Comércio latino-americano cai 10% em meio à desaceleração econômica global

Declínio projetado pela CEPAL situa o comércio intrarregional no nível mais baixo em uma década, com queda superior internamente do que com os demais países

Vista do porto da Cidade do Panamá na segunda-feira.
Vista do porto da Cidade do Panamá na segunda-feira.

MAIS INFORMAÇÕES

A América Latina não quer a si mesma como parceiro comercial, e a desaceleração global não ajuda. O comércio dentro da região cairá 10% em 2019, após dois anos de recuperação, segundo projeções da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) publicadas terça-feira em seu relatório anual Perspectivas do Comércio Internacional. A redução coloca os intercâmbios comerciais regionais no nível mais baixo em uma década e mostra as conexões deficientes entre os países do bloco.

Paradoxalmente, os laços com o vizinho do lado são mais tênues do que com o que vive duas ruas mais à frente. As projeções da Cepal mostram que o comércio dentro da América Latina diminui mais do que as trocas entre o subcontinente e o resto do mundo, que devem cair apenas 0,1%. Ou seja, a região deixa de comercializar mais consigo mesma do que com os demais países.

Com essa redução, apenas 15,5% do comércio do subcontinente será com países da região, uma taxa muito baixa em comparação com outras partes do mundo (a Europa tem 60% de intercâmbios regionais). A secretária-executiva da CEPAL, Alicia Bárcena, aponta a necessidade de superar esse atraso. “Chegamos a estar em 21% quando foi criado o Mercosul [1991]; deveríamos pelo menos chegar a essa porcentagem, e ainda assim estaríamos abaixo da Europa e da Ásia”, afirma.

Além de suas fronteiras, os países latino-americanos também estão trocando menos com o resto do mundo. A CEPAL projeta que em 2019 o valor das exportações diminuirá 2% e o das importações, 3%. Quanto maior a dependência de produtos básicos, maior a queda. O preço de 26 das 30 principais exportações da região baixou, incluindo o do açúcar de palma (33%), o do carvão (22%) e o do petróleo (10%). A Venezuela, ex-potência petrolífera que está mergulhada em uma profunda crise econômica, volta a atingir o fundo do poço. Em 2019, o país importará 60% e venderá 50% menos ao resto do mundo do que em 2018, segundo as predições da Cepal.

Do outro lado da corda, o México é um dos países que aguentam melhor o puxão. Suas exportações crescerão quase 3% em 2019. A guerra comercial entre as duas grandes potências o beneficiou, graças à substituição, nos EUA, de importações chinesas por mexicanas. “O México não precisa do restante da região porque está incorporado às cadeias de produção globais”, resume Ignacio Martínez, economista da Universidade Nacional Autônoma do México (UNAM).

Mas o caso mexicano é uma das poucas exceções. O estancamento da demanda global e interna explica parte do declínio do comércio regional. As vendas para a União Europeia despencaram quase 8% e o crescimento das exportações para a China desacelerou. Paralelamente, o apetite da região por seus próprios produtos também diminui, devido a um crescimento econômico letárgico que a CEPAL projeta em 0,2% para 2019.

Nesse cenário, a receita passa por melhores estradas e portos e por uma maior integração, segundo o organismo. Alicia Bárcena sustenta que a região deve “repensar sua reinserção no comércio internacional”, indo além dos produtos básicos. Menos petróleo e mais smartphones, esse é o objetivo. “A América Latina tem uma história de extrair matéria-prima e enviá-la para o exterior. Um padrão que ainda não conseguimos resolver”, afirma.

Além disso, a CEPAL calcula que seja necessário investir 6% do PIB anual em infraestrutura e serviços, bem mais que os 1,8% atual, para enfrentar o problema. Hoje, apenas 23% das estradas na América Latina estão pavimentadas. “Não há um corredor logístico da América do Sul para o centro e o norte do continente, e os itinerários aeroportuários são principalmente para a Ásia”, assinala Ignacio Martínez, da UNAM. Como exemplo, a rede ferroviária é uma mistura de vias com sete larguras diferentes. Um quebra-cabeças de ferro que dá uma ideia do desafio enfrentado pelo comércio da região em plena desaceleração global.