Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

China e Argentina impulsionam saldo recorde do Brasil na balança comercial

País obteve um superávit comercial recorde de 67 bilhões de dólares em 2017.

Valor é 40,5% superior ao registrado no ano anterior

Imagem do Taiwan International Ports Corp (TIPC) em junho de 2017.
Imagem do Taiwan International Ports Corp (TIPC) em junho de 2017. EFE

Se, na política, o Brasil vive turbulência desde o início do processo de impeachment de Dilma Rousseff, no fim de 2015, e economia segue dando sinais animadores. No mesmo dia em que a Bolsa de Valores de São Paulo registrou novo recorde histórico de pontos (77.891), o Governo anunciou outro recorde, na balança comercial. O país obteve um superávit comercial de 67 bilhões de dólares em 2017, 40,5% superior ao registrado no ano anterior, graças ao aumento do volume e dos preços de suas exportações, segundo dados oficiais divulgados nesta terça-feira.

O resultado está em linha com os 66 bilhões de dólares projetados pelo mercado na pesquisa semanal realizada pelo Banco Central e dentro da faixa entre 65 e 70 bilhões prevista pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic).

A balança comercial de dezembro teve um superávit de 4,998 bilhões de dólares, com um salto interanual de 13,2%, o que contribuiu para deixar para trás os 47,683 bilhões de dólares de 2016. “A expectativa dos mercados era muito grande (...) e as exportações cresceram pela primeira vez depois de cinco anos”, disse o ministro Marcos Pereira, do Mdic.

O ministro acrescentou que as importações cresceram pela primeira vez em três anos devido à melhora registrada pela economia brasileira depois de sair de uma das piores recessões de sua história. “Isso mostra uma recuperação real da economia”, disse Pereira.

Os saldos positivos no comércio com a China e a Argentina foram um dos motores da balança comercial de 2017 da maior economia da América Latina.

No total, as vendas ao exterior totalizaram 217,7 bilhões de dólares em 2017, um crescimento de 18,5% em relação aos 185,2 bilhões do ano anterior, enquanto as importações acumularam 150,7 bilhões, com um aumento de 10,5% em relação aos 137,5 bilhões do ano anterior.

“É bom para o Brasil porque garante a entrada de dólares. Temos um colchão de reservas muito bom e que pode continuar aumentando. Isso permite que a percepção de risco do país não mude”, disse à agência de noticias AFP Raul Velloso, consultor econômico e ex-secretário de Assuntos Econômicos do Ministério do Planejamento.

MAIS INFORMAÇÕES