Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Filme retrata a primeira geração de travestis brasileiras

Dirigido por Leandra Leal, ‘Divinas Divas’ traz 8 artistas com 50 anos de carreira teatral

Documentário recebeu dois prêmios no Festival do Rio e tem estreia prevista para 2017

Filme ‘Divinas Divas’
As travestis Brigitte de Búzios, Camille K, Divina Valéria, Rogéria, Jane Di Castro, Fujika de Halliday, Eloína dos Leopardos e Marquesa.

Muita maquiagem, muito brilho, muito hormônio à flor da pele e muito talento também. No documentário Divinas Divas – uma das pérolas do Festival Internacional de Cinema do Rio – o excesso é celebrado na figura de oito travestis que representam a história da arte performática no Brasil: Rogéria, Jane Di Castro, Divina Valéria, Camille K, Fujika de Halliday, Eloína dos Leopardos, Marquesa e Brigitte de Búzios. Todas artistas hoje com mais de 70 anos que alcançaram os 50 de carreira, personificando recordes no país sob todos os ângulos e, sobretudo, esquivando preconceitos. É o que mostra o filme que marca a estreia da atriz Leandra Leal na direção, duplamente premiado no evento encerrado no último domingo, 16 de outubro.

Nada foi simples em Divinas Divas, dentro e fora das telas, e aí reside o charme e a relevância do documentário. Nele, Leandra relembra a trajetória das travestis que debutaram no Teatro Rival, marco da contracultura no Rio de Janeiro, fundado por seu avô, Américo Leal, e que permanece de portas abertas no centro da cidade, sob o comando da família. A estreia em 1964, ano em que se instaura no país a ditadura militar, foi cercada de temores por conta da censura. Ainda assim, a casa abrigou por décadas espetáculos memoráveis, cujo apogeu, nos anos 70 e 80, a diretora testemunhou na infância ao lado da mãe, Ângela Leal. Com esse olhar afetivo, ela faz um registro histórico da primeira geração de travestis brasileiras, com sensíveis depoimentos das artistas combinados à preparação de um show comemorativo de seus 50 anos no palco.

Leandra com a mãe, Ângela Leal.
Leandra com a mãe, Ângela Leal.

“Nem em Paris havia shows como os que fazíamos no Rival. Foi o boom das travestis no Brasil. Na ditadura, os artistas eram todos perseguidos. Nós ficávamos quietinhas, porque éramos homens vestidos de mulher, e isso é contravenção suficiente. Éramos as únicas que podiam divertir os brasileiros”, conta Rogéria, hoje com 73 anos, às portas do lançamento de sua primeira biografia, ao EL PAÍS. O espaço encontrado para se apresentar à noite era inversamente proporcional, no entanto, à liberdade que as travestis tinham para caminhar vestidas de mulher na rua, durante o dia. Diz Jane de Castro, uma das mais célebres artistas performáticas do país, no filme: “Travesti não podia falar tudo o que pensava. Precisava baixar o tom e concordar com a sociedade. Não podia ir contra, se não virava um animal... em extinção”.

Ensaio do espetáculo que dá eixo ao filme.
Ensaio do espetáculo que dá eixo ao filme.

O filme faz também uma ode à mulher. Ao resgatar suas histórias, as oito protagonistas celebram todo o tempo as figuras femininas, de divas inspiradoras às mães e amigas que apoiaram sua transformação e a vida dedicada à carreira artística. Assim vão surgindo os inúmeros relatos de preconceito (de gênero, sempre, e agora também de idade) e tomando forma nos bastidores do Rival as pessoas reais, sem maquiagem e sem couraças, por trás das divas do palco –blindadas em glamorosos trajes de plumas e paetês que as protegem do mundo. “Elas conseguiram reformular o preconceito que sofreram. Sabem rir de si mesmas, tiveram uma escolha altiva e muito positiva. E acham que tinham mais espaço antes, quando começaram, do que agora”, contou Leandra Leal em uma entrevista ao portal UOL.

Na fase final do projeto, desenvolvido ao longo de sete anos, a diretora tocou uma campanha de financiamento privado para driblar a rejeição de empresas patrocinadoras. Não só conseguiu o apoio popular, como lotou as sessões do Festival do Rio, de onde saiu com prêmios do público a melhor documentário e melhor filme de temática LGBTQ. Agora, Divinas Divas será exibido durante a 40a Mostra Internacional de Cinema de São Paulo (20 de outubro a 2 de novembro) e tem estreia comercial prevista para o primeiro semestre de 2017.

Salvar

MAIS INFORMAÇÕES