NASA detecta pela primeira vez um possível terremoto em Marte

Os cientistas ainda estão examinando os dados obtidos para tentar elucidar a causa exata do sinal

Vídeo do possível terremoto

A NASA anunciou que o módulo espacial InSight, que pousou em Marte em novembro, detectou pela primeira vez indícios do primeiro "aparente" terremoto registrado no planeta vermelho. O "fraco sinal sísmico" foi captado pelo sismógrafo da sonda, o 'Seismic Experiment for Interior Structure', em 6 de abril, depois de “128 dias marcianos”, informou a NASA em um comunicado.

"Este é o primeiro tremor registrado que parece vir do interior do planeta, comparado a outros causados por forças que estão em sua superfície, como o vento", acrescenta a nota. Os cientistas ainda estão examinando os dados obtidos para tentar elucidar "a causa exata" do sinal.

Mais informações

O sismógrafo instalado na InSight foi colocado sobre a superfície de Marte em 19 de dezembro e, desde então, reconheceu três outros tremores, mas "menores" e "de origem ainda mais ambígua" que o detectado em 6 de abril. "Até agora, vínhamos recolhendo sons de fundo, mas este é oficialmente um primeiro passo em um novo campo: a sismologia marciana”, festejou o principal pesquisador do projeto InSight, Bruce Banerdt, citado no comunicado.

Brandt comparou esta pesquisa com a realizada pelos astronautas das missões Apollo, que relataram milhares de tremores na lua entre 1969 e 1977. A InSight pousou em 26 de novembro em uma zona plana de Marte conhecida como Elysium Planitia, uma área considerada por especialistas como relativamente segura para uma aterrissagem sem incidentes.

Ao contrário de outras missões da NASA, que envolviam robôs que se moviam em Marte, este módulo espacial realiza sua missão a partir de um ponto fixo. O objetivo deste projeto – que deve durar dois anos – é estudar especificamente o interior e a composição do planeta vermelho.

Para alcançar "o coração" de Marte, a InSight possui, entre outros instrumentos, um sismógrafo e uma sonda que podem medir a atividade interna e a temperatura do planeta, respectivamente.