Pênis feminino e gatos líquidos: conheça as pesquisas mais criativas – e inúteis – premiadas em Harvard

Pesquisadores brasileiros que descobriram um morcego vampiro e uma espécie de inseto em que fêmeas têm pênis e machos vagina estão entre os vencedores do Ig Nobel

A doutora López-Teijón mostra sua conquista ao receber o prêmio com sua equipe.
A doutora López-Teijón mostra sua conquista ao receber o prêmio com sua equipe.

MAIS INFORMAÇÕES

Por mais um ano, o histórico Teatro Sanders de Harvard ficou completamente lotado para a premiação mais louca da ciência, o Ig Nobel, a paródia dos prêmios suecos que “primeiro fazem rir e depois pensar”. E nesta edição há brasileiros nas equipes vencedoras. Rodrigo Ferreira, da Universidade Federal de Lavras, juntamente a uma equipe de cientistas brasileiros e suíços foi ganhador do prêmio de biologia com a descoberta em uma caverna brasileira de uma espécie de inseto em que as fêmeas têm pênis e os machos têm vagina. “Um descobrimento que deixa todos os dicionários defasados” por sua definição de pênis, como disseram os cientistas.

Já a pesquisadora brasileira Fernanda Ito, juntamente com o canadense Enrico Bernard e com o espanhol Rodrigo A. Torres, da Universidade Federal de Pernambuco, ganharam na categoria nutrição com a descoberta de morcegos da caatinga nordestina, que, diante da escassez de alimentos, tiveram que mudar seus hábitos e passaram a se alimentar de sangue humano.

O evento, do qual participaram como em todos os anos prêmios Nobel de verdade (Eric Maskin e Oliver Hart, de Economia e Roy Glauber, de Física), teve diversos momentos hilariantes enquanto eram entregues uma dezena de prêmios em outras tantas categorias científicas. E como em todos os anos, os premiados receberam uma astronômica premiação em espécie: uma nota de dez trilhões de dólares de Zimbábue, em homenagem ao vencedor do Ig Nobel de Economia de 2009, Gideon Gono, que como presidente da Reserva Federal do país emitiu essas notas para, supostamente, combater a hiperinflação.

A cerimônia, dirigida por Marc Abrahams (incentivador da premiação pela revista que reúne todos esses improváveis estudos: Annals of Improbable Research), incluiu a estreia de A Ópera da Incompetência, uma miniópera que consiste em “um encontro musical entre o Princípio de Peter e o efeito Dunning-Kruger”, de acordo com a organização. “Fala de como e por que pessoas incompetentes chegam ao topo... e o que isso significa a todos”. Esses foram os premiados:

Enrico, Fernanda e Rodrigo, da UFPE, no vídeo em que afirmam aceitar o Ig Nobel
Enrico, Fernanda e Rodrigo, da UFPE, no vídeo em que afirmam aceitar o Ig Nobel

Arquivado Em: