criação

Por que você não deve obrigar seu filho a dividir

Ele aprenderá a dar e receber com o próprio desenvolvimento infantil

GETTY

Mais informações

Acontece todos os dias: sempre encontramos numa praça algum adulto incentivando o filho a emprestar os brinquedos. E faz isso com pressa, talvez sobrecarregado, por não saber como agir nem o que dizer, consciente de que o drama acabará chegando de qualquer jeito. Certamente algum desses adultos já se sentiu — em meio às pás, rastelos e baldes da areia dos parquinhos infantis — como um espectador do Coliseu romano. O que muitos de nós não sabemos é que nem todas as crianças estão preparadas, ao mesmo tempo, para compartilhar. Tampouco somos conscientes de que, às vezes, é a nossa própria intervenção que acaba levando a um conflito que talvez não tivesse chegado a tanto. Pode ser que, na verdade, nossa experiência infantil nos parques tenha ficado tão distante que transformamos esses lugares numa maquete na escala do nosso mundo adulto.

“Até os quatro ou cinco anos, as crianças podem não estar preparadas para dividir”, afirma a psicóloga Verónica Pérez Ruano, fundadora do centro de psicologia infantil Raízes, da Espanha. Segundo Pérez Ruano, antes dessa idade as crianças vivem o mundo de uma forma egocêntrica, em que tudo acontece conforme sua vivência e perspectiva. “O Sol sai porque elas se levantam; se querem algo, automaticamente é delas”, explica. “De fato, a palavra ‘meu’ costuma ser uma das preferidas e mais repetidas.” E não há uma fórmula mágica para antecipar o desenvolvimento infantil: assim como acabam andando, falando e pintando, os pequenos também aprenderão a dividir. Segundo Julio Rodríguez, doutor em medicina molecular, psicólogo e autor de Lo Que Dice la Ciencia Sobre Crianza y Educación (o que a ciência diz sobre criação e educação), devemos considerar que as crianças pequenas ainda estão nas primeiras fases do neurodesenvolvimento. “Isso significa que seu cérebro ainda está em evolução, e noções como empatia e habilidades sociais não existem ou são extremamente rudimentares.” Além disso, para a criança é benéfico ser “egoísta” porque, num entorno natural, disso dependerá a sua sobrevivência. “Pensemos nos pintinhos no ninho exigindo comida; é cruel, mas ali nenhum ‘pensa’ em compartilhar, pois sua vida está em jogo”, compara. E completa: quando as interações sociais com outras crianças começam a aumentar, elas acabam dividindo naturalmente.

A pressão por intervir

É impossível não sentir a pressão desses olhos que te observam e se perguntam por que você não faz nada. Dessa avó que te olha e se pergunta como é possível que você não tenha se jogado na areia para obrigar sua filha a emprestar a pazinha ao neto dela, que chora desconsolado pelo tesouro. Ou desse sujeito que não entende por que você não faz alguma coisa por sua filha ao vê-la pedir o tão invejado balde do garotinho ao lado. A vida na praça é frenética. “Costumamos levar o conflito infantil ao plano dos adultos e o transformamos em um problema maior do que é. Em geral, quando uma criança não quer dividir, e sabemos que não está preparada para isso nessa idade, mas ainda assim há outras famílias olhando, sentimos a pressão por intervir”, diz a psicóloga infantil.

Ante situações como as anteriores, Pérez Ruano recomenda que nos perguntemos o que faríamos se não nos importasse o que os demais pensariam de nós como pais e mães. Algo aplicável aos demais assuntos relacionados com a difícil tarefa de criar filhos. “Se duas crianças de menos de quatro anos querem o mesmo brinquedo e só há um, não podemos pretender chegar a acordos de tempo (‘um pouquinho cada um’) ou acordos de justiça (‘você já tem outro’) porque elas não vão entender”, adverte. Normalmente, diz a psicóloga, essas explicações são mais para que os outros adultos que presenciam a cena se sintam bem. Mas se o nosso filho não quer dividir, e sabemos que por sua idade ainda não está preparado, mas já podemos ver a “tragédia” que se anuncia, o melhor a fazer é distrair as crianças antes que estoure o conflito. “Desviar a atenção a outro ponto, introduzir outro brinquedo ou cantar uma música costuma funcionar muito melhor do que explicar a duas crianças de três anos a importância de compartilhar.”

E quando é o nosso filho que pede algo e não deixam? Pérez Ruano responde: quando nosso filho divide seus brinquedos na praça mas ninguém lhe empresta nada, geralmente sentimos um mal-estar como adultos, já que “vemos um desequilíbrio de poder” e pensamos que os outros meninos podem estar se aproveitando dele. No entanto, ela lembra que as crianças nem sequer têm essa vivência. “Estão brincando com outras coisas, assumem que não lhes emprestarão os brinquedos ou simplesmente preferem evitar o conflito. Aqui entra nossa contradição como adultos, que não estamos acostumados a dividir. Não deixamos o carro a um desconhecido, nem nosso celular, nem algo que estamos comendo, mas pedimos que as crianças façam isso com alguém que acabam de conhecer. Ainda assim, queremos que compartilhem, mas não muito, e mandamos mensagens contraditórias de maneira contínua. Temos que saber muito bem o que estamos pedindo a uma criança e se não estamos enviando sinais contraditórios que sejam difíceis de integrar.”

O papel do adulto

O aprendizado de dar e receber vem com o próprio desenvolvimento infantil. Segundo Pérez Ruano, a brincadeira passa por diferentes etapas, e é entre os quatro e os seis anos que aparece o jogo cooperativo ou colaborativo, “em que o interesse das crianças já não passa por brincar sozinhas, como antes, ou por estar perto de outras crianças embora sem cooperar. Agora, elas gostam da companhia das outras, das regras da brincadeira e de ter que se coordenar e entrar em acordo para que todas estejam bem.” Por isso, a psicóloga infantil diz que este é o momento em que podemos começar a trabalhar habilidades como a empatia, o compartilhamento e a cooperação frente à competição.

Certo, mas podemos fazer alguma coisa para favorecer essa aprendizagem? “A melhor maneira de ensinar algo novo é através da imitação. Se em nossa casa dividir é um valor que praticamos de maneira ativa, o mais provável é que as crianças reproduzam isso”, responde Pérez Ruano. De novo, isso se aplica a muitas outras partes da criação e da educação dos filhos. Porque se nós insistimos, de forma reiterada, que eles devem compartilhar e nunca agimos assim, há uma dissonância cognitiva entre o que dizemos e o que fazemos. “Se em casa papai tem seu lugar onde não se pode sentar no jantar, mamãe tem um xampu que não se pode usar e o irmão mais velho tem brinquedos com os quais não se pode brincar, por exemplo, é muito difícil querer que a criança deixe os brinquedos para os amigos na praça ou na escola porque é preciso dividir. Se nós não compartilhamos nossas coisas mais apreciadas, não podemos exigir isso dos pequenos”, diz a especialista. Para favorecer qualquer aprendizado das crianças, portanto, “temos antes que analisar de que maneira concreta nós fazemos isso e se estamos enviando mensagens contraditórias entre o que se deve fazer e o que realmente fazemos como pais.”

Para Julio Rodríguez, nosso papel na educação deve ser o de um guia, não o de um ditador. “Devemos nos transformar num especialista ao qual [as crianças] possam recorrer para que explique as razões do comportamento, das normas, das decisões. E estar presente para resolver dúvidas e apoiá-las em tudo que for necessário. Isso dá trabalho, mas ajuda nossos filhos a construírem a sua personalidade através de uma grande autoestima e uma profunda segurança”, afirma. Segundo Rodríguez, a criança precisa “entender” que emprestar é benéfico, e tem que “entender” quando fazê-lo e em que medida. “A chave está nisso: em entender. Depois a criança decidirá, por si mesma, quando e como fazer. Aí é onde reside a liberdade. Se a obrigamos a fazer algo por autoridade ou medo do castigo, ela fará as coisas como autômata, sem nunca compreender nada. E assim, quando for adulta, será facilmente manipulável, sem capacidade de decisão, sem pensamento crítico e racional. Isso a acabará transformando em uma presa fácil do sistema, em mais uma marionete.”

Quanto à nossa intervenção ante um conflito, Pérez Ruano acredita que sempre é recomendável deixar que as crianças tentem resolver por si mesmas, de maneira autônoma, já que, da nossa perspectiva adulta, sempre é mais difícil interpretar toda a situação. Só seremos necessários se a disputa escalar para a violência, com risco de as crianças se agredirem. “Nesse caso, podemos ajudá-las a gerir o conflito, mas sempre lembrando que é algo entre elas. Nós não temos que dar a resposta correta, e sim facilitar os acordos alcançados pelos próprios meninos.” Para isso, diz a psicóloga, o mais recomendável é não tirar nossas próprias conclusões, mas facilitar um espaço em que as crianças possam se expressar, se escutar, ter seu próprio aprendizado e chegar a um acordo. “Devemos deixar de lado nossa visão adulta, pois os acordos aos quais as crianças podem chegar talvez nos pareçam injustos. Mas se funcionarem para elas e servirem para continuar a brincadeira, não podemos fazer prevalecer nossa vida adulta, exterior e desconectada de sua vivência infantil”, conclui.