Seleccione Edição
Login

Neymar brinca de esconde-esconde com o Barça

Jogador não anunciou que quer ir para o PSG, mas o clube azul-grená depositou preventivamente em juízo os 26 milhões de euros de bônus pela renovação do contrato

Neymar, em evento de publicidade em Xangai. Ampliar foto
Neymar, em evento de publicidade em Xangai. AFP

O Barcelona logo percebeu que pouco ou nada pode fazer nas negociações de Neymar com o PSG. Bastou a primeira reunião, nos Estados Unidos, com o pai do jogador, que se sentou à mesa para expor a oferta que têm do clube parisiense e se distanciou da vontade do filho. “Mas isso deve ser encarado com cautela, porque pode ser uma estratégia para desviar a atenção e, no final, ele buscará o que acredita ser o melhor para o filho”, rebatem no clube catalão. Sobre essa reunião e as duas que aconteceram depois nada mais foi dito. Entre outras coisas, porque, como afirmam nos escritórios do Camp Nou, ninguém lhes disse claramente que Neymar quer deixar o Barça. “As reuniões não serviram para nada porque apesar de supormos que a oferta do PSG seja verdadeira, não fomos informados de que o jogador já tomou a decisão de jogar em Paris”, dizem no clube; “Assim, enquanto o jogador não revelar publicamente suas intenções, nós queremos que ele se sinta confortável no Barcelona e lutaremos para que fique”.

Essa disputa, no entanto, não inclui dinheiro. “Ele já renovou no ano passado – até junho de 2021 – e tem um contrato em vigor”, diz o clube catalão, “mas o pai do jogador tampouco nos pediu um aumento de salário ou algo parecido”. O pai de Neymar deve receber por estes dias os 26 milhões de euros (cerca de 96 milhões de reais) estipulados pela renovação do contrato e pelo aumento da cláusula de rescisão, que está agora em 222 milhões de euros, e que na próxima temporada subirá para 250. “Essa é a cláusula. E se eles o querem, terão de pagá-la. O resto é mera especulação”, afirmam enfaticamente no Barcelona. O clube azul-grená decidiu depositar em juízo os 26 milhões de euros de bônus. É uma medida preventiva. A diretoria do clube acredita que o bônus pela renovação do jogador poderá ser modificado caso ele vá para o PSG.

Ninguém do clube parisiense procurou o Barça, razão pela qual não começaram as negociações, e tampouco se sabe se elas acontecerão. “Não falamos com ninguém do PSG, então não sabemos o que eles farão caso finalmente Neymar queira sair”, dizem no clube catalão. Da mesma forma, eles não sabem se a vontade do clube francês é incluir jogadores na operação, como foi publicado a respeito de Di María. “Não nos interessa entrar nesse jogo. Se ainda não nos disseram nem olá, como vamos avaliar isso?”, perguntam. E acrescentam: “Então tampouco consideramos como eles farão o pagamento”. Eles se referem ao fato de que ignoram se o PSG tentará negociar [oferecendo mais dinheiro para que não seja o pagamento da cláusula e, assim, evitar os impostos] ou apresentará Neymar na sede da Liga com os milhões. Nesse caso, o Barça vai agir por sua própria iniciativa e denunciará à UEFA a vontade de saber de onde vem o dinheiro. “Isso não foi dito por ninguém do clube”, se defende o Barcelona. Mas é algo que se toma como certo.

Também se cogita a possibilidade de o brasileiro fazer hoje uma escala em Doha durante ao retorno da China – onde o jogador foi a imagem do Barça em eventos publicitários – e realize exames médicos como o fez o próprio Di María. Acontece que o PSG tem um acordo com o centro Aspetar de Doha e um médico brasileiro já está preparado no Departamento de Medicina Esportiva. “Não temos confirmação oficial, mas não seria surpresa”, diz um funcionário da Aspetar. Embora, como acontece com tudo que envolve a contratação, seja algo indefinido e difuso.

Assim, com operação congelada e à espera do que Neymar vai fazer –“o único caminho é que ele se manifeste”, disse Iniesta, com uma sensação cada vez mais generalizada entre seus companheiros, porque não se fala de outra coisa–, o Barça espera também para ver se o PSG rompe ou não o fair play financeiro, uma vez que já foi punido com 60 milhões de euros de multa em 2014 por essa razão e poderia ter uma punição maior, como ser proibido de disputar competições europeias ou ter limitado o número de jogadores inscritos, além de der impedido de contratar durante várias janelas de transferência de jogadores.

Coutinho, a alternativa

A saída de Neymar abriria o leque de contratações do Barça. “Se isso acontecer, os clubes vão esperar por nós, porque sabem que teríamos dinheiro e agora parece que pedir 100 milhões por um jogador é normal”, lamentam. “Mas é claro que consideraremos os grandes nomes”, acrescentam no clube. Especula-se a respeito de Griezmann, Dybala, Mbappé... mas é claro que o que querem agora é Philippe Coutinho (do Liverpool), independentemente de se o camisa 11 faça ou não as malas para Paris. A contratação parece próxima porque já se chegou a um acordo com o jogador, mas ainda falta negociar com o clube inglês. “É um jogador que pode atuar como volante ou ponta”, lembram no Barça. E é por isso que, no caso de trazer Coutinho, o clube só contrataria Paulinho ou Verratti, mas não ambos. “Mas há mais nomes, hein?”, revelam no clube azul-grená.

Por enquanto, Neymar fala sobre ninharias ou suas marcas nas redes sociais, e também sobre a grama com seus pés, porque foi o artilheiro da turnê norte-americana com três gols. Mas não dá nenhum pio sobre o que quer ser, se o líder do PSG ou o escudeiro de Messi. Por isso o torcedor do Barça e o próprio clube continuam à espera dos acontecimentos.

UEFA INVESTIGARÁ A TRANSFERÊNCIA

A UEFA investigará a transferência de Neymar ao PSG, se finalmente se concretizar, para ter certeza “de que as regras do fair play financeiro foram respeitadas”.

Isso foi confirmado à agência EFE por Andrea Traverso, diretor executivo de jogo limpofinanceiro e sustentabilidade da UEFA, que também negou ter recebido qualquer queixa até agora –a Liga espanhola anunciou que o fará. Traverso explicou que, de qualquer modo, o órgão continental analisará detalhadamente a transferência para garantir que respeita as normas. “O PSG tem de respeitar as regras do fair play financeiro como todos os clubes da Europa. Eles devem demonstrar que não tiveram prejuízos superiores a 30 milhões de euros em um prazo de três anos. O impacto potencial da contratação de Neymar pelo PSG teria efeitos nas finanças do clube durante muitos anos”, detalhou.

“É muito difícil julgar esse tipo de operação com antecedência, pois não sabemos os planos do clube francês. Eles podem vender alguns jogadores por um preço similar ou superior. Só podemos fazer cálculos a posteriori e garantir que as regras foram cumpridas”, acrescentou Traverso.

MAIS INFORMAÇÕES