Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

A tragédia de viver em Caracas, a cidade mais violenta do mundo

Brasil é o país que mais aparece em estudo, com 21 das 50 localidades no ranking

Amigos prestam homenagem a uma vítima do crime em Caracas.
Amigos prestam homenagem a uma vítima do crime em Caracas. REUTERS

Após obter o título de economia mais inflacionária do mundo (141% entre setembro de 2014 e o mesmo mês de 2015, e uma previsão do Fundo Monetário Internacional de 720% para este ano), a Venezuela também passou a aparecer no topo do ranking de 50 cidades mais violentas do mundo do Conselho Cidadão para a Segurança Pública e Justiça Penal, do México. Essa organização não governamental elabora há vários anos o estudo, e Caracas, a capital do país sul-americano, ocupa o primeiro lugar do pódio com uma taxa de 119 homicídios para cada 100.000 habitantes. Outras cidades venezuelanas, Maturín e Valencia, também estão entre as sete primeiras da listagem. Já o Brasil é o país que mais aparece no estudo, com 21 das 50 cidades da lista, lideradas por Fortaleza na 12ª posição, com 60,77 homicídios por 100.000 habitantes.

A principal cidade da Venezuela supera a hondurenha San Pedro Sula (111,03) como a metrópole mais violenta do mundo, San Salvador (108,54) a capital de El Salvador, que ocupa a terceira posição, e Acapulco (104,73), no Estado mexicano de Guerrero, a quarta na classificação. Mas, além disso, a Venezuela conseguiu colocar outras duas de suas cidades no incômodo ranking. Maturín, principal cidade do Estado de Monagas (parte oriental do país) e Valencia, capital do Estado de Carabobo (centro), ocupam a quinta e a sétima posições, com 86,45 e 72,31 mortes para cada 100.000 habitantes, respectivamente.

O chavismo considera todas essas medições como parte de uma campanha de “forças imperiais” que busca derrubá-lo, e opõe a essas tragédias os números do investimento social — 62,5% do orçamento, segundo afirmação do presidente Nicolás Maduro em sua recente mensagem à Nação — e a vocação popular da chamada revolução bolivariana. Mas todos esses enunciados empalidecem diante dos acontecimentos violentos que ocorrem diariamente em todo o país.

O último deles foi a morte a tiros de El Conejo, líder da cadeia de San Antonio. O presídio está em Margarita, a paradisíaca ilha localizada no Caribe venezuelano e local de afluência de turistas venezuelanos e estrangeiros. Teófilo Cazorla Rodríguez, seu verdadeiro nome, havia sido condenado por tráfico de drogas em 2003 e cumpria a última parte de sua pena apresentando-se nos tribunais. Estava nas ruas desde o ano passado, mas continuava sendo o líder do presídio e comandava os crimes lá cometidos, confirmou no Twitter Douglas Rico, subdiretor do Corpo de Investigações Cientificas, Penais e Criminalísticas.

Na madrugada de domingo Cazorla Rodríguez e outros homens, identificados como seus seguranças, estavam em uma discoteca da ilha. Entraram depois em um carro e sofreram uma emboscada de homens ainda não identificados. A morte, presume-se, que para a polícia é algo que ainda deve ser analisado pela quantidade de tiros que o carro recebeu, se deve a uma disputa pelo controle de distribuição de drogas.

El Conejo está ligado às mais folclóricas histórias da ilha, algumas impossíveis de se comprovar. Outras podem ser verificadas. Em 2011, uma equipe de jornalismo do The New York Times entrou na prisão de San Antonio para entrevistar os internos, que em sua maioria cumprem penas por tráfico de drogas, e verificar o estado das instalações. Mais do que uma prisão com grades e horários estritos, as imagens mostram os detentos dançando ao ritmo da música caribenha colocada por um DJ, seus filhos brincando na piscina e um grupo de presos observando dois galos destroçando-se com suas esporas. El Conejo era o responsável pelo fato dos presos viverem sem o rigor das cadeias tradicionais, mas submetidos a regras medievais para sobreviver.

