Aquecimento global

O período 2018-2022 será duas vezes mais quente que o recorde atual de temperaturas

Uma anomalia climática duplicará o efeito do aquecimento globlal, segundo um novo método estatístico

Uma mulher e uma criança protegem-se do sol, em Madri.
Uma mulher e uma criança protegem-se do sol, em Madri.FERNANDO ALVARADO / EFE

Apenas duas semanas após um relatório internacional ter confirmado que 2016, 2017 e 2015 foram, nessa ordem, os três anos mais quentes desde que os registros começaram em 1880, uma equipe de cientistas advertiu que o período 2018-2022 poderia ser ainda mais quente do que o esperado por causa do aquecimento global, devido à variabilidade natural do clima.

A mudança climática desencadeada pela atividade humana já provocou um aumento de um grau na temperatura do planeta no século passado —"uma média de 0,01 grau a cada ano"—, segundo o climatologista francês Florian Sévellec. Sua pesquisa prevê um aumento natural de 0,02 grau na temperatura atmosférica em 2018, um aumento de 0,03 grau entre 2018 e 2019 e, finalmente, um aumento de 0,01 grau em todo o período 2018-2022. A esse efeito da variabilidade natural, devemos adicionar o impacto da mudança climática causada por seres humanos.

Mais informações

"Além da tendência de longo prazo para o aquecimento global, sugerimos que a variabilidade natural nos colocará em uma anomalia de calor, com o dobro do efeito da mudança climática em si", adverte Sévellec no Centro Nacional de Pesquisa Científica. O climatologista e seu colega Sybren Drijfhout, da Universidade de Southampton (Reino Unido), desenvolveram um novo método estatístico capaz de prever, retrospectivamente, o comportamento do clima durante o século XX. Seu modelo é publicado hoje na respeitada revista científica Nature Communications.

Descontar a variabilidade natural é fundamental para analisar o efeito das emissões humanas de gases de efeito estufa. O ano de 2016, por exemplo, foi o mais quente desde 1880 devido ao impacto do El Niño, um fenômeno cíclico natural ligado ao aumento das temperaturas na parte leste do Pacífico tropical. Sem o El Niño, o ano mais quente seria 2017.

Sévellec reconhece as limitações da sua abordagem estatística. "Com este método não podemos detectar diferenças regionais. Não sabemos onde ocorrerá o aquecimento previsto ou em que estação do ano", admite. O cenário mais pessimista das Nações Unidas prevê um aumento da temperatura de até seis graus no verão de 2100 na região do Mediterrâneo, se as emissões não forem cortadas. O ano de 2017 bateu o recorde de maior emissão CO2 dos últimos 800.000 anos.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete