FMI é o novo alvo de Trump, que pede disciplina fiscal na instituição

Secretário do Tesouro solicita ao Fundo que ponha o foco no crescimento privado dos países e alerta que deverá revisar os salários

Donald Trump com o secretário do Tesouro, Steve Mnuchin, em segundo plano, esta semana em Washington.
Donald Trump com o secretário do Tesouro, Steve Mnuchin, em segundo plano, esta semana em Washington.KEVIN LAMARQUE (REUTERS)

Uma das marcas da Administração de Donald Trump tem sido questionar muito do que está estabelecido a respeito dos organismos multilaterais, pedir-lhes prestação de contas em público e até abrir o caminho para deixá-los. Fez isso com a Otan ainda enquanto candidato, prosseguiu com a Unesco, que acaba de abandonar, e esta semana, em plena reunião semestral de outono do hemisfério Norte, começou a criticar entidades como o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial. Washington quer mudanças, disse diante dos microfones, e além disso atacou onde dói: avisou que terão que revisar seus próprios salários.

“Conforme o FMI avança pelo período após a crise financeira global, reivindicamos que a instituição reestruture seus programas de empréstimos para priorizar reformas que impulsionem o crescimento econômico puxado pelo setor privado”, disse o secretário do Tesouro dos EUA, Steve Mnuchin, nesta sexta-feira, durante sua declaração no Comitê Financeiro e Monetário da entidade, segundo relata a agência EFE. Enfatizou que o Fundo deveria ser “um exemplo de disciplina fiscal”, algo que exigirá medidas impopulares, como a revisão dos “salários e benefícios de seus trabalhadores”.

A relação entre o FMI e seu principal parceiro, os Estados Unidos, não está em seu melhor momento desde a chegada ao poder de Trump. Não somente pesa a marcha a ré no globalismo tão característico do presidente anterior, Barack Obama, como também as dúvidas demonstradas pelo Fundo a respeito da reforma fiscal proposta pelo republicano. Na cúpula de abril, os economistas do Fundo elaboraram suas previsões contemplando um forte estímulo fiscal, mas as de agora foram feitas sobre a base de um cenário sem mudanças, neutro, devido à demora na anunciada reforma tributária. Além disso, na quarta-feira o FMI alertou que tirar progressividade dos impostos aumentaria a desigualdade.

MAIS INFORMAÇÕES

Fontes do Tesouro criticaram o Fundo por essas avaliações, e Mnuchin depois cutucou exatamente o organismo pela disciplina fiscal. Também manifestou dúvidas a respeito da ampliação de capital do Banco Mundial. “Mais capital não é solução quando o capital existente não é distribuído de maneira efetiva”, disse.

As jornadas do FMI e do Banco Mundial foram encerradas neste fim de semana com boas perspectivas, mas também com o temor de que as disputas políticas ponham em perigo a arrancada das economias avançadas. Afirma Dice Maurice Obstfeld, o economista chefe do Fundo, que um dos motivos pelos quais desta vez é a sério, que a aceleração global já seja um fato, é que a retomada está muito mais distribuída geograficamente, que agora são muitos que empurram o carro. Se nas últimas previsões do FMI, tornadas públicas esta semana em Washington, as perspectivas melhoradas das economias avançadas explicam a revisão para o alto de 2017, as das emergentes desempenham papel mais importante nas de 2018. Seria preciso retroceder uma década para encontrar um crescimento tão dividido.

Caso se olhasse o mundo como uma só economia, o crescimento previsto para este ano ficaria em 3,6%, e para o seguinte, em 3,7%, segundo o FMI, um décimo de ponto percentual a mais do que a estimativa de apenas quatro meses atrás. A América Latina avança a um ritmo de 1,2% em 2017, deixando para trás uma contração de 0,9% em 2016, e a zona do euro crescerá 2,1% (0,2 ponto percentual a mais do que se previa em julho). Nos Estados Unidos, a maior potência, os 2,2% de 2017 representam melhora de 0,1 ponto percentual em relação à projeção anterior, e na China, a segunda maior economia do planeta, a demanda interna melhorou, e o Fundo elevou suas previsões em 0,1 ponto percentual, para 6,8%.

Mesmo assim, há várias nuvens que escurecem as projeções da instituição. Uma é esse velho conhecido, esse potencial de crescimento tão modesto para o médio prazo, o que faz pensar que o mundo talvez deva se acostumar a avançar sem taxas de expansão econômica tão robustas como as do passado, não por crise nenhuma, e sim por motivos estruturais. Outra, por sua vez, tomou impulso nos últimos anos, as disputas políticas entre países e regiões, sempre, é claro, com dinheiro envolvido. As difíceis negociações do Brexit e o risco de ruptura no redesenho do TLC e do Nafta -o grande acordo comercial entre EUA, Canadá e México- rondaram durante toda a semana.

Arquivado Em: