_
_
_
_

Elizabeth Holmes, a grande promessa do Vale do Silício, pode ser condenada a 20 anos de prisão por fraude

Fundadora da Theranos enganou investidores, médicos e pacientes com seu método de análise sanguínea

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo

¿Quieres añadir otro usuario a tu suscripción?

Si continúas leyendo en este dispositivo, no se podrá leer en el otro.

¿Por qué estás viendo esto?

Flecha

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo y solo puedes acceder a EL PAÍS desde un dispositivo a la vez.

Si quieres compartir tu cuenta, cambia tu suscripción a la modalidad Premium, así podrás añadir otro usuario. Cada uno accederá con su propia cuenta de email, lo que os permitirá personalizar vuestra experiencia en EL PAÍS.

En el caso de no saber quién está usando tu cuenta, te recomendamos cambiar tu contraseña aquí.

Si decides continuar compartiendo tu cuenta, este mensaje se mostrará en tu dispositivo y en el de la otra persona que está usando tu cuenta de forma indefinida, afectando a tu experiencia de lectura. Puedes consultar aquí los términos y condiciones de la suscripción digital.

Elizabeth Holmes, fundadora da Theranos.
Elizabeth Holmes, fundadora da Theranos.Jeff Chiu (AP)
Mais informações
Tchau, Rockefeller, olá, Zuckerberg: nos EUA os mais ricos já não são os mais influentes
Wozniak: “Não criamos a Apple numa garagem. É uma história inventada”

O escândalo na Theranos ganha uma nova dimensão, que pode acabar colocando sua fundadora atrás das grades por 20 anos. É a pena máxima pelas nove acusações de fraude e duas por conspiração apresentadas pelo Departamento de Justiça contra Elizabeth Holmes. O processo vem a público três meses depois do regulador financeiro denunciar que a empresária criou uma trama que lhe permitiu arrecadar 750 milhões de dólares (2,8 bilhões de reais) enganando os investidores.

A empresa anunciou minutos antes da publicação das acusações que a executiva renunciou ao posto de executiva-chefe. David Taylor, o conselheiro geral, foi nomeado em seu lugar. A promotoria também acusa Ramesh Balwani, que presidiu a sociedade durante o período em que ocorreu a fraude e trabalhou como diretor de operações. Os dois convenceram os investidores com a informação falsa de que inventaram um método único de análise sanguínea.

Elizabeth Holmes se transformou em uma estrela no Vale do Silício a ponto de sua visão inovadora e talento serem comparados aos de Steve Jobs. Com sua fama sua fortuna também cresceu. Com somente 30 anos se transformou na mulher mais jovem a fazer parte do exclusivo clube de bilionários elaborado pela revista Forbes. A Theranos, que não tem ações na Bolsa, chegou a ser avaliada em 9 bilhões de dólares (33 bilhões de reais). Mas as dúvidas sobre a empresa começaram a surgir há dois anos e meio.

Uma investigação do jornal The Wall Street Journal revelou que a empresa estava utilizando a tecnologia de empresas rivais para obter os resultados com os que prometia revolucionar a indústria. O regulador financeiro impôs a Holmes o pagamento de meio milhão de dólares (1,8 milhão de reais) e exigiu que ela devolvesse todas as ações da Theranos, adquiridas durante a fraude. Também proibiu que ela dirigisse uma empresa durante 10 anos.

As acusações foram apresentadas na quinta-feira a um júri pela promotoria do Distrito Norte da Califórnia, em San Francisco, e vieram a público na sexta. Os dois executivos são acusados de enganar médicos e pacientes, assim como os investidores. Holmes continuará presidindo o conselho de administração da Theranos. Entre os investidores mais ilustres da empresa estão Larry Ellison, fundador da Oracle, e Rupert Murdoch, do conglomerado de comunicação Fox.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_