Existiu um divórcio real por trás de ‘História de um casamento’?

Sucesso do filme de Noah Baumbach, com seis indicações ao Globo de Ouro, fez disparar a curiosidade dos espectadores: seria o roteiro uma crônica fidedigna do fim do relacionamento do cineasta com a atriz Jennifer Jason Leigh?

Scarlett Johansson e Adam Driver em 'Histórias de um casamento'.
Scarlett Johansson e Adam Driver em 'Histórias de um casamento'.

Na sexta-feira passada, História de um casamento, o filme protagonizado por Scarlett Johansson e Adam Driver, aterrissou finalmente nos lares assinantes da Netflix para ratificar seu título oficioso de filme do momento. Os artigos publicados sobre o argumento do longa, sua posição como trending topic perpétuo nos últimos dias, as centenas de memes que motivou e as seis indicações ao Globo de Ouro obtidas na segunda-feira (maior número nesta edição) certificam que o retrato do traumático divórcio de uma atriz e um diretor de teatro é o programa imprescindível do fim de ano cinéfilo. A repercussão colhida após sua estreia digital e a avalanche de prêmios que se avizinha fizeram a atenção do público se centrar agora em indagar a respeito da verdadeira história na qual a trama se baseia: a separação entre o realizador Noah Baumbach e a atriz Jennifer Jason Leigh (de Os Oito Odiados), em 2010. Mas quanto há de real neste longa favorito ao Oscar de melhor filme?

“O filme não trata do meu casamento, de forma alguma”, esquivou-se Baumbach em uma conversa com o The Independent. Em todas as entrevistas de divulgação do filme concedidas até agora, Baumbach vem falando sobre a influência mais ou menos direta da sua vida no desenvolvimento do aclamado filme. Desde que o público do Festival de Veneza acolheu com entusiasmo sua estreia internacional, as especulações a respeito das semelhanças entre a trama e a separação real de Baumbach e Leigh – e o papel da diretora Greta Gerwig (Lady Bird) em tudo aquilo – não tardaram a circular. Uma consequência lógica se levarmos em conta o alto componente autobiográfico de outros trabalhos do cineasta, como A Lula e a Baleia (com reminiscências do divórcio de seus pais) e Os Meyerowitz: Família Não Se Escolhe (sobre a vida à sombra de progenitores com grande prestígio artístico).

Literais ou não, o fato é que as semelhanças entre o diretor e a atriz interpretados por Driver e Johansson e os perfis de Baumbach e Leigh vão muito além da profissão, do aspecto físico e de terem um filho juntos. Começam já no cartaz do filme, com os atores fazendo uma pose semelhante à exibida pelo casal na cerimônia do Oscar de 2006, quando ele foi indicado por A Lula e a Baleia. Assim como a personagem de Nicole, Jason Leigh nasceu na Califórnia e ficou famosa em Hollywood ao interpretar uma adolescente rebelde (Picardias Estudantis). Eles também se conheceram na Broadway, quando a atriz trabalhava na obra Proof, em 2001 e, para jogar mais lenha na fogueira, ele mesmo admitiria numa entrevista ao The New York Times, quatro anos depois, que eram “um casal de nova-iorquinos, mas com um terreno em Los Angeles”.

Quando começaram a namorar, ela era uma atriz bem estabelecida em Hollywood, e ele um promissor diretor do cinema independente, sete anos mais novo que ela. Casaram-se em 2005, e até 2010, quando anunciaram a separação, formaram a dupla criativa em dois dos filmes de Baumbach: Margot e o Casamento e O Solteirão. Este foi protagonizado por Greta Gerwig, que se tornaria mulher do diretor apenas sete meses depois de o filme estrear e de Leigh dar à luz o único filho do casal, Rohmer. A atriz – assim como a personagem agora interpretada por Johansson – pediu a custódia total do bebê e estabeleceu residência em Los Angeles, de modo que o cineasta se viu obrigado a atravessar o país para ver seu rebento, assim como faz Charlie (Adam Driver). Em 2013 completaram o processo de divórcio.

Embora tanto Baumbach como Gerwig reiterem que seu relacionamento só começou depois que ele rompeu completamente com sua primeira mulher, os espectadores de História de um Casamento tiraram suas próprias conclusões. “Não bastava Noah Baumbach trair Jennifer Jason Leigh com Greta Gerwig em paz, tinha que fazer todo um filme sobre isso… Os homens estão loucos”, afirma a usuária do Twitter @clownery2000 em uma mensagem que já tem quase 2.500 curtidas. O cineasta se defende no The Guardian: “Charlie não é mais parte de mim do que Nicole”. Mas, especulações à parte, outro paralelismo indubitável com o longa é que Baumbach começou a fazer um nome de prestígio na indústria, enquanto que os melhores dias de Jennifer Jason Leigh já começavam a parecer distantes, situação que Nicole denuncia na trama. Assim como a personagem de Scarlett Johansson retorna a Hollywood para retomar seu status de estrela com um piloto televisivo, a intérprete de Os Oito Odiados deixou Nova York para rodar em Los Angeles o piloto de Open, uma série de Ryan Murphy para a HBO que acabou não sendo aprovada pelo canal.

O diretor, consciente de que o sucesso de História de um Casamento poderia transformar sua ex numa inesperada protagonista da máquina de rumores hollywoodiana, mostrou-lhe tanto o roteiro como a filme pronto antes da sua estreia. “Ela gostou de verdade, porque não fala sobre o nosso casamento”, contou o realizador ao The New York Times, acrescentando que para ele é “um elogio” que o público trace esses paralelismos, porque significa que se envolveu emocionalmente com a obra. Para ele, História de um Casamento é um filme pessoal, mas não autobiográfico, e, a julgar pelas declarações dos protagonistas do filme, a vida do roteirista talvez seja a peça mais importante do quebra-cabeça, mas não a única.

“Obviamente eu tinha meu ponto de vista próprio sobre o tema. Queríamos construir algo que viesse de um lugar real, então conversamos muito, não só sobre nossas experiências pessoais com o divórcio, mas sim sobre todo tipo de relações íntimas. Falamos da família, dos nossos pais, de nossos romances passados. Nicole é um amálgama de todas essas coisas”, disse Scarlett Johansson, indicada ao Globo de Ouro de melhor atriz, à publicação The Hollywood Reporter. A protagonista de Encontros e Desencontros admite ter levado muito da sua experiência pessoal para a sua personagem, que encarnou enquanto se divorciava do jornalista Romain Dauriac (sua segunda separação na década, depois de Ryan Reynolds). Também um Adam Driver que, embora atualmente esteja harmoniosamente casado com a atriz Joanne Tucker, viveu a separação de seus pais aos sete anos, a mesma idade que tem o filho do casal protagonista no filme. “Sabendo o que é ter a mesma idade que Henry quando seus pais se divorciam, e que tratem de fazer isso da melhor maneira possível por seu bem, você não tem como não se basear e pensar nisso”, disse ao Daily Mail.

O último divórcio que inspira o argumento de História de um Casamento é o de Laura Dern, a atriz que dá vida à advogada Nora Fanshaw e cujo inspirador monólogo sobre o sexismo instaurado na sociedade poderia lhe dar o primeiro Oscar de sua carreira. A intérprete de Big Little Lies se divorciou em 2013 do músico Ben Harper, e sua representante legal na hora de lutar pela custódia dos dois filhos em comum foi Laura Wesser, célebre advogada das estrelas e fonte de inspiração na hora de dar vida a sua personagem. Baumbach, amigo íntimo de Dern, a escolheu inclusive antes de ter o roteiro preparado, porque sabia, conforme contou à Sky News, que “tinha passado por uma separação, então falamos não só da personagem, mas também do tema em si, das relações, da vida”.

Mais informações