Nobel de Química 2020 vai para as criadoras da edição do genoma

Emmanuelle Charpentier, francesa, e Jennifer Doudna, norte-americana, dividem o prêmio. É a primeira vez na história dessa categoria, criada em 1901, que duas mulheres a compartilham

Emmanuelle Charpentier, à esquerda, e Jennifer Doudna, à direita, criadoras do sistema de edição genética CRISPR.
Emmanuelle Charpentier, à esquerda, e Jennifer Doudna, à direita, criadoras do sistema de edição genética CRISPR.MIGUEL RIOPA (AFP)
Mais informações

A francesa Emmanuelle Charpentier e a norte-americana Jennifer Doudna ganharam o prêmio Nobel de Química 2020 “pelo desenvolvimento de um método para a edição genômica”, anunciou a Real Academia de Ciências da Suécia nesta quarta-feira.

Apoie nosso jornalismo. Assine o EL PAÍS clicando aqui

As duas pesquisadoras dividem o prêmio por desenvolverem a técnica de edição genética CRISPR/Cas9, que funciona como uma espécie de tesoura molecular que permite editar o código genético de qualquer animal, planta ou micróbio. Essa tecnologia considerada revolucionária para as ciências biológicas está contribuindo para o desenvolvimento de novas terapias contra o câncer e pode tornar realidade a cura de muitas doenças hereditárias de origem genética, conforme destacou a Academia.

A importância da técnica é difícil de exagerar, pois pela primeira vez dá aos humanos a capacidade de modificar sua própria genética, o futuro não só de um indivíduo, mas de todos os seus descendentes. Por isso, o CRISPR/Cas9 é uma tecnologia que despertou questionamentos muito importantes e também polêmicas, como a inédita alteração de embriões humanos, em um experimento enlouquecido do cientista chinês Hei-Jiankui ao editar o genoma de dois bebês.

O anúncio das cientistas ganhadoras.
O anúncio das cientistas ganhadoras. Europa Press

O prêmio deixa de fora outros cientistas que contribuíram para descobrir o CRISPR, que é o sistema imunológico que muitos micróbios utilizam para identificar os vírus e cortá-los em pedaços usando tesouras moleculares feitas de proteínas Cas. Entre eles se destaca o espanhol Francis Mojica, que em 1992 estudou o CRISPR em micróbios isolados nas salinas de Santa Pola e inclusive lhes deu o nome.

É a primeira vez na história do Nobel de Química, criado em 1901, que duas mulheres o compartilham. Até agora só cinco delas haviam recebido o Nobel de Química, frente a 183 homens: Marie Curie (1911), sua filha Irène Joliot-Curie (1935), Dorothy Crowfoot Hodgkin (1964), Ada Yonath (2009) e Frances Arnold (2018).

Este é o terceiro Nobel anunciado na edição de 2020, após os de Medicina e Física. O prêmio de Química do ano passado foi para um trio: o norte-americano John Goodenough, o britânico Stanley Whittingham e o japonês Akira Yoshino, pela invenção das baterias de íons de lítio, presentes em muitas tecnologias.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: