Antídoto contra a idade: o dinheiro

Hollywood aposta em Shirley MacLaine, Warren Beatty, Rachel Welch, Goldie Hawn, Glenda Jackson e De Niro

Goldie Hawn, no CinemaCon, em Las Vegas
Goldie Hawn, no CinemaCon, em Las Vegas

Nem botox, nem cirurgia plástica. Segundo confirmou Morgan Freeman a este jornal, o único antídoto contra a idade que Hollywood conhece é o dinheiro. “Nem sexismo, nem racismo nem velhismo. Eu não vejo discriminação na indústria de Hollywood porque há anos a única coisa que manda é o dinheiro”, afirma o ator, perto de completar 80 anos. Tomando sua carreira como exemplo, está claro que Hollywood é um país para velhos. Nos últimos dois anos Freeman trabalhou em uma dúzia de filmes e produções de televisão. Em sua última estreia, Despedida em Grande Estilo, não é o único veterano. O filme soma 246 anos entre seus três protagonistas, contando os 84 de Michael Caine e os 83 de Alan Arkin. Ou 321, se também se soma os 75 de Ann Margaret, mais uma integrante do elenco dessa comédia centrada em um grupo de aposentados que decide roubar um banco para recuperar as pensões que perderam na atual crise econômica. Entre os quatro também estão quatro prêmios Oscar e 13 indicações à mesma estatueta, exemplo do quanto valem suas carreiras.

Mais informações

Mas o valor é relativo, porque ao longo dos anos são muitos os exemplos de gerontofobia em uma indústria apaixonada pela carne jovem. A série FEUD, centrada nas carreiras de Bette Davis e Joan Crawford, deixa claro que o problema vem de anos. A obra de Ryan Murphy mostra as dificuldades que essas grandes estrelas tiveram na década de 1960 depois que atravessaram a barreira dos 50 anos, como se fosse um problema atual. “Hollywood mudou pouco em matéria de discriminação”, disse o autor.

Mas a situação está mudando. Robert de Niro, de 73 anos, está mais ativo do que nunca. Glenda Jackson voltou ao teatro aos 80 anos como protagonista de Rei Lear. Entre as grandes estreias nos Estados Unidos está a comédia de ação Snatched, que promove o retorno de Goldie Hawn aos 71 anos e depois de 15 anos afastada de Hollywood. Há ainda atualmente nas telas as veteranas Shirley MacLaine (82), Warren Beatty (80) e Rachel Welch (76), que trabalha em Como se Tornar um Conquistador. "Me faço de surda para quem me chama de último símbolo sexual. Por acaso Charlize Theron não é um símbolo sexual? Houve um momento em que Brad Pitt também era. E Angelina é uma mulher belíssima e muito sexy. Tudo depende dos olhos com que se vê”, disse Welch a este jornal.

A atriz, Glenda Jackson.
A atriz, Glenda Jackson.

Caine atribui o ressurgimento dos mais veteranos ao sucesso de filmes como O Exótico Hotel Marigold (2012), com um elenco em que Judi Dench e Maggie Smith marcavam a média de idade. “São muitos os espectadores da nossa idade que se sentem subestimados e que se identificam com a gente. A vida não para quando se chega a uma certa idade”, disse Ann Margaret. O gênero já conta com seu próprio nome: comédias de geriatria, um termo que faz seus protagonistas rirem. O que todos esses veteranos, dispostos a morrer sem pendurar as chuteiras, gostariam é de não só continuarem trabalhando, mas contar histórias que não falem unicamente da idade. “Eu simplesmente me vejo como um ator que consegue sobreviver como ator”, acrescenta, sem dar importância à idade.

Outra coisa é como são vistos por seus companheiros de viagem. Apesar de a média de idade dos membros da Academia estar acima dos 60 anos, e alguns dos grandes diretores, como Clint Eastwood, Woody Allen e Roman Polanski já terem passado dos 80, os filmes protagonizados por esses veteranos poucas vezes são reconhecidos nos prêmios. Como apontou um estudo da Universidade do Sul da Califórnia, apenas 11,8 por cento dos candidatos ao Oscar têm mais de 60 anos.