Trumpismo e Bolsonarismo: semelhanças alarmantes

Observando a trajetória política recente dos Estados Unidos e do Brasil, percebe-se semelhanças e diferenças entre os fenômenos do ‘Trumpismo’ e do ‘Bolsonarismo’. O que mais preocupa são certas semelhanças que não parecem mera coincidência.

Ato Pró-Bolsonaro em São Paulo.
Ato Pró-Bolsonaro em São Paulo.Andre Penner (AP)

MAIS INFORMAÇÕES

Nos dois casos, políticos de extrema direita têm explorado oportunistamente, para fins eleitorais, expectativas frustradas de milhões de pessoas em situações crescentes de vulnerabilidade social e econômica. Nos EUA, o ‘sonho americano’ tem se tornado cada vez mais distante para a maioria da população, num contexto de efeitos perversos de um capitalismo cada vez mais globalizado, associado a políticas neoliberais promovidas tanto por governos democratas como republicanos.Apesar de importantes avanços do governo de Barack Obama, a campanha da Hillary sofreu com a herança de políticas neoliberais como a NAFTA, lançada no governo do marido, que acirraram desigualdades sociais e econômicas. Para piorar a situação, quando candidata, deu relativamente pouca atenção para o eleitorado em lugares como Michigan, que tem sofrido com os efeitos de desindustrialização de um antigo polo da indústria automobilística, com agravamento do desemprego e baixos salários; as ligações dos Clinton com Wall Street tampouco ajudaram a combater a pecha de elite política do ‘establishment’ de Washington. Nessas condições, abriu-se espaço para manobras de um bilionário populista de direita se caracterizar, como campeão de trabalhadores ‘esquecidos’ pelo partido democrata.

No Brasil, uma grave crise econômica e os mega-escândalos de corrupção revelados pela Operação Lava Jato, envolvendo partidos tradicionais como o PMDB, PSDB e PT, geraram uma revolta generalizada com a classe política por parte dos eleitores, inclusive pobres, prejudicando não apenas a candidatura de Fernando Haddad, mas de outras pessoas com perfil de centro-esquerda que tiveram vínculos no passado com o PT, como Ciro Gomes e Marina Silva. Como nos Estados Unidos, uma candidatura da extrema direita no Brasil soube explorar espaços abertos pelo crescimento de desigualdades e erros cometidos por partidos tradicionais da social democracia.

Uma tática comum entre o Trumpismo e o Bolsonarismo é a pregação da nostalgia por um passado idealizado que o candidato ‘herói’ promete trazer milagrosamente de volta. A campanha do Trump adotou como lema ‘Make America Great Again’ desconsiderando alguns detalhes da história norte-americana, como o genocídio de povos indígenas, a escravidão e os longos períodos de discriminação contra mulheres, negros, e migrantes. Por sua vez, o ‘mito’ Bolsonaro revela uma nostalgia pelos anos de chumbo, inclusive as práticas de tortura, que marcaram a ditadura militar no Brasil.

Um pilar das estratégias do Trumpismo e do Bolsonarismo tem sido o incentivo ao medo, à raiva e ao ódio, com apologias à violência, escolhendo indivíduos e grupos minoritários para serem transformados em inimigos e culpados por todo mal que aflige a sociedade. Para o Trumpismo, os alvos prediletos têm incluído, entre outros, populações de novos migrantes -- caracterizando mexicanos como ‘estupradores’ e mulçumanos como ‘terroristas’ -- negros e, claro, adversários do partido democrata, especialmente lideranças como Hillary Clinton e Barack Obama. (Enquanto isso, Trump surfa uma onda econômica positiva, iniciada no governo Obama, dando todo crédito para si). Para o Bolsonarismo, a extensa lista de inimigos da nação inclui, além de petistas e supostos ‘comunistas’, os povos indígenas, quilombolas, movimento LGBT, ambientalistas, movimentos sociais como o MST, defensores dos direitos humanos e ‘ativistas’ em geral, IBAMA, ICMBio e por aí vai. Observando o Trumpismo e o Bolsonarismo, destacam-se também comportamentos sexistas, propagando desrespeito e a violência contra mulheres.

