Seleccione Edição
Login

‘Game of Thrones’, sétima temporada: o que aconteceu no capítulo 7x04

Resumimos o que aconteceu no capítulo ‘Espólios da Guerra’. Cuidado: ‘spoilers’

Trailer

O quarto capítulo da sétima temporada de Game of Thrones, com mais de uma hora de duração, mantém a carga épica prometida no início da temporada e melhora as cenas de batalha vistas até agora na atual leva. A trama continua avançando rapidamente, e em The Spoils of War ('Espólios de Guerra') acontecem muitas coisas, todas elas importantes. Continuamos com nossos resumos semanais de cada capítulo. Se no episódio anterior Cersei era a grande protagonista, neste foi seu irmão Jaime que ganhou destaque. Com este quarto capítulo, já passamos do equador da sétima temporada (são sete episódios, e recordamos que a oitava e última temporada terá apenas seis). Como todas as semanas, repassamos os principais acontecimentos, frases e momentos que mais nos agradaram, e, de passagem, abrimos o debate para que os fãs possam comentar o ocorrido. E, como sempre, uma última advertência óbvia: este texto contém spoilers.

- Jaime e Bronn, irmãos de sangue para sempre

O capítulo começa e acaba com os mesmos personagens, Jaime Lannister e seu mercenário/amigo/irmão de sangue Bronn. Uma relação das mais trabalhadas ao longo da série e que ganha um significado especial no desfecho deste episódio (como explicaremos no final do texto). O exército Lannister viaja para Porto Real com o ouro do Jardim de Cima, escoltados pelos Tarly. Com esse butim Cersei irá saldar suas dívidas com o Banco de Ferro. Jaime dá muito ouro a Bronn por seus serviços prestados. O mercenário aceita, mas lhe recorda que deseja um castelo. Jaime lhe diz que por enquanto terá que se conformar com o ouro, que pare de se queixar, que o ouro é o que o motiva.

- Um banqueiro que faz seu trabalho

A ação salta precisamente para Porto Real, onde Cersei se reúne novamente com o banqueiro. Este elogia a eficácia da rainha em devolver o dinheiro tão rapidamente, mas dá sinais de estar decepcionado. Era melhor para ele quando os Lannister devolviam dinheiro com juros. Mas para continuar fazendo bem o seu trabalho, se oferece a Cersei para novos empréstimos. A rainha lhe conta que está procurando novos recursos e soldados para seu exército em Essos (o continente de onde chegou Daenerys).

- Bran, o místico

Mindinho, que continua nos desorientando com seu jogo, presenteia Bran com a adaga de aço valiriano com a qual tentaram matá-lo quando se encontrava inválido na cama (remontemos à primeira temporada...), depois de ser atirado por Jaime Lannister de uma torre. E atenção, que há uma referência a outra temporada que assusta Mindinho. Eles falam do caos, e Bran diz a Mindinho que “o caos é uma escada”. Faz referência àquele tenso encontro da terceira temporada entre Varys e Mindinho na sala do trono de Porto Real, onde o agora aliado dos Stark dizia ao agora assessor de Daenerys: “O caos não é um poço. O caos é uma escada. Muitos dos que tentaram subi-la falharam, nunca poderão tentar de novo. A queda os destruiu. E alguns que receberam a oportunidade de escalar se aferram ao chão, aos deuses ou ao amor. Só a escada é real. A subida é tudo o que existe.” A cara de Mindinho ao notar como Bran pode ser perigoso para seus planos é impagável.

A conversa entre Mindinho e Varys sobre o caos, na terceira temporada.

Chamou muito a atenção também a frieza de Bran ao reencontrar Sansa. Neste capítulo essa atitude se explica um pouco, quando Meera Reed, que o ajudou a se transformar no Corvo de Três Olhos, vai se despedir porque quer voltar à sua família para com ela enfrentar a ameaça do norte. Este lhe diz que já não é mais Bran: “Na verdade já não sou ele. Recordo como era ser Bran, mas agora recordo muito mais”. “Você morreu em uma caverna”, responde-lhe Meera.

- Os Stark são frios por natureza

Depois do frio encontro entre Bran e Sansa no episódio anterior, ocorre outro reencontro entre os Stark que à primeira vista parece bastante gélido. Arya chega a Winterfell. Quando os ineptos soldados do portão (esse castelo deve ser o lugar mais mal vigiado de Westeros) avisam à senhora de Winterfell que uma mulher que dizia ser sua irmã mais nova apareceu por lá, mas logo sumiu, Sansa sabe perfeitamente onde encontrá-la: nas catacumbas, junto à tumba do seu pai. O abraço entre elas é pouco emocionante, talvez para mostrar que ambas já são adultas, que sofreram muito e que Arya agora é uma implacável assassina. Mas no decorrer do episódio, conforme vão conversando, tudo esquenta emocionalmente e se observa uma boa química. Menos mal, porque, quando Arya vê Bran, este continua feito um iceberg. Ao menos lhe dá a adaga presenteada por Mindinho. Claramente ele sabe que Arya precisará da arma. “Nossa história não acabou”, havia dito Arya a Sansa na catacumba. E outra cena importante, o reencontro entre Arya e Brienne. A mais nova dos Stark pede para treinar com ela e assim demonstra suas novas habilidades. Há um grande respeito entre ambas. Mas Sansa, que as vê à distância, se mostra incômoda ao observar a desenvoltura da sua irmã na luta. Será uma forma de perceber que nada será igual, e que Arya é uma assassina?

Sansa e Arya se reencontram no túmulo de seu pai.
Sansa e Arya se reencontram no túmulo de seu pai.

- Não é hora para uma tensão sexual não resolvida

Em Pedra do Dragão vemos uma relação cada vez mais solta entre Jon e Daenerys. O bastardo dos Stark mostra à rainha Targaryen o interior da mina de vidro de dragão. “Com isto temos suficiente, mas há algo mais que tenho que lhe mostrar”, diz. São gravuras antigas feitas pelos Filhos da Floresta em tempos muito antigos, que demonstram que há milênios os humanos precisaram se aliar ao povo mágico para enfrentar os caminhantes brancos. É a prova definitiva que leva Daenerys a aceitar ajudar Jon, mas, recorda, desde que este se ajoelhe e a reconheça como sua rainha. São os momentos mais íntimos entre ambos, nota-se que há química (quando perceberão que se contraírem matrimônio e tiverem um filho, este sim será o único rei de tudo?), inclusive Daenerys se deixa guiar por Jon pela caverna quando este a agarra pelo cotovelo para lhe mostrar uma gravura. Mais adiante, Ser Davos lhe insinuará que há tensão sexual, e Jon lhe responderá: “Não há tempo para isso”.

- Planos astutos

Chegam a Pedra do Dragão as más notícias das vitórias Lannister no sul. Daenerys, farta, diz que quer ir com seus dragões diretamente a Porto Real. Tyrion se opõe e, pela primeira vez, vemos uma khaleesi nervosa e grosseira com seu assessor: “Talvez você não queira derrotar seu inimigo porque ele é da sua família”. “Chega de planos astutos”, diz Daenerys. Então pede um conselho a Jon, mas este lhe diz que se for atrás de Cersei diretamente e destruir Porto Real ela cairá tão baixo como todos os reis anteriores, matando e destruindo tudo sem sentido. Theon Greyjoy chega a Pedra do Dragão, derrotado. Jon se encontra com ele na praia e lhe diz que não o mata porque salvara Sansa (na mesma Winterfell que arruinou, recordemos). Theon lhe pergunta onde está Daenerys, pois quer pedir sua ajuda para resgatar a sua irmã das mãos de Cersei. Jon lhe diz que está em outro lugar.

Varys, Tyrion, Missandei, Daenerys, Davos e Jon na praia de Pedra do Dragão.
Varys, Tyrion, Missandei, Daenerys, Davos e Jon na praia de Pedra do Dragão.

- Jaime e Bronn, irmãos de sangue para sempre II

A ação retorna aonde começou neste capítulo, ao sul. Os Tarly dizem a Jaime que o ouro já chegou a Porto Real, mas que o resto do exército precisa apressar a marcha para evitar emboscadas. Tarde demais. Num cenário que recorda um pouco o velho oeste (tudo isto foi gravado em Los Barruecos, na Espanha), uma horda de dothrakis aparece no horizonte. O exército Lannister tem tempo para preparar sua defesa, mas não contava com a aparição de um dragão com sua mãe cavalgando. Drogon e seu fogo arrasam com tudo. A batalha é épica, muito melhor que a naval de dois capítulos atrás. Jaime tenta se defender, sem sucesso.

Daenerys em seu momento decisivo.
Daenerys em seu momento decisivo.

Bron por sua vez, após combater um dothraki e perder sua bolsa de ouro, consegue chegar à grande besta antidragões que Qyburn construiu. Com uma flecha fere Drogon, que precisa pousar. Daenerys desce do bicho para retirar a flecha. E Jaime, que está perto, vê a chance de acabar com ela. Ataca a cavalo. Numa colina próxima, Tyrion (uma vez mais, os personagens se movem de um lado para o outro numa velocidade incrível) é testemunha da cena. “Foge, idiota”, murmura, sabendo que o destino de seu irmão é a morte. Justo quando Jaime está a ponto de acabar com Daenerys o imenso dragão gira e cospe fogo. Mas Bron aparece, já sem dinheiro, para salvar seu amigo do fogo. O mercenário se redime assim da má imagem no começo do episódio. Sim, o ouro é importante para ele, mas também seu amigo, a quem é leal. Ambos caem em um lago, e a última imagem que vemos é a de Jaime, inconsciente, afundando na água...

Contagem de mortes no 7x04:

Neste episódio morreram muitos soldados Lannister e muitos dothrakis.

Contagem de ressurreições:

No ano passado inauguramos este contador de ressurreições, e tivemos algumas. Será que ocorrerão neste ano também? Não descartamos. Por enquanto, zero ressurreição, embora, enquanto Melisandre e Dondarrion estiverem soltos, nunca se sabe...

MAIS INFORMAÇÕES