Bartra relembra o atentado: “Foram os 15 minutos mais longos e duros de minha vida”

O zagueiro, que se recupera da operação no braço direito, se abre nas redes sociais

A primeira foto divulgada por Marc Bartra após ser operado.
A primeira foto divulgada por Marc Bartra após ser operado.EFE

Três dias depois do atentado contra o ônibus do Borussia Dortmund no qual ficou ferido, Marc Bartra publicou em sua conta do Instagram um texto no qual recorda o momento do ataque (“os 15 minutos mais longos e duros da minha vida”), como se encontra atualmente depois de operado no braço direito e o que deseja a partir de agora. “Precisava desabafar e assim resolver tudo para somente pensar em ficar 100% o mais rápido possível”, diz na mensagem em que também aproveita para agradecer o apoio e o carinho de todos os que se interessaram por seu estado.

Mais informações
Ataque ao ônibus do Borussia Dortmund fere Bartra
#Bedforawayfans: o gesto dos torcedores do Dortmund com os do Monaco
Justiça alemã diz que radical islâmico detido não tem ligação com o atentado em Dortmund

"Precisava escrever e desabafar e assim resolver tudo para somente pensar em ficar 100% o mais rápido possível! Uma saudação bem grande!

Hoje voltei a receber no hospital a visita que mais me deixa feliz. Elas são meu todo, a razão por que luto para superar sempre os obstáculos e este foi o pior de minha vida, uma experiência que não desejaria a ninguém neste mundo. A dor, o pânico e a incerteza de não saber o que estava acontecendo nem quanto tempo duraria... foram os 15 minutos mais longos e duros de minha vida.

Com tudo isto lhes quero dizer que acho que o choque destes dias vai diminuindo cada vez mais e ao mesmo tempo se somam a vontade de viver, de lutar, de trabalhar, de rir, de chorar, de sentir, de amar, de acreditar, de jogar, de treinar, de continuar desfrutando de minha gente, seres queridos, companheiros, de minha paixão, de defender, de cheirar o gramado como faço antes de começar a partida e motivar-me. De ver as arquibancadas cheias de pessoas que amam nossa profissão, gente boa que só quer que as façamos sentir emoções para se esquecerem do mundo e sobretudo deste mundo em que vivemos, cada vez mais louco.

A única coisa que peço, A ÚNICA, é que vivamos TODOS em paz e deixemos as guerras para trás.

Nestes dias, quando olho para meu pulso, inchado e muito ferido, sabem o que sinto? Orgulho. Olho para ele orgulhoso pensando em que todo o dano que queriam nos fazer na terça-feira só ficou nisto.

Graças aos médicos, enfermeiras, fisioterapeutas e pessoas que me ajudam a me recuperar e que o pulso fique perfeito. Às milhares e milhares de pessoas, mídia, organizações de todo o tipo, o BVB e companheiros, que me fizeram chegar seu apoio e carinho. Por pequeno que seja, me encheu incrivelmente de forças para seguir SEMPRE em frente.

Precisava escrever e desabafar e assim resolver tudo para somente pensar em ficar 100% o mais rápido possível. Uma saudação bem grande!"

Aqui, a mensagem completa publicada nesta sexta-feira pela manhã por Marc Bartra:

Hoje voltei a receber no hospital a visita que mais me deixa feliz. Elas são meu todo, a razão por que luto para superar sempre os obstáculos e este foi o pior de minha vida, uma experiência que não desejaria a ninguém neste mundo. A dor, o pânico e a incerteza de não saber o que estava acontecendo nem quanto tempo duraria... foram os 15 minutos mais longos e duros de minha vida. Com tudo isto lhes quero dizer que acho que o choque destes dias vai diminuindo cada vez mais e ao mesmo tempo se somam a vontade de viver, de lutar, de trabalhar, de rir, de chorar, de sentir, de amar, de acreditar, de jogar, de treinar, de continuar desfrutando de minha gente, seres queridos, companheiros, de minha paixão, de defender, de cheirar o gramado como faço antes de começar a partida e motivar-me. De ver as arquibancadas cheias de pessoas que amam nossa profissão, gente boa que só quer que as façamos sentir emoções para se esquecerem do mundo e sobretudo deste mundo em que vivemos, cada vez mais louco. A única coisa que peço, A ÚNICA, é que vivamos TODOS em paz e deixemos as guerras para trás. Nestes dias, quando olho para meu pulso, inchado e muito ferido, sabem o que sinto? Orgulho. Olho para ele orgulhoso pensando em que todo o dano que queriam nos fazer na terça-feira só ficou nisto. Graças aos médicos, enfermeiras, fisioterapeutas e pessoas que me ajudam a me recuperar e que o pulso fique perfeito. Às milhares e milhares de pessoas, mídia, organizações de todo o tipo, o BVB e companheiros, que me fizeram chegar seu apoio e carinho. Por pequeno que seja, me encheu incrivelmente de forças para seguir SEMPRE em frente. Precisava escrever e desabafar e assim resolver tudo para somente pensar em ficar 100% o mais rápido possível. Uma saudação bem grande. Marc

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS