ALEJANDRO WERNER | DIRETOR DO DEPARTAMENTO DO HEMISFÉRIO OCIDENTAL DO FMI

“O debate de políticas públicas na América Latina continua girando em torno de temas dos anos oitenta”

Responsável pelas Américas na instituição acredita em recuperação da economia brasileira com agenda econômica de Bolsonaro

Alejandro Werner, depois da entrevista.
Alejandro Werner, depois da entrevista.Jonás Cortés

O nome de Alejandro Werner, diretor do Fundo Monetário Internacional (FMI) para as Américas, soa com força toda vez que algum cargo de alto escalão fica vago no México. A última vez foi há pouco mais de um ano, com a saída de Agustín Carstens do Banco Central, quando muitos apontaram seu nome entre os favoritos a sucedê-lo. Os bolões de aposta, porém, já começam truncados: a lei impede que um mexicano não nato chefie o órgão (Werner nasceu na Argentina). Um dos economistas mais respeitados do México, ele concedeu a entrevista abaixo durante visita à redação do EL PAÍS no México, dias depois de apresentar o novo quadro de previsões do FMI para a América Latina.

Pergunta. A região crescerá menos que o previsto em 2019. Por quê?

Resposta. Não há um fator exclusivo que explique a revisão para baixo. Talvez tenham sido otimistas esperando uma aceleração, mas o importante é que a recuperação do Brasil continua depois da crise de 2015 e 2016, com uma boa recepção da agenda econômica de Bolsonaro. E que a Argentina voltará a crescer a partir de março. O panorama é favorável para a maioria de países, mas os riscos de redução do crescimento mundial são importantes, e a China, um país crucial para a América Latina, sofreu uma desaceleração muito forte. Aí pode haver um risco.

P. O FMI tornou a pecar por excesso de otimismo.

R. O início de 2018 foi muito bom, mas a sincronização do crescimento mundial foi se rompendo com fenômenos que não esperávamos, como a desaceleração chinesa, as questões políticas na Europa e as tensões comerciais. Quando as economias crescem, imagina-se que a velocidade dessa recuperação irá continuar igual no futuro. Como nossos prognósticos são feitos com modelos que reúnem duas décadas de dados econômicos, assumem implicitamente, por exemplo, que as tensões comerciais se dissiparão.

P. Espera que as nuvens carregadas no cenário comercial se desfaçam nos próximos meses?

R. Tanto por parte dos Estados Unidos quanto da China há interesse em que este processo não tenha um grande impacto. Não convém a ninguém, e menos ainda aos EUA, que logo entrarão em um período eleitoral. Haverá momentos de tensão, mas, como na negociação do Tratado de Livre Comércio da América do Norte (NAFTA), acreditamos que se acabará chegando a um equilíbrio.

P. De que maneira o nervosismo em torno da relação comercial entre Washington e Pequim afeta a América Latina?

R. Por um lado é favorável: na medida em que as tensões no setor agropecuário se intensifiquem, a região – e sobretudo a América do Sul – poderá vender mais tanto para os EUA quanto para a China. E o mesmo em manufaturas, com o México e Brasil como principais beneficiados. Mas estes efeitos são relativamente pequenos, e se a economia global for prejudicada, isso mais do que contrabalança a parte positiva. A América Latina está menos frágil que outras regiões, como o Sudeste Asiático, mas sua vulnerabilidade também é importante. Nenhuma autoridade regional deseja que se intensifiquem as tensões comerciais entre os EUA e a China.

P. A América Latina continua crescendo menos que os demais países emergentes. Por quê?

R. Ela tem dois grandes problemas: investimento baixo e produtividade baixa. Por trás deles há uma salada de fatores que vai da incerteza jurídica, da insegurança e das estruturas que desestimulam o crescimento das empresas até a educação. A cobertura educacional aumentou muito, mas em termos de qualidade continua muito distante do Sudeste Asiático e da Europa Oriental. E para o que virá nos próximos 20 anos – automação, inteligência artificial... – será necessária uma força de trabalho mais preparada e mais ágil. Estamos muito atrasados.

P. O debate das políticas públicas evoluiu na América Latina?

R. Pouco. Continua girando em torno de temas dos anos oitenta: reformas previdenciárias, educacionais… Em parte porque, infelizmente, são problemas sem resolver. Mas os países emergentes de vanguarda estão falando de como estimular a adoção de tecnologias, como adaptar a regulação trabalhista e fiscal às novas modalidades de trabalho ou como vincular as universidades às empresas. São temas que precisam estar na pauta; se não, a América Latina vai estar em total desvantagem.

P. Você não cita a desigualdade como um dos fatores que freiam o crescimento. Por quê?

R. É um tema importante. Uma melhor distribuição de renda leva a ter uma mão de obra mais bem educada, a que as políticas públicas sejam sustentáveis e aceitáveis para a sociedade, a ter mercados internos mais potentes. A América Latina não está na situação em que, segundo algumas teorias, os países têm que tolerar uma piora da desigualdade em certos períodos de crescimento. É um tema que, por si só, precisa ser incorporado como um dos objetivos prioritários da política pública. Perseguir simultaneamente o objetivo de crescimento e o de diminuição da desigualdade não é contraditório: pelo contrário, ambos se retroalimentam.

P. Sente falta de um olhar mais social por parte das elites econômicas latino-americanas, sobretudo no aspecto fiscal?

R. Deve haver um consenso em torno da ideia de que o Estado precisa ter uma maior cobertura e que é necessário reacomodar o sistema tributário para um esquema mais justo, sobretudo nos países com cargas tributárias baixas. Mas nem tudo deve ir pelo lado fiscal: também é preciso solucionar o problema de poder do mercado e a ausência de concorrência. Os oligopólios inibem a inovação e o investimento e são uma carga para toda a sociedade, que tem que pagar preços muito altos.

P. Qual é a sua opinião sobre os rumos econômicos do novo Governo mexicano?

R. Vimos a aplicação de uma política econômica muito alinhada com anos anteriores, mas o atraso ou o freio em reformas estruturais que nós [FMI] consideramos apropriadas e que abririam a porta aos investimentos gera preocupação. Pelo lado macroeconômico mandaram um sinal de bom manejo fiscal e monetário que tranquiliza os mercados. O foco está agora na política energética, educativa e de infraestrutura. Será importante que o Governo comunique suas políticas de maneira apropriada.

P. O que aguarda a Argentina em 2019 após cair novamente em recessão?

R. Sua estratégia gradualista para corrigir os equilíbrios macroeconômicos necessitava de um nível de financiamento muito elevado e, ao começarem a se endurecer as condições nos mercados internacionais, na primeira metade de 2018, a Argentina sofreu. Agora precisa acelerar o passo nos aspectos fiscal e no monetário. Vamos começar a ver crescimento a partir do segundo trimestre e um queda da inflação, mas é um caminho longo e difícil.

P. Vê-se a luz no final do túnel venezuelano?

R. No dia em que houver na Venezuela um Governo que foque em corrigir uma das debacles econômicas mais trágicas do mundo nos últimos 50 anos, claramente haverá luz no fim do túnel. O que vemos é um descontrole total no desenho das políticas públicas e um foco unicamente em chegar ao próximo mês com as divisas suficientes para comprar produtos de consumo básico. A economia se contraiu em mais de 50%, sem uma guerra ou um desastre natural. É uma crise humanitária mais do que econômica e, embora seja complexo, tem solução se o próximo Governo deixar que a ajuda humanitária flua e fizer mudanças que permitam reestruturar a economia. É um desafio enorme, mas, como vimos em outros países, é factível.

Arquivado Em: