TERMÔMETRO ECONÔMICO E SOCIAL DA AMÉRICA

Quando as inundações fazem parte da vida

Pela primeira vez no Brasil, um relatório analisa em detalhes como as inundações afetam renda, vida familiar, saúde, trabalho, estudos e acesso a serviços públicos

MAIS INFORMAÇÕES

O que fazer se, durante uma chuva, a água começar a entrar em casa? Essa pergunta atormenta milhares de pessoas, especialmente nos bairros mais pobres, a cada vez que o céu escurece nas metrópoles da América Latina.

E assim foi em Porto Alegre, em outubro de 2015, quando inundações e alagamentos entraram para a história como o segundo pior desastre relacionado a água ocorrido desde 1941. Cerca de 9.500 pessoas foram impactadas pelos fenômenos, que causaram danos materiais (públicos e privados) de 73 milhões de reais.

A dona de casa Rosimeri Faleiro tinha apenas um objetivo: conseguir que o único filho, com distrofia muscular de Duchenne, fosse resgatado. Matheus — que se locomove em cadeira de rodas elétrica e respira por aparelhos — precisou ser carregado em meio às águas pelo pai e um vizinho até a rua onde a ambulância do SAMU pôde parar. Entrou em coma a caminho do hospital e passou quatro meses internado.

“Minha preocupação era com os equipamentos dele, que são muito caros. Falei para o meu marido: vamos salvar o Matheus; todo o resto a gente recupera depois”, lembra Rosimeri.

Essa é apenas uma das muitas histórias registradas durante a pesquisa Convivendo com as inundações: um estudo para construir resiliência com as comunidades de Porto Alegre, realizada pelo Banco Mundial e a Prefeitura. Pela primeira vez no país, um relatório analisa em detalhes como as inundações e os alagamentos afetam a renda, a vida familiar, a saúde, o trabalho, os estudos e o acesso a serviços públicos.

O trabalho incluiu um levantamento feito em 1.500 domicílios nas regiões do Orçamento Participativo de Humaitá-Navegantes (que conta com cinco bairros) e das Ilhas (quatro áreas habitadas que ajudam a formar o bairro Arquipélago). Ambas têm em comum a vulnerabilidade social e aos desastres causados pelo excesso de água.

Esses foram alguns dados encontrados pela equipe:

  • 57% dos entrevistados tiveram suas casas ou prédios inundados.

  • 56% dos entrevistados não sabiam que a água chegaria à sua moradia.

  • 70% do total dos entrevistados acreditam que provavelmente a sua residência será inundada ou alagada nos próximos 10 anos.

  • Metade das famílias declarando viver com uma renda mensal inferior a 1.000 reais teve que gastar mais de uma vez este valor para se recuperar; desse total, 19% gastaram mais de 5 vezes sua renda mensal.

  • Em um terço (34%) dos domicílios, pelo menos uma pessoa sofreu lesões, doenças, danos físicos ou psicológicos em decorrência do evento.

Os resultados fortalecem algumas noções discutidas em estudos anteriores, como o Relatório de Desenvolvimento Global 2014 e Choques Agregados na América Latina e Caribe. A primeira é a de que os desastres afetam desproporcionalmente os mais pobres, pois muitas vezes eles não têm informações suficientes para se prevenir, moradias seguras nem condições de se recuperar. A segunda é de que inundações e outros fenômenos podem levar à extrema pobreza: isso ocorre com 26 milhões de pessoas em todo o mundo a cada ano, segundo o Banco Mundial.

Ainda de acordo com a instituição, que realizou análise baseada em dados de 117 países, as perdas médias de bem-estar devido a inundações, tempestades, terremotos e maremotos totalizam 520 bilhões de dólares por ano, valor 60% maior que o causado por perdas econômicas.

Esses dados se tornam ainda mais preocupantes quando se leva em conta que a incidência de fenômenos causadores de desastres triplicou na América Latina e no mundo entre 1970 e 2014, e deve continuar aumentando com as mudanças climáticas.

Da prevenção à recuperação

O relatório traz recomendações com o objetivo de amenizar os impactos sociais de futuros desastres em Porto Alegre. Entre elas:

  • Implementar uma legislação municipal específica para a gestão de riscos de desastres, com enfoque na prevenção.

  • Reforçar a atuação da Defesa Civil.

  • Adequar a capacidade de drenagem.

  • Aperfeiçoar o sistema de previsão, monitoramento e alerta.

Para continuar as discussões iniciadas no âmbito do estudo e implementar soluções — que passam por prevenção, resposta pós-desastre e recuperação de longo prazo —, formou-se em Porto Alegre o Grupo de Ação sobre Inundações e Alagamentos (GAIA), que une membros da Prefeitura e moradores das áreas impactadas.

A cogerente do estudo Pauline Cazaubon festeja esse avanço: “Em países em desenvolvimento, como o Brasil, o trabalho de gestão de riscos de desastres ainda se concentra na fase de resposta pós-desastre. É importante investir mais em prevenção e recuperação de longo prazo porque está comprovado que isso traz melhores resultados”. E isso requer não apenas recursos, mas também boas políticas públicas e diálogo intenso entre governo e cidadãos.

Mariana Kaipper Ceratti é produtora online do Banco Mundial

Arquivado Em: