Coluna
i

O silêncio estratégico de Moro sobre a morte do miliciano amigo da família Bolsonaro

Ex-juiz tem o desafio de aparecer como fiel ministro de Bolsonaro e de seu Governo

O ministro Sergio Moro.
O ministro Sergio Moro.ADRIANO MACHADO / Reuters

A morte do miliciano e ex-capitão do Bope Adriano da Nóbrega pela polícia, fato que foi notícia internacional devido às suas possíveis relações com a morte da ativista Marielle Franco, deixou em aberto uma série de questões que a opinião pública deve exigir saber.

Era inevitável, por exemplo, que a polícia, dado que o fugitivo estava isolado e sozinho, acabasse com sua vida em vez de entregá-lo vivo à Justiça? Sergio Moro, como ministro da Justiça e Segurança Pública, soube com antecedência da operação policial em curso? Interessava ao presidente Jair Bolsonaro e sua família, com quem o miliciano manteve longos anos de amizade no passado, acabar com sua vida para que não falasse? E a Moro?

Mais colunas de Juan Arias

Como explicar o silêncio do ministro da Justiça até agora sobre a morte do importante miliciano, quando em outras ocasiões parabenizou a polícia por suas ações contra a violência? Como explicar o mau humor de Bolsonaro diante dos jornalistas que o questionaram sobre o caso e o fato de ter se recusado com irritação a falar com a imprensa?

Trata-se sem dúvida de uma morte que dói e que preocupa aqueles que temem que o miliciano poderia ser uma figura fundamental para se chegar ao mandante ou aos mandantes do assassinato de Marielle e para conhecer melhor as estreitas relações entre ele e o filho do presidente, o senador Flávio, que o condecorou duas vezes e manteve em seu gabinete alguns de seus parentes.

Segundo a polícia, sabe-se que o miliciano tinha consigo 13 celulares que podem conter informações preciosas e até explosivas. Seu conteúdo será revelado à opinião pública ou se dirá que estavam vazios?

Se a irritação do presidente com a notícia da morte do miliciano é até plausível, o silêncio de Moro parece bastante estratégico. Por que não exultou com a notícia da morte do miliciano? Por que não aplaudiu a operação policial?

Esse silêncio de Moro é importante dentro do jogo de espelhos que está levando a cabo com grande habilidade e possivelmente com uma estratégia bem definida. Para conhecer a realidade das cartas que o poderoso ministro da Justiça está jogando é preciso lembrar que hoje ninguém duvida que o fato de ter deixado seu posto de juiz da Lava Jato, que lhe deu fama mundial como lutador contra a corrupção, não foi apenas pelo prazer de ser ministro. Suas aspirações, jovem como é, e com uma popularidade que está crescendo, vão além das de um ministro Bolsonaro.

É possível que, neste momento, e a julgar por alguns textos nas redes sociais de sua esposa incentivando-o sempre a voos mais altos, nem sequer a possibilidade de chegar ao Supremo Tribunal Federal lhe seja suficiente. Na rua já é visto ou como um sucessor natural de Bolsonaro, ou até mesmo como um concorrente deste nas urnas, caso a figura do presidente de extrema direita chegue enfraquecida à reeleição.

Não é fácil o equilíbrio em que Moro está se movendo no momento. Sua única estratégia diante de Bolsonaro e sua família, que governa junto com ele, se é verdade que sua real ambição é poder vestir a faixa presidencial, é conseguir conjugar suas ambições futuras sem, ao mesmo tempo, se indispor com eles e com seus seguidores mais fieis.

Moro deverá aparecer como fiel ministro de Bolsonaro e de seu Governo para não perder o consenso desses 30% ainda fiéis ao mito, e ao mesmo tempo agir habilmente para que Bolsonaro não cresça em consenso, e se for possível que este se enfraqueça pouco a pouco. É uma operação difícil porque não pode aparecer como advogado de defesa da família Bolsonaro e nem como inimigo dela.

Na sutil estratégia para manter esse equilíbrio, Moro deve aparecer ao mesmo tempo à opinião pública como fiel ao chefe, que tenta ajudar em suas comprometedoras relações com a corrupção e as milícias, e ao mesmo tempo ir colocando pedras para que tropece sem que sua estratégia dupla apareça.

É à luz desses interesses políticos de Moro que podem ser examinados seu silêncio diante da morte do ex-capitão Adriano e sua ainda desconhecida atitude em relação à operação policial. A questão sobre se interessava a Moro e a Bolsonaro o miliciano vivo ou morto poderia estar diretamente relacionada à estratégia de Moro de aparecer fiel ao chefe e, ao mesmo tempo, não ver com maus olhos que este possa aparecer comprometido.

A política, suas estratégias, seus estranhos e ocultos labirintos sempre foram clássicos na busca pelo poder. Maquiavel, o filósofo e escritor italiano, considerado o pai da ciência política moderna, já tinha nos ensinado isto séculos atrás. E Moro começa a ser visto como o novo e sutil Maquiavel brasileiro, autor do famoso Príncipe, que defendia que os fins podem justificar os meios para consegui-los.

Mais informações