A morte de El Conejo

Todas essas comodidades fizeram com que a lenda de benfeitor de El Conejo crescesse e que sua morte fosse amplamente comentada e sentida pelos presos. Na tarde de segunda-feira um grupo subiu no telhado do prédio e o homenageou com uma salva de tiros de armas pesadas e leves. Os vídeos, gravados pelos próprios internos, circularam nas redes sociais e provocaram comentários indignados da sociedade e dos dirigentes políticos de oposição. O ex-candidato presidencial e governador do Estado de Miranda, Henrique Capriles, colocou uma das tantas sequências em sua conta do Twitter e repreendeu o ministro da Defesa, Vladimir Padrino López. “Não se incomoda com isso?”, perguntou. “São armas das Forças Armadas”, afirmou.

O enterro do criminoso estava previsto para a tarde terça-feira na Venezuela. Usuários das redes sociais comunicaram ampla presença policial nas principais ruas de Porlamar, a principal cidade da ilha, e o fechamento de uma delas, por onde passaria o cortejo fúnebre. Sua morte não deixou ninguém indiferente e aviva o debate sobre a insegurança no país. Caracas, considerada a cidade mais violenta do mundo, é o exemplo disso.

As cidades mais violentas do mundo

1° - Caracas (Venezuela) - 119.87 homicídios por 100.000 habitantes

2° - San Pedro Sula (Honduras) - 111.03

3° - San Salvador (El Salvador) - 108.54

4° - Acapulco (México) - 104.73

5° - Maturín (Venezuela) - 86.45

6° - Distrito Central (Honduras) - 73.51

7° - Valencia (Venezuela) - 72.31

8° - Palmira (Colômbia) - 70.88

9° - Cidade do Cabo (África do Sul) - 65.53

10° - Cali (Colômbia) - 64.27

11° - Ciudad Guayana (Venezuela) - 62.33

12° - Fortaleza (Brasil) - 60.77

13° - Natal (Brasil) - 60.66

14° - Salvador e região metropolitana (Brasil) - 60.63

15° - ST. Louis (Estados Unidos) - 59.23

16° - João Pessoa; conurbação (Brasil) - 58.40

17° - Culiacán (México) - 56.09

18° - Maceió (Brasil) - 55.63

19° - Baltimore (Estados Unidos) - 54.98

20° - Barquisimeto (Venezuela) - 54.96

21° - São Luís (Brasil) - 53.05

22° - Cuiabá (Brasil) - 48.52

23° - Manaus (Brasil) - 47.87

24° - Cumaná (Venezuela) - 47.77

25° - Guatemala (Guatemala) - 47.17

26° - Belém (Brasil) - 45.83

27° - Feira de Santana (Brasil) - 45.50

28° - Detroit (Estados Unidos) - 43.89

29° - Goiânia e Aparecida de Goiânia (Brasil) - 43.38

30° - Teresina (Brasil) - 42.64

31° - Vitória (Brasil) - 41.99

32° - Nova Orleans (Estados Unidos) - 41.44

33° - Kingston (Jamaica) - 41.14

34° - Gran Barcelona (Venezuela) - 40.08

35° - Tijuana (México) - 39.09

36° - Vitória da Conquista (Brasil) - 38.46

37° - Recife (Brasil) - 38.12

38° - Aracaju (Brasil) - 37.70

39° - Campos dos Goytacazes (Brasil) - 36.16

40° - Campina Grande (Brasil) - 36.04

41° - Durban (África do Sul) - 35.93

42° - Nelson Mandela Bay (África do Sul) - 35.85

43° - Porto Alegre (Brasil) - 34.73

44° - Curitiba (Brasil) - 34.71

45° - Pereira (Colômbia) - 32.58

46° - Victoria (México) - 30.50

47° - Johanesburgo (África do Sul) - 30.31

48° - Macapá (Brasil) - 30.25

49° - Maracaibo (Venezuela) - 28.85

50° - Obregón (México) - 28.29

MAIS INFORMAÇÕES