Cinco romances imprescindíveis de Philip Roth

Não é fácil escolher entre os trinta livros publicados pelo prodigioso escritor norte-americano

Entre os trinta livros escritos por Philip Roth, que morreu na madrugada desta quarta-feira aos 85 anos, não é fácil selecionar alguns. São muitas as obras magistrais que deixam uma recordação perene no leitor e na crítica. Sua capacidade de indagar nas regiões devastadas e mais obscuras do ser humano, de pôr em relevo sua risível transcendência e de transmitir a explosão liberadora e aprisionadora do sexo percorre a produção de um fabulador apegado à realidade, a seu tempo, a seu país, ao mundo. Que maior reconhecimento para a maestria de um romancista do que os historiadores de seu país, os Estados Unidos, escolherem seu livro de ficção Complô contra a América como o melhor do ano? Em seguida, uma lista – apenas uma amostra – de algumas das obras imprescindíveis de Philip Roth.

1. O Complexo de Portnoy (1969)

Tornou-se rapidamente um clássico e não só da provocação. É o divertido monólogo das obsessões masturbadoras do jovem judeu Alexander Portnoy, agarrado à mãe, e suas problemáticas relações com as mulheres nos anos 40 em Nova Jersey.

2. A Marca Humana

A série de obras protagonizadas pelo alter ego do escritor, Nathan Zuckerman, “personagem mais real que o que a realidade apresenta, e que permitiu a Roth desenvolver uma série de complexas explorações sobre o sentido da arte e da vida”, nas palavras do escritor e crítico Eduardo Lago. Em A Marca Humana (2000), por exemplo, Zuckerman narra como a carreira do professor universitário Coleman Silk se arruína ao pronunciar na sala de aula uma expressão pouco feliz em meio à febre do politicamente correto nos EUA.

3. Pastoral Americana (1997)

O reverso do sonho americano. O casamento perfeito, formado por Seymour, antigo atleta e bom filho, e Dawn, ex-miss Nova Jersey, leva uma vida exemplar até que sua existência começa a ruir por uma desgraça familiar. As convicções de Seymour se chocam com os valores da sociedade norte-americana dos anos sessenta nesta primeira parte da celerada trilogia norte-americana, que continuou com Casei com um Comunista (1998) e A Marca Humana.

4. Complô contra a América (2004)

O que teria acontecido se nas eleições dos Estados Unidos um candidato republicano, pró-nazismo, antissemita e isolacionista, como o popular aviador Charles A. Lindenberg, o primeiro a cruzar o Atlântico sozinho, tivesse em 1940 tirado a vitória de Roosevelt? Os EUA não teriam entrado na II Guerra Mundial e teriam perseguido os judeus, segundo a assustadora obra de Roth, que se concentra, porém, na tragédia pessoal de uma só família, chamada, precisamente, Roth.

5. Nêmesis (2010)

Seu último romance em que volta a suas questões íntimas. O tema de Nêmesis é a epidemia de pólio que assolou os Estados Unidos durante o verão de 1941 e como afetou a comunidade judaica de Newark, a cidade natal do autor, cenário de sua infância. Roth retoma um velho tema, o da peste, tratado anteriormente por Daniel Defoe e Albert Camus. O pano de fundo, neste caso, é a II Guerra Mundial, com suas atrocidades. Na última obra, “Roth nos arrasta para o melhor de que é capaz, o teatro de sua imaginação, alcançando um virtuosismo de que só são capazes os mestres do invisível”, argumenta Eduardo Lago. Ao comentar o romance, o sul-africano J. M. Coetzee, ganhador do prêmio Nobel de Literatura, atenta para uma cena misteriosa em que se explica como cavar um túmulo. Trata-se de uma lição, observa Coetzee, tanto de vida como de morte. Escrever é enfrentar a morte e aprender a tiver. Tudo ao mesmo tempo.