A construção é um processo histórico. A desconstrução se dá em alguns meses.

P. E sente que isso aconteceu com a sua imagem?

R. A tentativa foi essa.

P. Ficou alguma mágoa desse período?

R. Tenho uma compreensão histórica do que é o Brasil, das nossa dificuldades de nos modernizarmos. Tenho compreensão, não tenho nenhum tipo de ressentimento.

P. O que acha dos apelos de seus eleitores para que se candidate ao Governo, em 2018?

R. Acho que a cidade está destinada a executar o que foi planejado nesses quatro anos. Não tenho dúvida disso. Para alguém que está na política é óbvio que eu gostaria que houvesse o reconhecimento disso por parte da maioria da população. No Ministério da Educação houve tempo. Se eu tivesse mais quatro anos eu tenho certeza que eu conseguiria na Prefeitura um pouco do que eu consegui no Ministério da Educação. Evidente que tem uma dimensão dessa análise que é: “Mas você não gostaria de ficar mais quatro anos?” É óbvio que eu gostaria! Lutei para isso. Mas, apesar disso, posso te assegurar: a cidade vai executar esse plano.

P. Mas ser carregado nos braços das pessoas na avenida Paulista não te cacifa para ser candidato em 2018?

R. Tem que esperar um pouco. Sou contra essa ansiedade. Eu não sou uma pessoa ansiosa, espero as coisas acontecerem para tomar decisões. Eu sou um ser político, no sentido de ser participativo na vida pública, desde os tempos da faculdade. Quem está nesse meio acaba fazendo política de alguma maneira. Como vou fazer, não sei. No futuro próximo, vou voltar a dar aula, escrever. Vou reorganizar a minha vida privada, que sempre digo que está desorganizada.

P. Mas o tempo da política não é outro? Se existe uma campanha para fazer em 2018, ela começa agora, não há tempo de amadurecer nada por muito tempo.

R. Eu acabei de sair de uma eleição, que eu perdi. Faz 30 dias que eu perdi a eleição!

P. Mas político é assim: acabou uma eleição já se começa a pensar na próxima.

R. Vocês vão descobrir que eu sou bem menos político do que o Doria, que diz que não é político.

P. O que mais te surpreendeu nesses quatro anos? O que não imaginava que acontecia nesse dia a dia da administração?

R. Eu não imaginava que nosso déficit de republicanismo fosse tão elevado.

P. Como assim?

R. A gente sempre pensa a democracia como a eleição, o Governo de maiorias. Mas está errado. A democracia é muito mais do que isso. A democracia é o Governo da maioria, mas é o respeito da minoria, a tolerância às minorias. Temos um déficit muito grande de republicanismo no Brasil. As instituições não são republicanas. E isso vale para a imprensa também.

P. Qual o futuro do PT?

R. O problema do PT é que ele está gravemente ferido, não se sabe se de morte ou não. E talvez a sociedade leve um tempo para entender que não é fácil você construir uma alternativa a esse instrumento tão poderoso de transformação social porque as circunstâncias históricas do surgimento do PT não vão se repetir. Você pode estar na iminência de um risco muito grande de orfandade, de não ter um instrumento para promover as transformações políticas que você deseja porque não é verdade que na história quando uma coisa morre ela dá espaço para que outra surja no lugar. A maioria da esquerda sucumbiu na Europa e nada de novo foi colocado no lugar. As pessoas acham que é melhor acabar com isso logo porque já surge outra coisa no lugar. Mas não é assim. A história é outra coisa.

P. Uma coisa é acabar com o PT. Outra é fazer uma reflexão importante e refundar suas bases. Dentro dessa imensidão de correntes dentro do partido há espaço para que isso aconteça?

R. Se até na biologia a longevidade se explica pelo estado de espírito, imagine na política? Mais ainda! É preciso ter espírito para tocar a política. Se você perder essa dimensão...

P. E o partido tem?

R. É isso que a história reserva para o próximo período.

MAIS INFORMAÇÕES