Outra semelhança marcante entre o Trumpismo e Bolsonarismo é o antagonismo dirigido a veículos da grande imprensa que assumem posturas independentes, como o CNN, New York Times e Folha de São Paulo. Acusações raivosas de ‘fake news’ aparecem quando notícias são veiculadas que revelam verdades inconvenientes, contrariando interesses político-eleitorais. Enquanto isso, informações distorcidas e falsas, apelando para o medo, o preconceito e a raiva contra adversários são disseminadas em massa via as mídias sociais.

Um resultado direto dos ataques à imprensa e da incitação ao ódio contra ‘inimigos’ é a escalada da violência que rapidamente foge do controle, conforme demonstrado pela violência na marcha de neo-nazistas em Charlottesville (Virginia) no ano passado, e essa semana nos EUA, pelo envio por um terrorista doméstico de uma série de cartas bomba a inimigos prediletos do Trump: CNN, as famílias Clinton e Obama, o ex-presidente Joe Biden, a deputada federal democrata Maxine Waters, o ator Robert DeNiro e o bilionário investidor e filantropista George Soros, entre outros.

No Brasil, já começaram a aparecer atos graves de violência praticados por correligionários do Bolsonaro, como a morte do mestre capoeira Moa do Katendê, assassinado a facadas por um partidário do capitão reformado. Enquanto isso, surgem ameaças à imprensa brasileira, como no caso da Folha de São Paulo. Após a publicação de matéria sobre a contratação milionária, por empresários ligados ao Bolsonarismo, de serviços para a divulgação em massa, via o aplicativo whatsapp de notícias falsas sobre a candidatura do Haddad - o veículo fez um pedido de proteção policial para seus jornalistas.

Outra semelhança entre os dois é o cortejo de igrejas evangélicas conservadoras com discursos moralistas sobre temas como a proibição do aborto e do casamento gay, enquanto se acena com vantagens econômicas para as igrejas e seus líderes (quase sempre homens brancos).

Muitas das táticas adotadas pelo Trumpismo e Bolsonarismo - que parecem inspiradas no ‘playbook’ de Joseph Goebbels, ministro de propaganda dos nazistas entre 1933 e 1945 - ficam mais compreensíveis quando são considerados os interesses econômicos com os quais se mantém fortes vínculos. No caso do Trump, destaca-se a influência das industrias do petróleo e do carvão. No caso do Bolsonario, fica evidente a forte influência da bancada ruralista. Nos dois casos, trata-se de interesses imediatistas de grupos poderosos, pautados na apropriação privada de territórios, tipicamente bens públicos, para fins de exploração se seus recursos naturais, desconsiderando danos socioambientais que recaem sobre as populações locais (como povos indígenas, quilombolas e agricultores familiares) e a sociedade em geral.

Os marqueteiros de Trump e Bolsonaro têm investido muito na criação de imagens de um político estadista ‘novo’ e diferente. Isso contrasta com os modelos ultrapassados de desenvolvimentismo promovidos na prática, pautados na exploração predatória de recursos naturais, sem inovação tecnológica e de baixo valor agregado, a exemplo da exportação de commodities como a soja. Desconsidera-se os desafios colocados pelas mudanças climáticas, pelos objetivos de desenvolvimento sustentável da ONU para 2030, assim como as oportunidades que o Brasil possui, com sua enorme diversidade cultural e biológica, e seu potencial criativo de gerar renda com empregos de qualidade, associadas a uma nova economia do século 21, pautada na inovação tecnológica, no respeito à diversidade cultural e na sustentabilidade ambiental.

Quando Trump conseguiu levar a eleição presidencial dos EUA em 2016 (perdendo para Hillary Clinton no voto popular, mas ganhando por pouco no arcaico colégio eleitoral), muitos questionaram até que ponto a retórica de extrema direita da campanha seria colocada em prática. Alguns apostaram que uma vez empossado, Trump poderia adotar uma espécie de pragmatismo moderado. O que tem acontecido ao longo dos últimos dois anos, é exatamente o contrário. Verifica-se, na prática, um ataque generalizado e sistemático do Trumpismo às instituições democráticas, inclusive programas sociais de seguridade social, saúde e educação pública. O tratamento de migrantes (inclusive brasileiros), além das práticas de demonização, traz requintes de crueldade, como no caso de detenção e separação de crianças pequenas de seus pais.

Sem pudor, o governo Trump está investindo em destruir o programa de energias renováveis de baixo carbono da era Obama, enquanto propõe incentivos à indústria de carvão e petróleo, sem um mínimo de cuidados ambientais. Além disso, tem procurado desmontar sistematicamente políticas de proteção da qualidade da água e do ar, conquistas históricas que datam dos anos setenta. O governo Trump está determinado a reduzir, o máximo possível, áreas de patrimônio natural e proteção ambiental, como o Monumento Nacional Bear Ears no estado de Utuah (criado pelo Obama e reduzido em 85%), para permitir a exploração do petróleo e o ‘fracking’. Seu indicado para presidir a agência federal de proteção ambiental (EPA), Scott Pruitt, tomou posse com a missão de inviabilizar seu funcionamento. Para completar, Trump anunciou a intenção de abandonar do Acordo de Paris, o que constitui um risco de dimensões planetárias.

Sem escrúpulos, Trump tem utilizado a máquina do Estado para favorecer seus interesses privados, especialmente negócios imobiliários, chegando a prejudicar a política externa dos EUA em casos como Rússia e Arábia Saudita. Enquanto isso, com pleno aval do presidente, o partido republicano tem intensificado os esforços para impedir o direito a voto, sobretudo entre pobres e negros, e para redesenhar distritos de votação para seu autofavorecimento (prática conhecida como ‘gerrymandering’) como forma de se consolidar no poder.

No entanto, o que parece a face mais perversa do narcisista Trump é a incitação ao preconceito, ao ódio e à violência, sempre seguindo uma lógica de ganhos com sua ‘base eleitoral’.

Felizmente, existem importantes exemplos de resistência de instituições democráticas, da ação da cidadania (com forte protagonismo das mulheres) e de governos estaduais e municipais nos EUA. Espera-se uma reviravolta no controle do Congresso pelos democratas, a partir das eleições de 06 de novembro. No entanto, persiste uma sensação de fragilidade da democracia, que precisa de vigilância a toda hora.

Voltando ao Bolsonarismo, tenho ouvido algumas hipóteses e muitas dúvidas sobre o que pode vir a acontecer, caso confirme o resultado mais provável do segundo turno, conforme as pesquisas de opinião pública. Até que ponto o Bolsonaro vai respeitar a Constituição Federal e as instituições democráticas? Vai criminalizar movimentos sociais e ambientalistas, ao ponto de tratá-los como terroristas? Até que ponto vai continuar incitando o preconceito e o ódio contra negros, mulheres, indígenas e outros ‘inimigos’? Vão se concretizar os planos de descaracterizar a política ambiental, inclusive a fusão dos ministérios do meio ambiente e da agricultura, sob o comando da bancada ruralista? Vai tentar tirar o Brasil do Acordo de Paris, seguindo o exemplo do Trump, o que seria um tremendo tiro no pé para a economia e o prestígio internacional do país?

Mirando-se no caso de Trump, que o Bolsonaro considera um ‘excelente presidente’, é difícil enxergar motivos para otimismo em relação a essas perguntas, a não ser a capacidade de resistência do povo brasileiro.

Melhor é não cair do precipício. Que a experiência do Trumpismo nos EUA possa servir de alerta aos brasileiros para os perigos que corre a sua jovem democracia, para que ela receba os cuidados que merece, e que Brasil possa trilhar seu próprio caminho, com sabedoria, solidariedade e alegria, antes que seja tarde.

*Brent Millikan é geógrafo e Diretor da International Rivers

O que aconteceu depois que Trump foi eleito?

Alguns apostaram que uma vez empossado, Trump poderia adotar uma espécie de pragmatismo moderado.... O que tem acontecido, ao longo dos últimos dois anos, é exatamente o contrário. Verifica-se, na prática, um ataque generalizado e sistemático do Trumpismo às instituições democráticas. Mirando-se no caso de Trump, que o Bolsonaro considera um 'excelente presidente'... é difícil enxergar motivos para otimismo, caso confirme o resultado mais provável do segundo turno conforme as pesquisas de opinião pública ... a não ser a capacidade de resistência do povo brasileiro. Melhor é não cair do precipício.

Arquivado Em: