“Seria melhor que meu remédio contra o câncer fosse mais barato”

As descobertas do Prêmio Nobel de Medicina de 2018 levaram a um tratamento revolucionário que é vendido por mais de 100.000 euros por paciente

O cientista japonês Tasuku Honjo, pai da imunoterapia, em Madri.
O cientista japonês Tasuku Honjo, pai da imunoterapia, em Madri.KIKE PARA

Mais informações

O pesquisador Tasuku Honjo não sabe quantas pessoas lhe devem a vida. Talvez centenas de milhares? “Possivelmente”, responde. Honjo, nascido na cidade japonesa de Kyoto há 77 anos, ganhou o Prêmio Nobel de Medicina de 2018 pela descoberta de um revolucionário tratamento contra o câncer: a imunoterapia. Um dos primeiros casos de sucesso está gravado em sua mente, o de uma mulher de 60 anos com câncer de ovário. Depois de um ano de tratamento, estava curada.

Em 1992 Honjo identificou uma proteína, a PD-1, que atua como um freio das defesas do organismo. Ao soltar essas rédeas, por meio de um medicamento chamado Nivolumabe, o próprio sistema imunológico ataca com sanha as células tumorais. A estratégia –eficaz em cerca de 25% dos pacientes– foi aprovada em 2014 para alguns tipos de câncer de pele, de pulmão, de rim e de fígado. E as indicações não param de crescer. Existem 2.000 testes clínicos em andamento. As vendas de Nivolumabe ultrapassam os 4,3 bilhões de euros (cerca de 19,2 bilhões de reais) anuais.

O cientista japonês, de passagem por Madri para receber um prêmio da Fundação Fernández-Cruz, se sente enganado. Em 2003 Honjo patenteou seus primeiros resultados junto à farmacêutica japonesa Ono Pharmaceutical, empresa que acabou assinando um acordo com a gigante norte-americana Bristol-Myers Squibb para produzir o Nivolumabe, sob o nome comercial de Opdivo. Um tratamento para uma pessoa pode custar entre 50.000 e 100.000 euros por ano, dependendo do país. Honjo, da Universidade de Kyoto, recebe menos de 1% a título de direitos autorais. Ele quer mais, diz, para doar.

Pergunta. O senhor é otimista. Acredita que chegará o dia em que ninguém morrerá de câncer?

Resposta. Acredito que o câncer poderá ser uma doença crônica algum dia. Você não pode dizer que ninguém morrerá de câncer, porque inclusive hoje ainda temos pessoas morrendo de doenças infecciosas, mas acredito que o câncer não ameaçará nossas vidas.

“Você não pode dizer que ninguém morrerá de câncer, mas acredito que não ameaçará nossas vidas”

P. Na conferência do Nobel o senhor disse que o câncer poderia ser uma doença crônica em 2050.

R. É uma esperança, não tenho garantias, é claro.

P. O que o senhor acha do preço do Opdivo [o medicamento pioneiro em imunoterapia, desenvolvido graças às descobertas de Tasuku Honjo]? Em alguns países ultrapassa os 50.000 euros por paciente.

R. Nós, cientistas, não participamos da determinação do preço dos medicamentos. Depende de cada país, de seu modelo de Estado de bem-estar, então não posso fazer comentários. Obviamente, seria melhor que fosse mais barato, para que todo mundo pudesse se beneficiar. Sempre acontece o mesmo problema com qualquer medicamento. Até a penicilina, quando chegou ao mercado, era muito cara. E depois ficou acessível para qualquer um.

P. O senhor denunciou publicamente que recebe da empresa Ono Pharmaceutical menos de 1% pelos direitos de patente do Opdivo. O senhor foi aos tribunais?

R. Nossos advogados estão negociando.

P. Menos de 1%, sendo o pai da ideia original, não é nada.

R. Nada.

“O âmbito acadêmico é o grupo mais estúpido na hora de gerenciar as questões de patentes”

P. O que o senhor pensa desse sistema de patentes?

R. O âmbito acadêmico é o grupo mais estúpido na hora de gerenciar essas questões. Em condições normais, o processo não deveria ter sido assim. Esperávamos que a empresa fosse honesta e sincera, mas não foi o caso. Os advogados estão negociando e, se não chegarem a um acordo, acho que não teremos escolha a não ser ir aos tribunais.

P. Qual número o senhor considera justo? 5%? 6%?

R. 5% é uma porcentagem usual que todo mundo aceita. Se fosse 5%, eu não colocaria muitos problemas.

P. Estima-se que as vendas do Opdivo possam ultrapassar 10 bilhões de euros por ano. 5% seria muito dinheiro. O que o senhor quer fazer com essas centenas de milhões de euros?

R. Meu plano é colocar esse dinheiro em um fundo da Universidade de Kyoto dedicado a apoiar jovens pesquisadores.

“Até a penicilina, quando chegou ao mercado, era muito cara. E depois ficou acessível para qualquer um”

P. No caso do Opdivo, como é habitual, os resultados de uma pesquisa com dinheiro público, da Universidade de Kyoto, acabaram nas mãos de uma empresa privada. Outros sistemas são possíveis? É possível imaginar uma grande companhia farmacêutica pública?

R. Uma indústria farmacêutica operada pelo Governo? A gestão pública é um desastre, normalmente. Pensemos no sistema ferroviário ou no sistema de correios, ambos muito ineficientes. Não podem competir com o setor privado. Quanto às empresas farmacêuticas, acho melhor ter empresas privadas, mas devem ser muito abertas e sinceras. Têm a responsabilidade de apoiar a assistência à saúde das pessoas. E, é claro, os Governos devem ter regulações especializadas em fortalecer o Estado de bem-estar.

P. Apenas entre 20% e 30% dos pacientes responde à imunoterapia. O que acontece com os outros?

R. Existem duas possibilidades. A primeira é que o tumor não seja bem identificado pelo sistema imunológico. A razão pela qual o sistema imunológico reconhece um tumor é porque o câncer muda com mutações de seu DNA, mas a leucemia, por exemplo, não tem muitas mutações. E a leucemia não responde à imunoterapia. O segundo fator é que cada indivíduo tem uma capacidade de resposta imunológica diferente. Por exemplo, quando você contrai a gripe, pode sentir dor de cabeça e espirrar, mas outras pessoas acabam indo ao hospital. Estamos tentando melhorar a resposta à imunoterapia com uma combinação de medicamentos anti-PD-1 e outras substâncias químicas.

P. O senhor já calculou quantas pessoas salvou a vida?

R. Não tenho os dados, não sei.

P. Mas talvez estejamos falando de centenas de milhares de pessoas.

R. Possivelmente.