_
_
_
_

NASA pilota drone em outro planeta pela primeira vez

‘Ingenuity’ realiza um voo de 40 segundos a até três metros da superfície de Marte

A sombra do 'Ingenuity' em pleno voo captada pelas câmaras do veículo terrestre 'Perseverance'. Em vídeo, o voo do drone. Vídeo: AP / REUTERS-QUALITY
Nuño Domínguez

O drone Ingenuity da NASA se transformou no primeiro aparelho do tipo a voar sobre a superfície de outro planeta. A equipe da missão comemorou na segunda-feira com gritos e aplausos o primeiro voo bem-sucedido do aparelho de menos de dois quilos e propulsionado por uma hélice especialmente projetada para poder funcionar no fino ar marciano, 99% menos denso do que o da Terra.

“O Ingenuity realizou o primeiro voo autopropulsionado em outro planeta”, disse o piloto Håvard Grip do centro de controle do Laboratório de Propulsão a Jato em Pasadena, Califórnia, compartilhado pela NASA em sua conta do Twitter. O trajeto programado deveria durar 40 segundos e atingir uma altura de três metros sobre a superfície, o que a NASA confirmou que aconteceu.

Mais informações
loop perseverance
Nave ‘Perseverance’ consegue o primeiro vídeo de um pouso em Marte na história
Aterrizaje de 'Perseverance' en Marte, el 18 de febrero.
As primeiras imagens em cores de Marte feitas pela nave ‘Perseverance’
Diana Trujillo
Diana Trujillo, diretora de voo do ‘Perseverance’: “Algo de vida tem que haver em Marte”

Esse pequeno drone é parte da maior missão de exploração marciana já lançada e que tem como símbolo o veículo terrestre Perseverance, o maior e mais sofisticado que já pisou em Marte. O Perseverance e seu passageiro Ingenuity aterrissaram com sucesso em 18 de fevereiro.

O Ingenuity é um teste de conceito visando futuras missões em Marte e outros planetas. Foi uma tentativa de comprovar se era possível fazer um voo a motor em outro planeta, o que significa um enorme desafio. “A atmosfera de Marte é a mais difícil para se voar que conhecemos”, diz Jorge Pla-García, cientista do Centro de Astrobiologia, em Madri, e membro da missão. “Para poder se sustentar no ar são necessárias hélices gigantescas. As do Ingenuity têm 1,2 metro de diâmetro e giram muito rápido, a 2.400 revoluções por minuto”. Também deve pesar muito pouco e aqui a gravidade marciana joga a favor, pois é um terço do que a da Terra, de modo que o helicóptero tem pouco mais de 600 gramas, diz Pla-García.

Esses veículos autônomos podem ser a solução para aumentar o escopo de visão das missões robóticas e chegar aos lugares mais escarpados e complicados do planeta, pontos que não podem ser visitados de outra forma. No futuro, drones como esse podem ser um importante apoio às missões tripuladas. Outro dos objetivos da missão é justamente preparar o caminho aos astronautas, que chegarão dentro de alguns anos.

O Ingenuity tem previstos mais quatro voos durante os próximos 31 dias. Primeiro fará outros dois deslocamentos na vertical, um até cinco metros de altura e depois até 50. Nos dois seguintes começará a se deslocar na horizontal até um máximo de meio quilômetro e aterrissará em outros locais além de seu recém-inaugurado aeródromo: um quadrado de 10 por 10 metros que a NASA batizou como aeródromo Irmãos Wright em homenagem aos pioneiros da aviação norte-americana, como anunciou na segunda-feira o diretor da NASA, Thomas Zurbuchen.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_