Editoriais
i

Risco de precariedade

Em caso de desaceleração intensa ou recessão, o mercado de trabalho espanhol seria hoje tão vulnerável quanto no início da crise

Fátima Báñez, ministra do Emprego na Espanha
Fátima Báñez, ministra do Emprego na EspanhaULY MARTIN

Mais informações

Apesar da melhoria sistemática das grandes estatísticas do mercado de trabalho, a qualidade do emprego (na Espanha) continua sendo muito baixa e é um fator que pode afetar o crescimento futuro da economia. É verdade que no terceiro trimestre deste ano foi ultrapassada a marca do 19 milhões de empregos (19,049 milhões, especificamente) e que a taxa de desemprego caiu para 16,3%. O emprego continua a crescer, neste trimestre por razões óbvias (a temporada turística) e, detalhe esperançoso, a população ativa aumentou em 53 mil pessoas. Mas os grandes números já não são suficientes para medir a recuperação. E não são porque, uma vez que a economia espanhola superou a recessão, o objetivo já não pode ser aumentar o emprego de qualquer maneira.

A crise de 2007 e a recessão associada demonstraram algo evidente: os postos de trabalho precários e os ocupados por pessoas menos qualificadas são os primeiros a desaparecer no caso de uma grave convulsão econômica. Na Espanha, esses tipos de emprego estão associados aos mercados da construção civil e do turismo. A peculiaridade da recuperação espanhola é que está gerando empregos da mesma qualidade que os que começaram a desaparecer maciçamente em 2008. Isso significa que, em caso de intensa desaceleração ou recessão, o mercado de trabalho espanhol seria hoje tão vulnerável quanto no início da crise. A taxa de temporalidade agora está em 27,38%, quatro pontos a mais do que em 2013.

Embora a depreciação salarial tenha sido a fórmula para enfrentar a depressão da economia espanhola em 2012 – apesar de que havia outras opções e maneiras de fazê-lo – não é aceitável manter o crescimento da precariedade e a queda das rendas salariais. As decisões econômicas do Governo deprimiram a renda e permitiram a deterioração da contratação, mas agora é o momento de mudar o padrão de crescimento e melhorar a contratação.

Mais informações