Coluna
Artigos de opinião escritos ao estilo de seu autor. Estes textos se devem basear em fatos verificados e devem ser respeitosos para com as pessoas, embora suas ações se possam criticar. Todos os artigos de opinião escritos por indivíduos exteriores à equipe do EL PAÍS devem apresentar, junto com o nome do autor (independentemente do seu maior ou menor reconhecimento), um rodapé indicando o seu cargo, título académico, filiação política (caso exista) e ocupação principal, ou a ocupação relacionada com o tópico em questão

As crianças abusadas e as famílias de desaparecidos não encontrarão consolo vendo ‘Dois Papas’

No filme, o grande duelo interpretativo entre dois colossos acaba empatado. Como acaba empatada a história real

Bento XVI (Anthony Hopkins) e Francisco (Jonathan Pryce), em ‘Dois Papas’.
Bento XVI (Anthony Hopkins) e Francisco (Jonathan Pryce), em ‘Dois Papas’.Netflix

Quando nos submetemos de bom grado ao tão anunciado duelo de atores, mas também de doutrinas, que nos traz o filme Dois Papas, podemos ver que pouca coisa muda na Igreja Católica quando muda um Papa.

Mais informações

O resultado é tremendo. Em primeiro lugar, porque a Igreja católica (a representante da única religião verdadeira, não se esqueça) sai vencedora vença quem vencer o duelo. Nisso, o filme de Fernando Meirelles é inequívoco e fiel à realidade. Porque não se conhece nenhuma ocasião em que tenha ocorrido o contrário.

O ruim é que a história pretende que seja a mesma coisa para quem a vê. Ganhe a opção que ganhar entre Joseph Aloisius Ratzinger (Anthony Hopkins) e Jorge Bergoglio (Jonathan Price), daria na mesma aos católicos, porque nenhum dos homens iria dar mais de si além do que se esperava deles. E a Igreja não iria realmente perseguir os golpistas e torturadores e os abusadores de crianças.

Porque nunca o fez.

Na Espanha o filme deveria vir acompanhado de algum documentário que situasse os católicos em relação à Igreja e ao franquismo durante os 40 anos em que ocorreram com absoluta impunidade os abusos sexuais contra menores em uma grande quantidade de colégios e paróquias, e as torturas e execuções em quase todas as delegacias de Polícia.

O sorriso complacente de muitos espectadores e espectadoras ao final do longa-metragem se apagaria. Porque a Igreja católica não foi somente um ator passivo na brutal história franquista, e sim um ator bem pago em troca de seu silêncio, mas também de sua participação nos fatos.

As crianças abusadas de todo o mundo e as famílias de desaparecidos no Chile, Argentina e muitos outros países, não encontrarão consolo vendo este filme. Um grande duelo interpretativo entre dois colossos do assunto, que acaba empatado.

Como acaba empatada a história real. Porque a estrutura de poder dentro da instituição não muda. Há um padre alemão que gosta de filosofia, que enfrenta de bom humor outro padre que gosta dos pobres. O segundo também está de bom humor.

Eu acho que, após ver o filme, só as mulheres deveriam ficar de bom humor, porque não são responsáveis por tanta violência.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: