Seleccione Edição
Login

A amarga vida das filhas de Marx

Marx
Karl Marx (direita) e Friedrich Engels, com as filhas do primeiro. Da esquerda para a direita, Jenny, Laura e Eleanor.

Jenny morreu jovem. Laura e Eleanor se suicidaram. Viveram à sombra dos homens, sem dúvida no século errado

Era uma vez três irmãs, as únicas que atingiram a idade adulta das sete crianças que seus pais tiveram. Eram três irmãs, Jenny, Laura e Eleanor. A primeira morreu de câncer aos 38 anos, as outras duas cometeram suicídio. Laura, com seu marido, Paul Lafargue, um dos introdutores do marxismo na Espanha e autor do famoso O Direito à Preguiça. O casal chegou à conclusão de que a vida não valia a pena a partir da idade em que a pessoa não pode desfrutar dos prazeres da existência e se torna um fardo para os outros.

A mais nova, Eleanor, se envenenou aos 43, talvez enojada e desanimada com os enganos de seu companheiro, o socialista Edward Aveling, de que cuidara durante uma longa doença, embora soubesse de suas infidelidades. Aparentemente, ela não pôde suportar a descoberta de que Aveling se casara secretamente com uma amante.

Todos elas passaram por fases de autêntica miséria – não apenas na infância – e de perseguição política. As três se casaram ou viveram com ativistas de esquerda. Mas o interesse por essas três irmãs não se deve somente ou principalmente às suas vicissitudes pessoais, mas a sua contribuição para o desenvolvimento do movimento operário e a seu trabalho intelectual.

Um detalhe revelador sobre Jenny: quando fez 13 anos, sua irmã Laura lhe deu um diário e, em vez de dedicá-lo a criancices, começou a escrever um ensaio sobre a história da Grécia. Em 1870, publicou vários artigos sobre o tratamento dado aos presos políticos irlandeses, outro sobre os abusos da polícia francesa quando foi presa com sua irmã Eleanor. Ela também era secretária do pai na Associação Internacional dos Trabalhadores.

Laura teve uma vida particularmente difícil, passando por fases de depressão, talvez por causa da morte prematura de seus três filhos. Oprimida pela pobreza, trabalhou como professora de línguas e acompanhou o marido em vários países, fugindo da polícia e colaborando com movimentos socialistas. Essa mulher, que tinha ajudado o pai com pesquisas para ele, escreveu artigos políticos (sobre o socialismo na França, por exemplo), mas não chegou a ter uma obra notável, ficando sempre à sombra de dois homens: o pai e o marido.

Eleanor, que queria ser atriz, foi a mais intelectual das três: escreveu inúmeros artigos, alguns de interpretação da obra de seu pai, outros sobre diferentes questões de importância política e social: um dos mais interessante é o que escreveu sobre a situação das mulheres tiranizadas pelo capitalismo e pelos homens. Considerava que a chegada do socialismo as tornaria livres e iguais aos homens. Poliglota, foi uma dura crítica do colonialismo e defensora fervorosa da escolaridade obrigatória.

As três, filhas de Karl Marx e Jenny von Westphalen, sentiam adoração pelo pai. A mãe, como elas, ficaria na obscuridade e relegada a um mundo de homens. O socialismo e o feminismo estavam longe de serem equivalentes.

Agora que se aproxima o final das comemorações do bicentenário do nascimento de Karl Marx (com magníficas exposições em sua cidade natal, Tréveris, com conferências e celebrações em sua homenagem), é um bom momento para lembrar destas três irmãs, que, em uma época mais igualitária teriam se destacado na vida política e intelectual de qualquer país e não seriam citadas quase exclusivamente como apêndices dos homens que estiveram por perto delas.

MAIS INFORMAÇÕES