_
_
_
_

Miguel Nicolelis: “São os cientistas ‘canalhas’ que vão tirar o Brasil dessa crise infernal”

No terceiro episódio do podcast ‘Diário do front’, colunista do EL PAÍS lembra o feito do astronauta Yuri Gagarin, há 60 anos, e diz que Brasil vive sua Batalha de Stalingrado e que só a ciência pode salvá-lo

Clique acima para ouvir o terceiro episódio de 'Diário do Front'.
EL PAÍS

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo

¿Quieres añadir otro usuario a tu suscripción?

Si continúas leyendo en este dispositivo, no se podrá leer en el otro.

¿Por qué estás viendo esto?

Flecha

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo y solo puedes acceder a EL PAÍS desde un dispositivo a la vez.

Si quieres compartir tu cuenta, cambia tu suscripción a la modalidad Premium, así podrás añadir otro usuario. Cada uno accederá con su propia cuenta de email, lo que os permitirá personalizar vuestra experiencia en EL PAÍS.

En el caso de no saber quién está usando tu cuenta, te recomendamos cambiar tu contraseña aquí.

Si decides continuar compartiendo tu cuenta, este mensaje se mostrará en tu dispositivo y en el de la otra persona que está usando tu cuenta de forma indefinida, afectando a tu experiencia de lectura. Puedes consultar aquí los términos y condiciones de la suscripción digital.

O que o voo orbital de Yuri Gagarin 60 anos atrás pode nos ensinar sobre o combate à pandemia de covid-19 no Brasil? Essa é a pergunta que guia o neurocientista Miguel Nicolelis no terceiro episódio do podcast Diário do front. A coluna em áudio de Nicolelis, que toma o pulso da crise sanitária no Brasil semanalmente, desta vez reflete sobre o papel da ciência nos avanços da União Soviética no século 20 que levaram ao primeiro voo na órbita da terra, em 12 de abril de 1961. “Sessenta anos depois, o mundo imerso na maior pandemia em um século, tem uma grande porta de saída dessa crise que já vitimou milhões de seres humanos. A saída continua sendo a mesma: a ciência.”

Nicolelis afirma que é a primeira vez na história das pandemias, desde os tempos dos faraós, que a ciência tem um poder transformador imediato ao desenvolver vacinas em tempo recorde. Ele lembra como a vacinação em massa contra a covid-19 mudou o curso da tragédia em países como os Estados Unidos ou Reino Unido. “Enquanto mundo usa a ciência para escapar da pandemia, no Brasil os cientistas são tachados de canalhas”, lamenta o neurocientista, citando frase de Jair Bolsonaro na semana passada ―o presidente defendia mais uma vez tratamento precoce contra a covid-19, o que não existe.

Mais do podcast 'Diário do front'
Diário do front - com Miguel Nicolelis
Ep.01. “Estamos a poucas semanas de um ponto de não retorno na crise da covid-19”
Diário do front - Miguel Nicolelis
Ep.02. “Óbitos podem superar nascimentos no país em abril por causa da covid-19”

“São os cientistas canalhas que vão tirar o Brasil dessa crise infernal”, disse o cientista. “O Brasil, se aproxima, nos próximos meses, do mesmo número de vítimas da Batalha de Stalingrado”, comparou Nicolelis, em referência à escalada de mortes pelo novo coronavírus no Brasil, cuja média diária de mortes ultrapassa 3.000, e à épica batalha da Segunda Guerra Mundial.

O acesso à coluna em áudio de Nicolelis é grátis, assim como as demais informações sobre o novo coronavírus no EL PAÍS. Compartilhe com seus amigos e familiares. Prefere no Spotify? Clique aqui ou acima. Ouça aqui no YouTube. O podcast Diario do front tem a produção-executiva de Marina Miranda e a produção e trilha sonora de Cacau Guarnieri.

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui



Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_