E se imprimissem dinheiro para algo mais do que salvar bancos? A teoria ganha adeptos

A deputada Ocasio-Cortez torna viral uma tese que põe em xeque a ortodoxia dos últimos 40 anos

Mural com a imagem de Alexandria Ocasio-Cortez em Nova York.
Mural com a imagem de Alexandria Ocasio-Cortez em Nova York.A. Lichtenstein

MAIS INFORMAÇÕES

Em 26 de março, o Green New Deal, uma proposta da deputada democrata Alexandria Ocasio-Cortez para combater as mudanças climáticas e os efeitos da crise financeira, foi debatida no Senado dos Estados Unidos. A nova-iorquina defende, seguindo o modelo promovido pelo presidente Franklin Delano Roosevelt após a Grande Depressão, um conjunto de programas sociais e econômicos para mudar radicalmente o modelo de crescimento no sentido de uma economia energeticamente eficiente e sustentável e um sistema básico e universal de saúde. Um dos vídeos da intervenção de Ocasio-Cortez teve 14 milhões de visualizações apenas nos dois dias após o debate.

Nesse vídeo, Ocasio-Cortez argumenta que a forma de financiar estes planos de investimento deve ser a dívida pública e que, quanto ao temor de republicanos e liberais, isso não irá gerar desequilíbrios na economia. Ela mencionou uma tese subjacente a esta abordagem: a Teoria Monetária Moderna (MMT, por sua sigla em Inglês), segundo a qual um país com a sua própria moeda, como os Estados Unidos, não precisa se preocupar em acumular muita dívida, porque pode sempre imprimir dinheiro para lidar com os prazos e nunca suspender pagamentos.

"Isso significa, para começar, romper o princípio geralmente assumido da independência do banco central", ataca Juan Ramón Rallo, professor de Economia na IE Business School, entre outras instituições. "O único limite para o aumento dos gastos deve ser a inflação e isso implica que o aumento das despesas e dos investimentos ocorra num setor que não tenha alcançado o pleno emprego e a capacidade de produção", diz Randall Wray, professor do Instituto Levy de Economia da Universidade Bard, de Nova York, e um dos principais defensores da MMT.

"A Teoria Monetária Moderna tem de fazer parte de nossos debates", defendeu a jovem congressista democrata, diante das dúvidas suscitadas por seu plano. Não é de surpreender que a MMT represente uma mudança do paradigma econômico que rege os desígnios da economia ocidental há mais de 40 anos, que prima pela redução dos déficits públicos como forma de manter as taxas de juro baixas. E também rompe com a ortodoxia liberal, argumentando que os impostos ajudam a reduzir a desigualdade, mas não devem ser a principal forma de financiar os gastos públicos, e que o aumento ou redução de impostos devem ser adotados, por sua vez, para controlar a inflação e, assim, drenar dinheiro de consumidores e empresas para evitar que o gasto total na economia dispare.

Os críticos da MMT procedem tanto do liberalismo como da esquerda econômica, incluindo Larry Summers, ex-secretário do Tesouro, e o Prêmio Nobel de Economia Paul Krugman, que defendem uma abordagem mais moderada dos déficits públicos. "A capacidade de endividamento não é ilimitada e, no momento em que sua credibilidade é questionada, o custo dos seus títulos sobe e a sua moeda perde valor", diz o liberal Rallo. De fato, não faz muito tempo, em 1976, o Reino Unido teve que recorrer ao Fundo Monetário Internacional para ajudar a estabilizar a libra.

O primeiro texto acadêmico sobre a MMT foi publicado em fevereiro passado sob o título Macroeconomics, um volume de 573 páginas escritas por William Mitchell, professor da Universidade de Newcastle, Austrália; Martin Watts, professor emérito da mesma universidade, e Wray.

Apesar da ruptura evidenciada em algumas das abordagens desses economistas, o fato é que a crise financeira e a resposta das autoridades econômicas mundiais para a Grande Recessão lançaram por terra alguns dos princípios que pareciam sagrados do capitalismo nas últimas décadas. Dez anos após o início da crise, os bancos centrais não conseguem retirar os enormes estímulos injetados no sistema, o que mostra uma quebra no funcionamento do mercado.

Essa enorme liquidez serviu para alavancar os mercados acionários e baratear o financiamento das grandes empresas, mas não se transferiu, a não ser tangencialmente, para a economia real, o que explica, em parte, o crescimento da desigualdade nesses anos. "A esta altura, devemos nos perguntar por que não destinar esse financiamento a uma mudança no modelo produtivo ou outros tipos de ativos", admitiram fontes financeiras internacionais.

Seus grandes detratores dizem que a MMT "não é teoria nem é monetária nem moderna", mas a verdade é que as suas propostas deixaram de ficar restritas a algumas faculdades e blogs econômicos e estão suscitando um debate público entre acadêmicos e políticos que de modo algum pode ser dado como concluído. Outra de suas defensoras, Stephanie Kelton, uma economista da Universidade de Stony Brook e assessora do democrata Bernie Sanders na campanha das eleições presidenciais em 2016, costuma terminar assim seus discursos em defesa da MMT: "Primeiro te ignoram, depois riem de você, depois te contestam. É aí que você os derrota".

Arquivado Em: