_
_
_
_
Tribuna
São da responsabilidade do editor e transmitem a visão do diário sobre assuntos atuais – tanto nacionais como internacionais

À Comissão Europeia

Os diretores de oito jornais pedem uma investigação sobre a independência dos meios de comunicação em Malta, depois do assassinato da jornalista Daphne Caruana Galizia

Manifestação em frente ao gabinete do primeiro-ministro maltês em razão do assassinato da jornalista Daphne Caruana Galizia
Manifestação em frente ao gabinete do primeiro-ministro maltês em razão do assassinato da jornalista Daphne Caruana GaliziaDARRIN ZAMMIT LUPI (REUTERS)
Mais informações
O crime que traz à tona o lado ruim de Malta
Explosão de carro mata jornalista que investigava Governo de Malta no ‘Panama Papers’
A via-crúcis de uma jornalista para conseguir justiça no México

Prezado primeiro vice-presidente da Comissão Europeia, Frans Timmermans:

O chocante assassinato da jornalista de investigação maltesa Daphne Caruana Galizia é uma assustadora advertência sobre os perigos enfrentados diariamente por jornalistas e cidadãos que exercem o jornalismo e que tentam revelar a corrupção e a conduta criminosa dos ricos e poderosos.

Não é possível consentir que os assassinos de Daphne consigam seu evidente objetivo de silenciar sua investigação sobre a corrupção nas instâncias mais altas.

Agradecemos que tenha declarado publicamente que Malta deve demonstrar à Europa e ao mundo que suas leis e regulamentos são sólidos e resistentes.

Como o senhor deve estar ciente, em 2016, o observatório da Comissão Europeia responsável pelo monitoramento do pluralismo nos meios de comunicação expressou preocupação com a falta de independência política da mídia maltesa, depois de chegar à conclusão de que "Malta é o único país da União Europeia no qual o controle dos meios de comunicação está de tal maneira nas mãos dos partidos políticos". O relatório também revelou que Malta tinha pouca autonomia editorial, "principalmente devido à falta de medidas regulatórias e autorregulatórias que protegem a independência editorial na mídia".

O assassinato de Daphne, juntamente com os problemas estruturais identificados pelo relatório, mostra a necessidade de que a Comissão realize uma investigação aprofundada sobre a independência dos meios de comunicação em Malta. Pedimos que, de sua posição, exorte urgentemente o Governo maltês a iniciar um diálogo para que não exista dúvida de que conhece sua obrigação, como membro da União Europeia, de fazer cumprir o princípio da legalidade e apoiar a liberdade de imprensa e a liberdade de expressão no país.

O assassinato de Daphne Caruana Galizia destaca o perigo que os jornalistas enfrentam na busca da verdade, bem como o medo que corruptos e poderosos têm de ser expostos. Pedimos que o senhor use todos os poderes disponíveis para garantir que a morte de Daphne seja investigada a fundo e para enviar um sinal claro de apoio a jornalistas que trabalham pelo interesse público, em Malta e em todo o mundo.

Atenciosamente,

Katharine Viner, diretora do The Guardian

Wolfgang Krach, diretor do Süddeutsche Zeitung

Dean Baquet, diretor-executivo do The New York Times

Lionel Barber, diretor do Financial Times

James Harding, diretor de notícias e informação da BBC

Mario Calabresi, diretor do La Repubblica

Antonio Caño, diretor do EL PAÍS

Jérôme Fenoglio, diretor do Le Monde

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_